Robô-jornalismo esvaziará jornais e sites de valor intelectual ou humano

Robô-jornalismo afastará leitores dos jornaisUm robô foi o redator da primeira notícia sobre um dos terremotos leves do mês de março de 2014 na Califórnia. O jornalista Ken Schwencke, do Los Angeles Times,acordou com o tremor, pulou da cama e encontrou em seu computador a matéria já escrita e aguardando autorização para ser posta no ar.

Assim, o site de seu jornal foi o primeiro a informar sobre o tremor. “Eu calculo que todo o processo demorou três minutos”, disse Schwencke.

O autor do artigo foi um algoritmo apelidado Quakebot, desenvolvido pelo jornalista. Schwencke reproduziu o artigo de seu Frankenstein eletrônico, mas reconheceu que não merecia o Prêmio Pulitzer pelas suas imperfeições. Porém, polido 71 vezes por jornalistas de carne e osso, saiu na primeira página do jornal impresso.

Quakebot não é o primeiro ensaio. O chamado robô-jornalismo é tido como uma ameaça ao jornalismo humano, pois implica a redução de empregos de homens dotados de inteligência.

O jornalismo-robô ainda poderá ser melhorado. Segundo o site Slate, embora os leitores do Los Angeles Times, não vão ler logo na assinatura: “este artigo foi escrito por um algoritmo”, a tendência vai nesse sentido na imprensa escrita e na Internet.

Não é de espantar que jornais e órgãos profissionais de informação estejam cada vez mais desertados de leitores que julgam encontrar informações “pré-fabricadas” e sem alma, além de, em não poucos, um viés esquerdizante.

E que os leitores procurem cada vez mais blogs e sites redigidos por pessoas com alma, paixão, interesse pela matéria, talento, estilo ou gostos definidos, exclusivos do homem criado à imagem e semelhança de Deus.