Muitos veem, e mesmo assim não creem

0

.

Em Lourdes, entrada das piscinas que contêm a água milagrosa que brotou dentro da gruta

Os milagres de Lourdes desmentem a obstinada incredulidade humana

Fonte: Revista Catolicismo, Nº 842, Fevereiro/2021

Em Lourdes há um bureau de constatações médicas, em que só se registram as curas instantâneas de moléstias sem origem nervosa, e cujas curas não possam ser obtidas por algum processo sugestivo.

As provas exigidas como autenticidade da moléstia são: em primeiro lugar, um exame médico do paciente, feito antes de sua imersão nas águas de Lourdes; em segundo lugar, ainda antes dessa imersão, a apresentação dos documentos médicos referentes ao caso, radiografias, análises de laboratório etc.

Ao longo de todo esse processo preliminar podem apresentar-se quaisquer médicos de passagem por Lourdes, ficando autorizados a realizar exame pessoal do doente e das peças radiográficas ou de laboratório que traga consigo.

Finalmente, verificada a cura, deve esta ser analisada pelo mesmo processo pelo qual se constatou a doença; e só é considerada efetivamente miraculosa quando, durante muito tempo, o mal não reaparece.

Aí estão os fatos. Sugestão? Para eliminar qualquer dúvida a este respeito, aponta-se o caso de curas verificadas em crianças sem uso da razão, pois sua tenríssima idade exclui a possibilidade de serem sugestionadas. A tudo isto, o que se responde? Quem tem nobreza como a de São Tomé, diante da verdade segura deve ajoelhar-se e proclamá-la sem rebuços.

Parece que Nosso Senhor multiplica os milagres à medida que cresce a impiedade. Quanta gente sabe desses casos?

Quem tem a coragem de proceder a um estudo sério, imparcial, seguro, antes de negar esses milagres?

(Trecho de artigo de Plinio Corrêa de Oliveira em “O Legionário”, de 25-4-1943).

Deixe uma resposta