O Prof. T.J. Joseph teve a mão decepada ao regressar da missa dominical.

Segundo despacho da agência AsiaNews (www.asianews.it), assinado por Nirmala Carvalho (5 de julho de 2010), a vítima é um professor universitário da Faculdade Newman, em Thodupuzha, no  estado indiano de Kerala.

Qual foi seu “crime”?

As autoridades da faculdade disseram à AsiaNews que numa prova o Prof. T. J. Joseph contava a história de um vendedor de peixes, o qual estava ficando cada vez mais pobre apesar de seu árduo trabalho. Seu nome era Maomé. Em desespero ele falou com Deus; e também perguntou ao seu irmão por que suas posses estavam minguando. Este lhe respondeu: “Por que você está chamando Deus, Deus, Deus….” Aos estudantes era pedido completar o sentido da  narrativa.

Esta prova – “insultante a Maomé” – ocorreu no mês de março último e fez com que o professor começasse a receber ameaças. E também gerou tantos virulentos protestos de grupos islâmicos que a faculdade viu-se obrigada a suspender o professor. Este posteriormente pediu perdão publicamente pelo seu “erro não intencional”. Mesmo assim, segundo sua mãe, continuou a sofrer ameaças.

De acordo com a polícia, no dia 4 de julho o Prof. T.J. Joseph estava regressando com sua família da missa dominical, quando, já próximo de sua casa, uma vã emparelhou-se ao seu veículo, obrigando-o a parar. Dela desceram alguns indivíduos – depois identificados como do grupo islâmico Frente Popular da Índia – que, após arrancá-lo do carro, atacaram-no com facas e espadas. Cortaram-lhe então a mão direita e parte do antebraço, jogando-os a uma distância aproximada de 200 metros.

Mary Stella, irmã da vitima, disse que “os agressores destruíram o vidro do nosso carro e tiraram meu irmão para executá-lo. Minha pobre mãe, que estava conosco no carro, assistiu o crime”.

O professor foi transportado imediatamente para um hospital de Muvattupuzha, e depois para outro especializado em cirurgia, onde médicos tentavam recolocar sua mão decepada. O professor também sofreu feridas profundas no corpo e necessitará de cirurgia plástica.

O extremismo islâmico está crescendo em Kerala (sul da Índia): muitas escolas sofrem pressões sobre o uso do véu. Alguns dos detidos são ativistas da Frente Popular da Índia. O rápido crescimento da população muçulmana e sua influência nas eleições estão fazendo aumentar as preocupações quanto à segurança dos cristãos em todo o país.

Nosso comentário: a ameaça bate também às nossas portas. Grupos terroristas islâmicos não têm sido acusados de atuar livremente na Venezuela chavista? E a nossa política de aproximação com o Irã, que importações indesejáveis de fundamentalismo islâmico ela não poderá acarretar?