A renda de pedra do Palácio dos Doges de Veneza é o lado surpreendente do mais sublime caixotão que possa haver.

Porque este é o mais sublime caixotão da História, porque é um caixote, mas que caixote!

Há uma inversão: a parte pesada fica em cima. Mas, para desfazer a parte pesada, há um desenho de pedra que é uma beleza.

As ogivas, no estilo gótico veneziano, foram duas fileiras de uma delicadeza e de uma beleza linda. Mas o “caixotão” não pesa em cima delas.

E para o caixotão não ficar lambido, as formas pontudas se repetem na parte superior do “caixotão”.

O princípio monárquico resplandece no balcão no qual o Doge assomava para contemplar o mar e o povo, as grandes riquezas de Veneza.

Por baixo há uma galeria coberta para o povo poder circular e por toda parte os famosos pombos de Veneza.

Na praça erguem-se duas colunas, uma com o dragão e outra com São Jorge.

Entre essas duas colunas se davam as execuções capitais. Creio que foi aí que foi decapitado o Doge Martim Falheiro porque conspirou para diminuir o poder da nobreza, estabelecendo uma monarquia em Veneza. Então, foi decapitado.

A Ponte dos Suspiros sai do Palácio e entra num prédio que era a prisão. É uma ponte linda, dita dos suspiros, pois o réu condenado que por ali atravessava não iria ver mais a cidade de Veneza.

A beleza de Veneza manifesta-se em tudo. Nos cantos dos telhados são as garguri, calhas para o escoamento da chuva.

Mais na frente um dragão magnificíssimo.

É a prestigiosa Veneza onde tudo está carregado de cores, sons e hipérboles.

O Leão de São Marcos, símbolo da cidade e de seu padroeiro o Evangelista São Marcos, balança com elegância sua cauda pelo ar! É um leão alado.

Um embaixador do Sacro Império perguntou a um Doge: “Alteza sereníssima, em que país há leões alados?” Ele disse: “No mesmo país onde há águias com duas cabeças!”

Face ao Palácio dos Doges há um prédio incomparavelmente menos bonito. É que os reis da Itália realizaram uma unificação muito contestada e contestável pois visou aniquilar os antigos reinos, cidades livres que faziam da Itália um maravilhoso mosaico político social e cultural.

Esses mesmo reis da Itália unificava quando iam a Veneza, não ousavam hospedar-se no Palácio dos Doges, então hospedavam-se nesse prédio em frente. Muitas vezes unificar, é diminuir.

O espetáculo de Veneza comunica um antegozo do que pode ser um mundo inteira-mente católico, o Reino de Maria anunciado por Nossa Senhora.

Se o Reino de Maria exprimir essa soma e essa síntese que encanta em Veneza, sairá alguma coisa que nós não imaginamos.

Como os francos do tempo de Clóvis não imaginavam nem a Sainte-Chapelle, nem Versailles, como os obscuros botocudos que moravam nas ilhas de Veneza no tempo que isso era um pântano, tampouco imaginaram toda a magnificência que veio depois.

Desceram aí o batismo, a graça e o sangue de Cristo, os rogos de Maria, e o pânta-no se transformou em Veneza.

Sejamos inteiramente católicos e ninguém sabe de nossa alma o que poderá sair. Esse é o antegozo do Reino de Maria.

(Fonte: Plinio Corrêa de Oliveira, 15/2/1972. Sem revisão do autor)
COMPARTILHAR
Artigo anteriorDrama dos médicos cubanos: praticam um “curandeirismo” e são escravos de paramilitares, diz doutor que fugiu para Miami
Próximo artigoMenino tem olhos arrancados pelo tráfico de órgãos na China
Plinio Corrêa de Oliveira
Homem de fé, de pensamento, de luta e de ação, Plinio Corrêa de Oliveira (1908-1995) foi o fundador da TFP brasileira. Nele se inspiraram diversas organizações em dezenas de países, nos cinco continentes, principalmente as Associações em Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP), que formam hoje a mais vasta rede de associações de inspiração católica dedicadas a combater o processo revolucionário que investe contra a Civilização Cristã. Ao longo de quase todo o século XX, Plinio Corrêa de Oliveira defendeu o Papado, a Igreja e o Ocidente Cristão contra os totalitarismos nazista e comunista, contra a influência deletéria do "american way of life", contra o processo de "autodemolição" da Igreja e tantas outras tentativas de destruição da Civilização Cristã. Considerado um dos maiores pensadores católicos da atualidade, foi descrito pelo renomado professor italiano Roberto de Mattei como o "Cruzado do Século XX".

3 COMENTÁRIOS

  1. Beleza incontestável, eco maravilhoso da Sereníssima República!

    A primeira vez que tomei vista desse “caixotão” foi com os registros de Canaletto, realizados em princípios do século XVIII. Recomendo complementar este artigo com uma busca a essas pinturas, as quais mostram o cenário repleto da vida que o cercava.

    Sejamos inteiramente católicos, sim! Amém!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome