A importância da Igreja na formação do Brasil é inconteste. Hoje, vivemos uma quarentena que despreza a Religião e a coloca abaixo dos supermercados e dos bancos.

Retiramos o comentário abaixo do Legionário, 1937:

“Na conferência que fez na Faculdade de Direito, o sr. Afonso Arinos de Mello Franco [1930-2020] insistiu sobre a importância do fator religioso na unidade nacional.

Papel da Igreja na formação do Brasil

“O sr. Mello Franco nada mais fez do que reconhecer a realidade histórica do Brasil. Não há historiador sincero que não reconheça a ação da Igreja na formação de nossa Pátria. É o que Eduardo Prado acentuou ao distinguir três tipos diversos de colonização: o científico, aplicado pelos ingleses nos Estados Unidos e consistente na destruição dos indígenas; o mercantil usado pelos holandeses e nos últimos tempos pelos ingleses e finalmente o católico dos portugueses e espanhóis.

“E diz Eduardo Prado: “O Brasil, como toda a América Latina, é um exemplo de que há um terceiro método de colonizar, que poderemos chamar sem erro, o método católico”.

Também Nabuco de Araújo

Nabuco de Araújo (1849-1910) foi um monarquista e defensor da abolição dos escravos, político, diplomata, historiador, jurista, orador e jornalista brasileiro

“Joaquim Aurélio Barreto Nabuco de Araújo (1849-1910) foi um monarquista e defensor da abolição dos escravos, político, diplomata, historiador, jurista, orador e jornalista brasileiro

“E Joaquim Nabuco, mostrando a influência da Igreja na formação do Brasil escreve:

“Não tenhamos receio de confessar que devemos à Sociedade de Jesus, o nosso traço perpétuo. Não há outro molde em que se possam fundir raças, sociedades, individualidades mesmo, senão o molde religioso. Se o Brasil tivesse sido lançado em outra fôrma, há muito que se teria feito em pedaços”.

“Contra a opinião de todos os que estudam seriamente a formação brasileira, só se levanta a oposição dos que apenas tocam superficialmente a nossa história, ou dos que vão buscar no ateísmo comunista a inspiração para suas arengas. A realidade, porém, é outra, e muito gloriosa para a Igreja e para o Brasil.”

***

É o caso de acrescentar que a quarentena ditatorial e indiscriminada vai contra a História, que registra a ação benéfica e indispensável da Igreja, na formação do Brasil.  E os Srs. Bispos julgam por bem fazerem o lockdown dos Sacramentos.

Fonte: https://pliniocorreadeoliveira.info/LEG_370808_Catolicismo_unidade_nacional.htm#.XtRR4DpKiUk

Deixe uma resposta