Presidência russa publica fraude na Crimeia: só 15% aprovaram anexação

Voto não podia ser secreto e quem votasse contra  se autodenunciava.  Na papeleta da foto pode se ler o voto da mulher
Voto não podia ser secreto e quem votasse contra
se autodenunciava.
Na papeleta da foto pode se ler o voto da mulher

O website do “Conselho para a Sociedade Civil e os Direitos Humanos do Presidente da Rússia” postou relatório sobre os resultados do contestado referendo que anexou a Crimeia à Rússia.

A matéria foi rapidamente tirada do ar como se fosse uma perigosa confissão, mas não antes de ser registrada no exterior, no site da Forbes, por exemplo.

Segundo o referido relatório, o comparecimento às urnas foi só de 30%. E, destes, a metade votou pela anexação. O que significa que apenas 15% dos cidadãos da Crimeia aprovaram a manobra russa de anexação.

A votação transcorreu sob o olhar de soldados russos descaracterizados e exibindo suas armas automáticas Kalashnikov. A fraude ficou patente, pois o anúncio oficial apontou um comparecimento de 83% dos votantes e, destes, uma maioria de 97% teria escolhido renegar seu país, a Ucrânia.

Esses resultados fraudulentos não foram reconhecidos pela comunidade internacional. Aliás, não houve observadores internacionais fiáveis, mas tão-só um punhado de cúmplices ideológicos do ditador russo, os quais se apressaram a validar a falcatrua.

No relatório do Conselho para os Direitos Humanos do Presidente russo, o comparecimento deveria ser corrigido de 83% para no máximo 30%, e o voto pela anexação ser mudado, passando de 97% para 15%.

Fraude grosseira teve notas tragicômicas.  Apuração em Bachchisaray
Fraude grosseira teve notas tragicômicas. Apuração em Bachchisaray

Porém, nada será feito, apenas o resultado verdadeiro foi retirado do site. Próximos de Vladimir Putin qualificaram a revelação do relatório de “infeliz”.

Svetlana Gannushkina, membro de dito Conselho, declarou que a votação na Crimeia “desacreditou mais a Rússia do que poderia fazê-lo um agente estrangeiro”.

Farsas semelhantes foram montadas pelos agentes pró-russos em estados do leste ucraniano para repetir o golpe da Crimeia, mas caíram no descrédito mundial.

Após anunciar resultados igualmente ocos num outro plebiscito-farsa, os agentes russos em Donetsk parecem ter perdido a fé nas fraudes que eles mesmos montam.