Novos cenários na era do coronavírus –
O coronavírus é um castigo divino?
Considerações políticas, históricas e teológicas

Roberto de Mattei

12 de março de 2020

O tema da minha palestra é “Os novos cenários na Itália e na Europa com e após o coronavírus”.

Não falarei sobre esse tópico do ponto de vista médico ou científico, pois não tenho competência nesses campos.

Em vez disso, tratarei do assuntos sob outros três pontos de vista: do estudioso das ciências políticas  e sociais; do historiador; e do ponto de vista do filósofo da história.

 O estudioso das ciências sociais

As ciências políticas e sociais são aquelas que estudam o comportamento do homem em seu contexto social, político e geopolítico. Desse ponto de vista, não me pergunto sobre as origens do coronavírus e sua natureza, mas sobre as consequências sociais que ele está tendo e terá.

Uma epidemia é a disseminação em escala nacional ou mundial (neste caso, é chamada de pandemia) de uma doença infecciosa que afeta um grande número de indivíduos de uma determinada população em um período muito curto de tempo.

O coronavírus, renomeado Covid-19 pela OMS, é uma doença infecciosa que começou a se espalhar a partir da China. A Itália é aparentemente o país ocidental mais afetado.

Por que a Itália está em quarentena hoje? Porque, como os analistas entenderam desde o primeiro momento, o problema do coronavírus não é tanto a taxa de letalidade da doença, mas a rapidez da infecção na população. Todos concordam que a letalidade da doença em si não é muito alta. Um paciente pode se recuperar se for assistido por pessoal especializado em unidades de saúde bem equipadas. Mas se, devido à rapidez da infecção, que pode afetar milhões de pessoas simultaneamente, o número de pacientes for galopante, faltarão instalações e funcionários: nesse caso os pacientes morrem porque são privados dos cuidados necessários. Para tratar casos graves, são necessários cuidados intensivos para ventilar os pulmões. Se esse suporte estiver ausente, os pacientes morrem. Se o número de pessoas infectadas aumentar, os hospitais não poderão mais oferecer tratamento intensivo a todos e um número crescente de pacientes sucumbirá.

As projeções epidemiológicas são inexoráveis ​​e justificam as precauções tomadas. “Se ficar descontrolado, o coronavírus pode afetar toda a população italiana; mas suponhamos que no final apenas 30% sejam infectados, cerca de 20 milhões. Se desses – contando por baixo – uns 10% entrar em crise, isso significa que, sem cuidados intensivos, eles estarão destinados a sucumbir. Seriam dois milhões de mortes diretas, além de todas as mortes indiretas resultantes do colapso do sistema de saúde e da ordem social e econômica resultante”.

O colapso do sistema de saúde também tem outras consequências. O primeiro é o colapso do sistema de produção do país.

As crises econômicas geralmente surgem da falta de demanda ou de oferta. Mas se aqueles que desejam consumir devem permanecer em casa e as lojas estão fechadas e aqueles que poderiam oferecer não podem levar seus produtos aos clientes, porque as operações de logística, o transporte de mercadorias e os pontos de venda estão em crise, as cadeias de suprimentos, as supply chains, colapsam. Os bancos centrais não conseguem salvar a situação: “A crise pós-coronavírus não tem solução monetária“;, escreve Maurizio Ricci, em La Repubblica, em 28 de fevereiro. Stefano Feltri, por sua vez, observa: “Receitas típicamente keynesianas – criação de empregos e demanda artificial com dinheiro público – não são viáveis ​​quando os trabalhadores não saem de casa, os caminhões não circulam, os estádios estão fechados e as pessoas não reservam viagens de férias ou de negócios porque em casa há doentes ou temem infecções. Além de evitar crises de liquidez para as empresas, suspendendo os pagamentos de impostos e de juros aos bancos, a política é impotente. Um decreto do governo não é suficiente para reorganizar a cadeia de suprimentos; .

A expressão “tempestade perfeita” foi criada há vários anos pelo economista Nouriel Roubini, para indicar uma mistura de condições financeiras que poderiam levar a um colapso do mercado. “Haverá uma recessão global devido ao coronavírus”, diz Nouriel Roubini, acrescentando: “A crise explodirá e resultará em um desastre”. As previsões de Roubini foram confirmadas pela queda nos preços do petróleo após o fracasso de um acordo na Opep, com a Arábia Saudita desafiando a Rússia e decidindo aumentar a produção e baixar os preços. Provavelmente serão ratificadas pelo desdobramento de eventos.

O ponto fraco da globalização é a “interconexão”, a palavra talismã do nosso tempo, da economia à religião. A Querida Amazônia do Papa Francisco é um hino à interconexão. Mas o sistema global é frágil precisamente porque está muito interconectado. E o sistema de distribuição de produtos é uma das cadeias dessa interconexão econômica.

Não se trata de mercados, mas da economia real. Não apenas as finanças, mas também a indústria, o comércio e a agricultura, ou seja, os pilares da economia de um país, podem entrar em colapso se o sistema de produção e distribuição estiver em crise.

Mas há outro ponto que começa a ser vislumbrado: não é apenas o colapso do sistema de saúde; não é só a possibilidade de uma rachadura econômica, mas também pode haver um colapso do Estado e da autoridade pública, em uma palavra, a anarquia social. As prisões em revolta na Itália indicam uma direção,

As epidemias têm consequências psicológicas e sociais pelo pânico que podem causar. A Psicologia Social nasceu entre o final do século XIX e o início do século XX. Um de seus primeiros expoentes é Gustave Le Bon (1841-1931), autor de um famoso livro intitulado Psicologia das Massas (1895).

Analisando o comportamento coletivo, Le Bon explica como, no meio da multidão, o indivíduo passa por uma mudança psicológica pela qual sentimentos e paixões são transmitidos de um indivíduo para outro “por contágio”, como nas doenças infecciosas. A moderna teoria do contágio social, inspirada em Le Bon, explica como, protegido do anonimato da massa, até o indivíduo mais pacífico pode se tornar agressivo, agindo por imitação ou sugestão. O pânico é um daqueles sentimentos transmitidos por contágio social, como aconteceu durante a Revolução Francesa no período chamado de “Grande Medo”.

Se a crise econômica soma-se à crise da saúde, uma onda descontrolada de pânico pode desencadear impulsos violentos na multidão. O Estado é substituído por tribos, gangues, especialmente nos subúrbios de grandes centros urbanos. A anarquia tem seus agentes e a guerra social, que foi teorizada pelo Fórum de São Paulo (uma confederação de organizações ultra-esquerdistas latino-americanas) já é praticada na Bolívia e no Chile, Venezuela e Equador, e pode em breve expandir-se para a Europa.

Esse processo revolucionário certamente corresponde ao projeto dos lobbies globalistas, os “mestres do caos”, como os define o professor Renato Cristin. Mas, se isso é verdade, também é verdade que quem sai derrotado por essa crise é precisamente a utopia da globalização, apresentada como o principal caminho para levar à unificação da humanidade. De fato, a globalização destrói o espaço e pulveriza as distâncias: hoje, pelo contrário, a regra para escapar da epidemia é a distância social, o isolamento do indivíduo. A quarentena se opõe diametralmente à “Sociedade Aberta“; defendida por George Soros. A concepção do homem como um relacionamento, típica de um certo personalismo filosófico, entra em ocaso.

O papa Francisco, após o fracasso da Querida Amazônia, concentrou-se fortemente na conferência dedicada ao Pacto Global agendada no Vaticano para 14 de maio. A conferência, no entanto, foi adiada e ela não apenas se afasta no tempo, mas suas premissas ideológicas se dissolvem. O coronavírus nos traz de volta à realidade. Não é o fim das fronteiras, anunciado após a queda do Muro de Berlim. É o fim do mundo sem fronteiras. Não é o triunfo da nova ordem mundial: é o triunfo da nova desordem mundial. O cenário político e social é o de uma sociedade que se desintegra e se decompõe. Foi tudo planejado? É possível. Mas a história não é uma sucessão determinística de eventos. O mestre da história é Deus, não os mestres do caos. É o fim da “aldeia global“;. O assassino da globalização é um vírus global chamado coronavírus.

O historiador

A esta altura, o historiador se substitui ao observador político e tenta ver as coisas em uma perspectiva de longa distância. As epidemias acompanharam a história da humanidade desde seu início até o século XX e sempre se entrelaçaram com outros dois flagelos: guerras e crises econômicas. A última grande epidemia, a gripe espanhola da década de 1920, estava intimamente ligada à Primeira Guerra Mundial e à Grande Depressão de 1929, também conhecida como the Great Crash, uma crise econômica e financeira que abalou a economia mundial no final da década de 1920, com sérias repercussões também na década seguinte. Esses eventos foram seguidos pela Segunda Guerra Mundial.

Laura Spinnay é uma jornalista científica inglesa que escreveu um livro intitulado Pale Rider: The Spanish Flu of 1918 and How It Changed the World, traduzido para o italiano como: 1918. A gripe espanhola, a pandemia que mudou o mundo. Seu livro nos informa que entre 1918 e 1920 o vírus espanhol infectou aproximadamente 500 milhões de pessoas, atingindo até habitantes de ilhas remotas do Oceano Pacífico e do Oceano Ártico, causando a morte de 50 a 100 milhões de pessoas, dez vezes mais que a Primeira Guerra Mundial. A Grande Guerra ajudou a espalhar o vírus pelo mundo. Laura Spinnay escreve: “É difícil imaginar um mecanismo de contágio mais eficaz do que a mobilização de grandes quantidades de tropas no auge da onda epidémica do outono, que chegaram aos quatro cantos do planeta, onde foram recebidos por multidões festivas. Basicamente, o que a gripe espanhola nos ensinou é que outra pandemia de gripe é inevitável, mas que se causará dez ou cem milhões de vítimas depende apenas de como será o mundo no qual ela se desencadeará.”.-á”.

No mundo interconectado da globalização, a facilidade de contágio é certamente maior do que era há cem anos atrás. Quem poderia negar isso?

Mas o olhar do historiador remonta mais atrás no tempo.

O século XX foi o século mais terrível da história, mas houve outro século terrível, o que a historiadora Barbara Tuchman em seu livro A Distant Mirror chama de “O calamitoso século XIV” .

Quero focalizar neste período histórico, que marca o fim da Idade Média e o início da Era Moderna. Faço isso com base nos trabalhos de historiadores não católicos, mas sérios e objetivos em suas pesquisas.

As Rogações são procissões convocadas pela Igreja para implorar a ajuda do Céu contra as calamidades. Nas Rogações, rezamos A fame, peste et bello libera nos, Domine: da fome, da peste e da guerra, livrai-nos, Senhor“. A fome, a peste e a guerra sempre foram consideradas pelo povo cristão como castigos de Deus. A invocação litúrgica presente na cerimônia das Rogações, escreve o historiador Roberto Lopez “retomou toda a sua dramática relevância durante o século XIV”. “Entre os séculos X e XII – observa López – nenhum dos grandes flagelos que ceifam a humanidade parece ter se espalhado em grande proporção; nem a peste, da qual não ouvimos falar neste período, nem a penúria, nem a guerra, que causou um número muito pequeno de vítimas. Além disso, as potencialidades da agricultura foram ampliadas por uma melhoria gradual do clima. Temos provas disso no recuo das geleiras nas montanhas e dos icebergs nos mares do Norte, na extensão da viticultura em regiões como a Inglaterra, onde hoje não é mais praticável, na abundância de água em territórios do Saara depois recuperados pelo deserto”.

Muito diferente foi a imagem do século XIV, que viu a convergência de catástrofes naturais e de sérias convulsões religiosas e políticas.

O século XIV foi um século de profunda crise religiosa: começou com a bofetada de Anagni (1303), uma das maiores humilhações do papado na história; depois viu a mudança dos papas, durante setenta anos, para a cidade de Avignon, na França (1308-1378) e terminou, entre 1378 e 1417, com os quarenta anos do Cisma do Ocidente, no qual a Europa Católico dividiu-se entre dois e depois três papas opostos entre si. Um século depois, em 1517, a Revolução Protestante rasgou a unidade de fé do Cristianismo.

Se o século XIII havia sido um período de paz na Europa, o século XIV foi uma era de guerra permanente. Basta pensar na “Guerra dos Cem Anos” entre a França e a Inglaterra (1339-1452) e a invasão dos turcos ao Império Bizantino, com a conquista de Adrianópolis em 1362.

 Nesse século, a Europa experimentou uma crise econômica devido às mudanças climáticas causadas não pelo homem, mas pelo esfriamento. O clima da Idade Média era ameno e doce, como seus costumes. O século XIV, em vez disso, experimentou um forte enrijecimento das condições climáticas.

As chuvas e inundações da primavera de 1315 resultaram em uma fome geral que assaltou a Europa inteira, especialmente as regiões septentrionais, causando a morte de milhões de pessoas. A fome se espalhou por toda parte. Os idosos recusavam voluntariamente a comida na esperança de que os jovens sobrevivessem e os cronistas da época escreveram sobre muitos casos de canibalismo.

Uma das principais conseqüências da fome foi a desestruturação agrícola. Durante esse período, houve grandes movimentos de despovoamento agrícola, caracterizados pela fuga da terra e pelo abandono das aldeias; a floresta invadiu campos e vinhedos. Como conseqüência do abandono do campo, houve uma redução acentuada na produtividade do solo e um depauperamento dos rebanhos.

Se o mau tempo causa fome, isso enfraquece o corpo das populações, abre o caminho para as doenças. Os historiadores Ruggero Romano e Alberto Tenenti mostram como no século XIV se intensificou o círculo vicioso entre penúrias e epidemias. A última grande peste havia eclodido entre 747 e 750; reapareceu quase seiscentos anos depois, repetindo-se quatro vezes no curso de uma década.

A peste veio do Oriente e chegou a Constantinopla no outono de 1347. Nos três anos seguintes, infectou toda a Europa até a Escandinávia e a Polônia. É a Peste Negra de que Boccaccio fala no Decamerão. A Itália perdeu cerca da metade de seus habitantes. Agnolo di Tura, cronista de Siena, reclamou que não encontrava mais ninguém para enterrar os mortos e que teve que enterrar seus cinco filhos com as próprias mãos. Giovanni Villani, um cronista florentino, foi atingido pela peste de forma tão repentina que sua crônica parou no meio de uma frase.

A população européia que, no início de 1300, atingira mais de 70 milhões de habitantes, após um século de guerras, epidemias e fomes, desceu a 40 milhões; portanto, diminuiu em mais de um terço.

A fome, a peste e as guerras do século XIV foram interpretadas pelo povo cristão como sinais do castigo de Deus.

Tria sunt flagella quibus dominus castigat: três são os flagelos com os quais Deus castiga os povos: guerra, peste e fome, advertiu São Bernardino de Siena (1380-1444). São Bernardino de Siena pertence a esse número de santos, como Catarina de Siena, Brígida da Suécia, Vicente Ferrer, Luis Maria Grignion de Monfort, que explicaram como, ao longo da história, os desastres naturais sempre acompanharam as infidelidades e apostasias das nações. Isso que aconteceu no final da Idade Média cristã parece acontecer com as calamidades de hoje. Santos como Bernardino de Siena não atribuíram esses eventos à atuação dos agentes do mal, mas aos pecados dos homens, tão mais graves se forem pecados coletivos e ainda mais graves se forem tolerados ou promovidos pelos governantes dos povos e pelas autoridades da Igreja.

O filósofo da história

Essas considerações nos introduzem no terceiro ponto de vista sob o qual considerarei os eventos, não como sociólogo ou historiador, mas como filósofo da história.

A teologia e a filosofia da história são campos de especulação intelectual que aplicam os princípios da teologia e da filosofia a eventos históricos. O teólogo da história é como uma águia que julga dos cimos os eventos humanos. Grandes teólogos da história foram Santo Agostinho (354-430), Jacques Bénigne Bossuet (1627-1704), que foi chamado de águia de Meaux, do nome da diocese da qual foi bispo, o conde Joseph de Maistre (1753 -1821), o marquês Juan Donoso Cortés (1809-1853), o abade de Solesmes, Dom Guéranger (1805-1875), o professor Plinio Correa de Oliveira (1908-1995) e muitos outros.

Há uma expressão bíblica que diz: Judicia Dei abyssus multa (Salmos 35, 7): os juízos de Deus são um grande abismo. O teólogo da história se submete a esses juízos e tenta entender a razão.

São Gregório Magno, convidando-nos a investigar as razões da obra divina, declara: “Quem, nas obras de Deus, não descobre a razão pela qual Deus as faz, encontrará em sua maldade e baixeza motivos suficientes para explicar por que suas indagações são em vão”.

A filosofia e a teologia modernas, sob a influência acima de tudo de Hegel, substituíram os juízos de Deus por aqueles história. O princípio de que a Igreja julga a história é invertido. De acordo com a Nouvelle théologie, não é a Igreja que julga a história, mas a história que julga a Igreja, porque a Igreja não transcende a história, mas é imanente, interna a ela.

Quando o cardeal Carlo Maria Martini, em sua última entrevista, afirmou que “a Igreja está 200 anos atrasada” em relação à história, ele tomou a história como critério de julgamento da Igreja. Quando o Papa Francisco, em sua saudação de Natal de 21 de dezembro de 2019, faz suas as palavras do cardeal Martini, ele julga a Igreja em nome da história, revertendo o que deveria ser o critério católico de julgamento.

A história é realmente uma criatura de Deus, como a natureza, como tudo o que existe, porque nada do que existe é subtraído de Deus. Tudo o que acontece na história é previsto, regrado e ordenado por Deus desde toda a eternidade. .

Portanto, para o filósofo da história, todo discurso só pode começar com Deus e terminar com Deus: Deus não apenas existe, mas toma conta das criaturas e recompensa ou castiga os seres racionais, de acordo com os méritos e falhas de cada um. O Catecismo de São Pio X ensina: “Deus recompensa o bem e castiga o mal porque é justiça infinita”.

A justiça, explicam os teólogos , é uma das infinitas perfeições de Deus. A misericórdia infinita de Deus pressupõe sua justiça infinita.

Entre os católicos, a idéia de justiça, como a do juízo divino, é freqüentemente repelida. No entanto, a doutrina da Igreja ensina a existência de um juízo particular que se segue à morte de cada um, com a retribuição imediata às almas, e um julgamento universal em que anjos e homens serão julgados por pensamentos, palavras, obras, omissões.

A teologia da história afirma que Deus recompensa e pune não apenas os homens, mas coletividades e grupos sociais: famílias, nações, civilizações. Mas enquanto os homens têm sua recompensa ou seu castigo, às vezes na terra, mas sempre na eternidade, nações sem vida eterna são punidas ou recompensadas apenas na terra.

Deus é justo e recompensador, e dá a cada um o que lhe corresponde: não apenas castiga as pessoas individuais, mas também atribula famílias, cidades, nações pelos pecados que são cometidos lá. Terremotos, fome, epidemias, guerras, revoluções sempre foram consideradas punições divinas. Como escreve o padre Pedro de Ribadaneira (1527-1611), “guerras e pragas, secas e fomes, fome, incêndios e todas as outras calamidades desastrosas são punições pelos pecados do povo”.

Em 5 de março, o bispo de uma importante diocese italiana, cujo nome não menciono, disse: “Uma coisa é certa: esse vírus não foi enviado por Deus para punir a humanidade pecadora. É um efeito da natureza em sua característica de madrasta. Mas Deus enfrenta esse fenômeno conosco e provavelmente nos fará entender, no fim, que a humanidade é uma aldeia global”.

Este bispo italiano não renuncia ao mito da “aldeia global” nem à religião da natureza de Pachamama e de Greta Thurnberg, mesmo que para ele a “Grande Mãe” possa se tornar “madrasta”. Mas, acima de tudo, o bispo rejeita fortemente a ideia de que a epidemia de coronavírus ou qualquer outro desastre coletivo possa ser uma punição para a humanidade. O vírus, o bispo acredita, é apenas um efeito da natureza. Mas quem criou, regula e dirige a natureza? Deus é o autor da natureza, com suas forças e suas leis e tem o poder de organizar o mecanismo das forças e leis da natureza para produzir um fenômeno de acordo com as exigências de sua justiça ou da sua misericórdia. Deus, que é a causa primeira de tudo o que existe, sempre usa causas segundas para realizar seus planos. Quem tem espírito sobrenatural não se detém na superfície, mas tenta entender o plano de Deus escondido sob a força aparentemente cega da natureza.

O grande pecado contemporâneo é a perda da fé dos homens da Igreja: não deste ou daquele homem da Igreja, mas dos homens da Igreja como um todo, com algumas exceções, graças aos quais a Igreja não perde sua visibilidade. Essa infidelidade produz a cegueira da mente e o endurecimento do coração, a indiferença diante da violação da ordem divina do universo.

É uma indiferença que esconde o ódio contra Deus. Como se manifesta? Não diretamente. Esses clérigos são covardes demais para desafiar diretamente a Deus: eles preferem expressar seu ódio para com aqueles que ousam falar de Deus, e aqueles que ousam falar de castigo de Deus são apedrejados: um rio de ódio se derrama contra eles.

Esses homens da Igreja, apesar de professarem verbalmente acreditar em Deus, na verdade vivem imersos no ateísmo prático. Eles despojam Deus de todos os seus atributos, reduzindo-o a puro “ser”, isto é, a nada. Tudo o que acontece é para eles o fruto da natureza, emancipada do seu Autor, e somente a ciência, e não a Igreja, é capaz de decifrar suas leis.

Contudo, não apenas a sã teologia, mas o próprio sensus fidei, ensina que todos os males físicos e materiais que não provêm do homem dependem da vontade de Deus. “Tudo o que acontece aqui contra a nossa vontade – escreve Saint Alfonso de Ligório  – sabei que isso não acontece senão pela vontade de Deus, como diz Santo Agostinho”.

Em 19 de julho, a liturgia da Igreja comemora o bispo de São Lopo de Troyes (383-478). Ele era irmão de São Vicente de Lerins, cunhado de São Hilário de Arles, pertencente a uma família de antiga nobreza senatorial, mas acima de tudo de grande santidade.

Durante seu longo episcopado, 52 anos, a Gália foi invadida pelos hunos. Átila, à frente de um exército de 4000 mil homens, atravessou o Reno, devastando tudo o que encontrou em seu caminho. Quando ele chegou em frente à cidade de Troyes, o bispo Lopo, vestindo as roupas pontifícias e seguido pelo clero em procissão, encontrou Átila e perguntou: “Quem és tu que ameaças esta cidade?”. A resposta foi: “Não sabeis quem sou? Eu sou Átila, rei dos hunos, chamado o flagelo de Deus ”. “E então seja o flagelo bem-vindo de Deus, porque merecemos os flagelos divinos, por causa de nossos pecados. Mas se for possível, desfira seus golpes apenas na minha pessoa, e não em toda a cidade.”

Os hunos entraram na cidade de Troyes, mas por vontade divina eles foram cegados e a atravessaram sem dar-se conta e sem ferir ninguém.

Hoje, os bispos não somente não falam de flagelos divinos, mas também não convidam os fiéis a orar a Deus para libertá-los da epidemia. Há uma coerência nisso. Quem reza pede, de fato, a Deus para intervir em sua própria vida e, portanto, nas coisas do mundo, para ser protegido do mal e obter bens espirituais e materiais. Mas por que Deus ouviria nossas orações se Ele não está interessado no universo que criou?

Se, pelo contrário, Deus pode, com milagres, mudar as leis da natureza, evitando o sofrimento e a morte de um homem, ou a hecatombe de uma cidade, Ele também pode decidir o castigo de uma cidade ou de um povo, porque pecados coletivos atraem punições coletivas. “Pelos pecados – diz São Carlos Borromeu – Deus permitiu que o incêndio da peste se difundisse em cada setor em Milão.. E Santo Tomás de Aquino explica: “Quando todo o povo peca, deve–se tirar vingança dele, ou totalmente, como no caso dos Egípcios que, perseguindo os filhos de Israel, ficaram submersos no Mar Vermelho; e também no dos Sodomitas, que todos pereceram – o que tudo se lê na Escritura. Ou, em grande parte do povo, como no caso dos que adoraram o bezerro.

Na véspera da segunda sessão do Concílio Vaticano I, em 6 de janeiro de 1870, São João Bosco teve uma visão na qual lhe foi revelado que “a guerra, a praga, a fome são os flagelos com os quais o orgulho e a malícia dos homens serão atingidos”. Assim disse o Senhor: “Vós, sacerdotes, por que não correis chorando entre o vestíbulo e o altar, invocando a suspensão dos flagelos? Por que vós não pegais o escudo da fé e caminhais por cima dos telhados, nas casas, nas ruas, nas praças, em todo lugar até inacessível, para levar a semente da minha palavra? Vós ignorais que esta é a terrível espada de dois gumes que derruba meus inimigos e que quebra a ira de Deus e dos homens?”.

Hoje os sacerdotes estão calados, os bispos estão calados, o Papa está calado.

Estamos nos aproximando da Semana Santa e da Páscoa. E pela primeira vez, talvez em muitos séculos na Itália, as igrejas estão fechadas, as missas suspensas, até a Basílica de San Pietro está fechada. As cerimónias pascais urbe et orbi não reunirão peregrinos de todo o mundo. Deus também pune por “subtração”, diz São Bernardino de Siena, e hoje Deus parece ter quase subtraído as igrejas, a Mãe de todas as igrejas da mão do supremo Pastor, enquanto o povo católico tateia confuso no escuro, desprovido daquela verdade clara que da Basílica de São Pedro deve iluminar o mundo. Como não ver, no que o coronavírus está produzindo, um resultado simbólico da auto-demolição da Igreja?

Judicia Dei abyssus multa. Devemos ter certeza de que o que acontece não prefigura o sucesso dos filhos das trevas, mas a sua derrota, porque, como explica o Padre Carlo Ambrogio Cattaneo, da Companhia de Jesus (1645-1705), o número de pecados, de um homem ou de um povo é contado. Venit dies iniquitate praefinita diz o profeta Ezequiel (21, 2): Deus é misericordioso, mas há um último pecado que Deus não tolera e que provoca seu castigo.

Além disso, de acordo com um princípio da teologia da história cristã, o centro da história não são os inimigos da Igreja, mas os santos. Omnia sustineo propter electos (II Tim. 2, 10), diz São Paulo. A história gira em torno dos eleitos. E a história depende dos desígnios impenetráveis ​​da Divina Providência.

Na história, atuam homens, grupos, sociedades organizadas, públicas ou secretas, que se opõem à Lei de Deus, que se esforçam para destruir tudo o que é ordenado a Deus. Eles podem obter sucessos aparentes, mas sempre serão derrotados.

O cenário que temos diante de nós é apocalíptico, mas Pio XII nos lembra que no Apocalipse (6, 2), São João, “não olhou apenas as ruínas causadas pelo pecado, guerra, fome e morte; ele também viu pela primeira vez a vitória de Cristo. E, de fato, o caminho da Igreja através dos séculos é, sim, uma via sacra, mas também é em cada momento uma marcha triunfal. A Igreja de Cristo, os homens de fé e de amor cristão, são sempre aqueles que, à humanidade sem esperança, trazem a luz, a redenção e a paz. Iesus Christus heri et hodie, ipse et in saecula (Hebr. 13, 8). Cristo é vosso guia, de vitória em vitória. Segui-Lo.”

Nossa Senhora de Fátima profetizou o cenário de nosso tempo e garantiu seu triunfo. Com a humildade de quem é ciente que nada pode com suas próprias forças, mas também com a confiança de quem sabe que tudo pode com a ajuda de Deus, não retrocedemos e nos consagramos a Maria na trágica hora dos acontecimentos anunciados pela mensagem de Fátima.


[1] Francesco Sisci, Il Sussidiario.net, 9 marzo 2020

[2] Stefano Feltri, Il Fatto quotidiano, 4 marzo 2020.

[3] https://www.cnbc.com/video/2020/03/09/there-will-be-a-recession-due-to-coronavirus-says-nouriel-roubini.html

[4] Pierre Gaxotte, La Révolution française, Complexe, Paris 1988, pp. 93-128.

[5] Renato Cristin, I padroni del caos, Liberlibri, Macerata 2017.

[6] Laura Spinney, 1918. L’influenza spagnola. La pandemia che cambiò il mondo, Marsilio, Venezia 1918, p. 187.

[7] Barbara Tuchman, A distant Mirror. The Calamitous Fourteenth Century, Macmillan Publishers, Londra 1995.

[8] Roberto S. Lopez, La nascita dell’Europa. Secoli V-XIV, Einaudi, Torino 1966, p. 427.

[9] Ivi, p. 133.

[10] Ruggero Romano-Alberto Tenenti, Alle origini del mondo moderno 1350-1550, Feltrinelli, Milano 1967, pp. 16-26.

[11] San Bernardino, Opera omnia, Sermo 46, Feria quinta post dominicam de Passione, vol. II, pp. 84-85.

[12] S. Gregorio Magno, Moralia, Lib. IX, cap. I.

[13] Réginald  Garrigou-Lagrange, Dieu, son existence et sa nature, Beauchesne, Paris 1950, pp. 440-463.

[14] Pietro Ribadaneira, La tribolazione e i suoi conforti, Civiltà Cattolica, Roma 1914, p. 207.

[15] S. Alfonso Maria de’Liguori, Uniformità alla volontà di Dio, Francavilla, Paoline 1968, p. 33.

[16] S. Carlo Borromeo, Memoriale al suo diletto popolo della città di Milano, Stamperia Michele Tini, Roma 1579, p. 44.

[17] S. Tommaso d’Aquino, Summa Theologica, IIª-IIae q. 108 a. 1 ad 5.

[18] Cfr. Memorie biografiche del venerabile don Giovanni Bosco. Raccolte del sac. Salesiano Giovanni Battista Lemoyne, edizione extra commerciale, vol. IX, Tipografia S.A.I.D. “Buona Stampa”, Torino 1917, p. 782.

[19] Carlo Ambrogio Cattaneo s.j., L’esercizio della buona morte, in Opere, vol. II, Boniardi, Milano 1867, pp. 169-170.

[20] Pio XII, Discorso del 12 settembre 1948 in Discorsi e Radiomessaggi, X (1948-1949), p. 212.

Deixe uma resposta