Reino Unido não quer dependência estratégica da China

Parceria com Nações de ideias semelhantes

0

A Grã-Bretanha não pode se tornar estrategicamente dependente da China e deve trabalhar com “parceiros confiáveis” em sua infraestrutura nacional crítica, disse a secretária de Relações Exteriores do Reino Unido, Liz Truss.

Publicamos, recentemente, declarações de Xi Jinping afirmando que o sentido das palavras muda de acordo com a conveniência do PCCh: Xi explicou a metodologia Humpty Dumpty consiste em minar a ideia do senso comum de que as palavras têm um significado geralmente aceito. https://ipco.org.br/xi-jinping-i-e-ii-democracia-e-a-esquerda-brasileira/

Parceria com a Índia

“Truss, que substituiu Dominic Raab como secretária de Relações Exteriores do Reino Unido em uma reforma no mês passado, está atualmente em visita à Índia para discutir as ligações de segurança e defesa com o gigante do sul da Ásia.”

No último dia de sua visita de dois dias à Índia, Truss fará um tour pelo porta-aviões da Marinha Real HMS Queen Elizabeth, que está participando de uma série de exercícios com os militares indianos.

É parte do desdobramento do grupo de ataque do porta-aviões ao Indo-Pacífico em meio ao aumento das tensões com a China na região.

O Ministério das Relações Exteriores disse que Truss buscará levar adiante o trabalho no roteiro conjunto para 2030 acordado no início deste ano pelo primeiro-ministro Boris Johnson e o primeiro-ministro indiano Narendra Modi sobre segurança marítima, segurança cibernética e combate ao terrorismo.

Ele reflete a crescente “inclinação” em direção ao Indo-Pacífico estabelecida na Revisão Integrada do governo do Reino Unido da política externa e de defesa.

Não, à dependência estratégica da China

“Em uma entrevista ao The Telegraph, Truss disse que a Grã-Bretanha continuará a negociar com a China, “mas é importante que não nos tornemos estrategicamente dependentes”.”

Questionado sobre o envolvimento de empresas estatais chinesas nas usinas nucleares do Reino Unido, Truss disse: “Acho que é muito importante não nos tornarmos estrategicamente dependentes e acho importante garantir que estamos trabalhando, especialmente em áreas de infraestrutura nacional crítica, com parceiros confiáveis. ”

“Existem outras áreas, como quântica, inteligência artificial, segurança cibernética, onde precisamos ter certeza de que os parceiros com os quais estamos inovando são confiáveis ​​e que existe um vínculo de confiança”, disse ela.

Continua a notícia: “Truss também destacou a importância da diversidade nas cadeias de abastecimento do Reino Unido para produtos farmacêuticos, que ela disse ter sido destacada durante a pandemia COVID-19 que foi causada pelo vírus CCP (Partido Comunista Chinês).”

Ela disse que o Reino Unido precisa “construir uma rede de liberdade em todo o mundo com parceiros com ideias semelhantes”.

“Estamos vencendo a batalha pela influência econômica para os países que acreditam na livre empresa, que acreditam na democracia, em oposição às economias de não mercado que incluem a China”, disse ela.

Recados para a China

“Parcerias de defesa e segurança mais estreitas entre o Reino Unido e a Índia sustentam laços econômicos mais profundos e tornam os dois países, bem como a região como um todo, mais seguro”, disse Truss em um comunicado. “Precisamos proteger nossas rotas marítimas e comerciais e, operando em uma posição de força, ser obstinados na defesa de nossos interesses e no desafio de práticas injustas”.

***

Esperamos que a era da “ingenuidade” em relação ao comunismo tenha sido derrotada na política do Ocidente. Nixon, com suas viagens à Rússia e China desencadeou uma onda de investimentos, know how, transferências de fábricas, tecnologia para a ditadura de Mao.

O nefasto Acordo de Xangai, 1972, foi estigmatizado e suas negativas consequências previstas pelo Prof. Plinio, em artigo para a Folha. https://www.pliniocorreadeoliveira.info/FSP%2072-03-12%20Yalta.htm

***

Relações comerciais não é cegueira: Truss disse que a Grã-Bretanha continuará a negociar com a China, “mas é importante que não nos tornemos estrategicamente dependentes”.

O Brasil é rico em mineirais, águas, florestas; seu agro abastece mais de um bilhão de habitantes. Saibamos negociar de um posição de superioridade, sem subserviência, sem nos tornarmos estrategicamente dependentes.

Fonte: UK Cannot Be Strategically Dependent on China: Foreign Secretary (theepochtimes.com)

Deixe uma resposta