Mais de 500 cientistas e profissionais do clima e áreas afins enviaram uma “Declaração Européia do Clima” ao Secretário-Geral das Nações Unidas solicitando um debate aberto, de alto nível sobre mudanças climáticas.

            Se uma adolescente pode falar, 500 cientistas pedem o mesmo privilégio

      “Assim como a ativista climática sueca de 16 anos, Greta Thunberg, se dirigiu à Cúpula de Ação Climática da ONU em Nova York acusando líderes mundiais de roubá-la de seu futuro, os cientistas estavam implorando às Nações Unidas para evitar que a histeria ocultasse fatos“.

A ciência climática deve ser menos política          

         “A ciência climática deve ser menos política, enquanto as políticas climáticas devem ser mais científicas”, afirma a declaração. “Os cientistas devem abordar abertamente as incertezas e exageros em suas previsões do aquecimento global, enquanto os políticos devem contar desapaixonadamente os benefícios reais, bem como os custos imaginados de adaptação ao aquecimento global, e os custos reais, bem como os benefícios imaginados da mitigação”.

        “Não há evidências” do aquecimento global

          Os cientistas ressaltaram a importância de não se apressar em uma ação climática enormemente cara antes de verificar completamente os fatos. “Não há evidências estatísticas de que o aquecimento global esteja intensificando furacões, inundações, secas e desastres naturais semelhantes, ou tornando-os mais frequentes”, declararam.

          Turbinas eólicas matam pássaros. Óleo de palma destroi a biodiversidade

          “No entanto, as medidas de mitigação de CO2 são tão prejudiciais quanto caras. Por exemplo, turbinas eólicas matam pássaros e morcegos, e plantações de óleo de palma destroem a biodiversidade das florestas tropicais. ” Os signatários da declaração também insistem que as políticas públicas devem respeitar as realidades científicas e econômicas e não apenas refletir o frenesi mais moderno do dia. “Não há emergência climática. Portanto, não há motivo para pânico e alarme ”, observam.

Política climática é irrealista e nociva

         “Nós nos opomos veementemente à política nociva e irrealista de CO2 zero líquido proposta para 2050”. “Se surgirem melhores abordagens, e certamente surgirão, temos tempo suficiente para refletir e se adaptar. O objetivo da política internacional deve ser fornecer energia confiável e acessível o tempo todo e em todo o mundo ”, afirmam.

         Em particular, os cientistas criticam os modelos de circulação geral do clima nos quais a política internacional se baseia atualmente como “impróprios para seus propósitos”. “Portanto, é cruel e imprudente advogar o desperdício de trilhões de dólares com base nos resultados de tais modelos imaturos“, propõem. “As atuais políticas climáticas prejudicam gravemente o sistema econômico, colocando vidas em risco nos países que têm acesso negado a energia elétrica contínua e acessível”. “Pedimos que se siga uma política climática baseada em ciência sólida, economia realista e preocupação genuína por aqueles prejudicados por tentativas caras e desnecessárias de mitigação”, declaram.

                                           *  *  *

           Se a ONU se abre às declarações de uma adolescente o mesmo direito pedem mais de 500 cientistas de serem ouvidos em matéria de mudanças climáticas.

           Pedimos uma política climática baseada em ciência sólida, economia realista e preocupação genuína com a população.

           Bom seria que o Vaticano tambem convidasse os cientistas e os ouvissem antes da campanha internacional e declarações afoitas e infundadas sobre o slogan do aquecimento global.

Fonte: https://www.breitbart.com/environment/2019/09/24/500-scientists-write-u-n-there-is-no-climate-emergency/

Deixe uma resposta