Os acontecimentos celebrados no dia de hoje, e em toda a semana entrante, oferecem aos católicos, nos dias tormentosos que vivemos, matéria para uma utilíssima meditação política.

dois funestíssimos erros que não raramente lavram entre os católicos brasileiros, e que com extraordinária oportunidade devem ser desmascarados na Semana Santa. Como freqüentemente ocorre, esses erros não provêm propriamente de premissas falsas, mas de premissas incompletas. É uma visão parcial e estreita das coisas que os provoca. E só uma meditação acurada, feita à luz de considerações naturais ou de argumentos inspirados em motivos sobrenaturais, pode pôr à luz o mau germe que neles se oculta.

O primeiro desses erros consiste em acoimar de ineficiente a ação da Igreja para a solução da crise contemporânea.

Diz-se por aí, em certos círculos de católicos – que nem por isto são círculos católicos – e em certo setor que pensa ou diz estar próximo dos católicos, que a Igreja não basta mais para fazer face ao comunismo. E que, portanto, é preciso apelar para uma outra organização, que, ela sim, salvará a civilização católica.

Argumentemos. E argumentemos só com a infalível autoridade dos Pontífices. Porque se, para algum católico, um argumento inspirado nas palavras dos Papas não for suficientemente convincente, é melhor que esse católico estude bem o seu Catecismo, antes de tentar “salvar a civilização”.

Diz o Santo Padre Leão XIII e, depois dele, todos os Pontífices o têm repetido, que o comunismo é um mal de origem eminentemente moral. Não são tanto os fatores econômicos ou políticos que geram o movimento comunista. Acima de tudo, mais do que tudo, provocou o comunismo a desagregação moral da civilização hodierna. Essa crise moral gerou crises econômicas, sociais ou políticas. E só quando ela for resolvida, serão resolvidos os problemas relacionados com as finanças, a organização política e a vida social dos povos contemporâneos.

Por outro lado, a solução desse problema moral só pode estar na ação da Igreja, porque só o Catolicismo, armado de seus recursos sobrenaturais e naturais, tem o dom maravilhoso de produzir nas almas os frutos de virtude indispensáveis para que floresça a civilização católica.

O que acabamos de dizer é diretamente extraído das Encíclicas. Basta abri-las para encontrar o que afirmamos.

Como conseqüência, de duas uma: ou os Papas estão errados, ou devemos reconhecer que só o Catolicismo salvará o mundo da crise em que está mergulhado. Portanto, é inútil discutir se no país A ou no país B os católicos agiram ou não agiram bem, se no Brasil os católicos têm bastante espírito de sacrifício para levar a cabo os ideais da Ação Católica.

Se é verdade que só a Igreja pode remediar os males contemporâneos, é só nas fileiras da Igreja que devemos procurar lutar pela eliminação desses males. Pouco nos importa que outros não cumpram o seu dever. Cumpramos o nosso. E se depois de termos feito todo o possível – a palavra “todo” significa tudo, mas absolutamente tudo, e não apenas “um pouco” ou “muito” – resignemo-nos diante da avalanche que vem. Porque ainda que pereçam o Brasil e o mundo inteiro, ainda que a própria Igreja seja devastada pelos lobos da heresia, Ela é imortal. Nadará sobre as águas revoltas do dilúvio. E é de dentro de seu seio sagrado que sairão depois da tempestade, como Noé da Arca, os homens que hão de fundar a civilização de amanhã.

Mas é aí que não querem chegar certos católicos. Como os judeus, eles só compreendem o Cristo sobre um trono de glória. Eles só Lhe são fiéis nos dias parecidos com o Domingo de Ramos, quando a multidão O aclama e cobre o seu caminho com suas vestes. Porque, para eles, o Cristo deve ser um Rei terreno. Deve dominar o mundo constantemente. E se, por algum tempo, a impiedade dos homens O reduzirem de Rei a Crucificado, de Soberano a Vítima, não mais querem saber dEle.

O Cristo, para eles, não veio salvar as almas para a Eternidade. Veio, isto sim, estabelecer no mundo o regime corporativo e combater o comunismo. E se, por instantes, o comunismo vencer, pouco faltará para que certas mãos empunhem o látego para, em união com os comunistas, flagelar o grande Culpado!

No entanto, o Cristo quis passar por todos os opróbrios, todos os vexames, todas as humilhações, mostrando que a História da Igreja também teria seus Calvários, suas humilhações, suas derrotas. E que muito mais meritória era e é a fidelidade no Gólgota do que no Tabor.

Foi para ensinar a gente assim que Nosso Senhor se submeteu a todas as humilhações no Calvário.

Entretanto, foi para ensinar gente diferente que Ele quis a glória do Domingo de Ramos.

Há gente de uma mentalidade detestável que acha absolutamente natural que Cristo sofra, que a Igreja seja vexada, humilhada, perseguida. Gente comodista, “cujus Deus venter est” – “que tem por Deus o seu próprio ventre”, e que pensa que, como a Igreja deve imitar ao Cristo, é natural que todos os [inimigos da Igreja] se atirem contra Ela e A façam sofrer. É a Paixão de Cristo que se repete, dizem eles. E enquanto essa Paixão se repete, eles levam sua vida farta e cômoda, nas orgias, nas imundícies, na exacerbação de todos os sentidos e na prática de todos os pecados.

Para gente como esta é que foi feito o látego com que foram expulsos os vendilhões do Templo.

Não é verdade que devamos cruzar os braços ante as investidas dos inimigos da Igreja. Não é verdade que devamos dormir enquanto se renova a Paixão. O próprio Cristo recomendou que seus Apóstolos orassem e vigiassem. E se devemos aceitar os sofrimentos da Igreja com a resignação com que Nossa Senhora aceitou os padecimentos de seu Filho, não é menos exato que será um motivo de eterna condenação para nós se nos portarmos ante as dores do Salvador com a sonolência, a indiferença e a covardia de discípulos infiéis.

A verdade é esta: devemos estar sempre com a Igreja, “porque só Ela tem palavras de vida eterna”. Se Ela é atacada, lutemos por Ela. Mas lutemos como mártires, até à efusão de nosso sangue, até o emprego de nosso último recurso de energia e de inteligência. Se, apesar disto tudo, Ela continuar a ser oprimida, soframos com Ela, como S. João Evangelista aos pés da Cruz. E estejamos certos de que, neste mundo ou no outro, Jesus misericordioso não nos negará o esplêndido prêmio de assistirmos à sua glória divina e suprema.

__________________________

Nota: Os negritos foram inseridos por este site, no artigo acima, apenas para maior facilidade dos leitores.

Fonte: Legionário, N.º 236, 21 de março de 1937

COMPARTILHAR
Artigo anteriorFim admirável de virtuosa princesa
Próximo artigoTriunfos da técnica e encantos da natureza
Plinio Corrêa de Oliveira
Homem de fé, de pensamento, de luta e de ação, Plinio Corrêa de Oliveira (1908-1995) foi o fundador da TFP brasileira. Nele se inspiraram diversas organizações em dezenas de países, nos cinco continentes, principalmente as Associações em Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP), que formam hoje a mais vasta rede de associações de inspiração católica dedicadas a combater o processo revolucionário que investe contra a Civilização Cristã. Ao longo de quase todo o século XX, Plinio Corrêa de Oliveira defendeu o Papado, a Igreja e o Ocidente Cristão contra os totalitarismos nazista e comunista, contra a influência deletéria do "american way of life", contra o processo de "autodemolição" da Igreja e tantas outras tentativas de destruição da Civilização Cristã. Considerado um dos maiores pensadores católicos da atualidade, foi descrito pelo renomado professor italiano Roberto de Mattei como o "Cruzado do Século XX".

1 COMENTÁRIO

  1. Esplêndido artigo do prof. Plínio Corrêa de Oliveira,em que transparece como um cristal seu amor intenso,irremediável e ate absoluto,pela Santa Igreja Católica e Apostólica Romana,corpo Místico de Cristo Nosso Senhor.Artigo escrito no Legionário,em 1937 época bem diferente da que vivemos hoje,mas quanto de verdades aplicado nos dias de hoje,em que o mesmo tipo de gente assim vivem com antes.Estamos aproximando da SEMANA SANTA,é uma ótima meditação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome