Moscou-Pequim: cooperação estreita como nos tempos de Stalin e Mao

    Jatos chineses treinam sobre o Tibete, julho 2010

    Um ano depois do colapso da URSS, o Kremlin transferiu à China o melhor de seu arsenal, incluindo o orgulho da Força Aérea Russa, o caça Sukhoi-27.

    Nos 15 anos seguintes, a Rússia forneceu à China entre US$ 20 e US$ 30 bilhões anuais em caças, destróieres, submarinos, tanques e mísseis.

    Agora a China já pode fabricar armas sofisticadas sem o apóio russo e projeta um porta-aviões.

    Os russos sabiam, como todo mundo, que as armas seriam “clonadas”, segundo Vassily Kashin, especialista russo em questões militares chinesas, registrou The Wall Street Journal.

    Por trás de aparências enganosas a aliança Moscou-Pequim segue tão estreita como nos tempos de Stalin e Mao.