Antes de Pedro, o Grande, a Rússia vinha elaborando lenta e penosamente uma esplendida civilização, marcada a fundo, em vários aspectos, pela influencia cristã, e reveladora ao mesmo tempo de uma alma nacional rica e magnificamente original.

“Lenta e penosamente”, dizíamos. Pois o cerne da cultura e da civilização russa deveria ser a Igreja, e o cisma, tendo separado o Império moscovita da única Vinha verdadeira de Jesus Cristo, prejudicou gravemente o reto e pleno desenvolvimento daquele país.

Mais tarde a ação de Pedro, o Grande — benfazeja a vários títulos — entretanto desviou num sentido cosmopolita (ou, pelo menos, pré-cosmopolita) a cultura russa. Mas, dos tempos saudosos da Rússia católica muitas tradições restaram, com uma vitalidade admirável. Elas deixavam ver que a Providência não abandonara a grande nação eslava, e que preciosas raízes de civilização cristã ali perduravam à espera da hora de Deus para, depois da reconciliação com Roma, produzirem frutos abundantes.

Created by Readiris, Copyright IRIS 2010

Toda esta ordem de idéias se representa simbolicamente nesta mitra do século XVIII (*), em forma de coroa, para uso de dignitários eclesiásticos em cerimônias oficiais. A primeira impressão que ela dá é de riqueza. Uma análise detida mostra como essa riqueza foi enobrecida e ordenada por um senso de harmonia e proporção, um gosto e uma majestade evidentes. Esplendida manifestação de uma alta idéia sobre a sublime dignidade do Sacerdócio e da Religião.

Todos os elementos positivos da velha e lendária Rússia aqui transluzem de modo admirável.

* * *

Riso vulgar, de uma cordialidade nada convincente, expressão, porte e atitude pesadamente rastaqueras — é impossível empregar outra expressão — caracterizam o feitor onipotente dessa grande e infeliz senzala a que o comunismo reduziu a Rússia. É o símbolo da era nova, em que todos os elementos superiores de cultura são negados e, sob o signo do mais crasso materialismo, só a força e a técnica têm valor oficialmente reconhecido.

É a Revolução igualitária e atéia, em todo o seu horror.

* * *

Estas considerações nos levam a rezar a Nossa Senhora, Padroeira da Rússia, para que, libertada do cisma e do ateísmo, essa nação refloresça no seio da Igreja, numa ordem de coisas profundamente contra-revolucionária.

(*) – Uglich Historian-art Museum. Mitre XVIII century. (Unknown Rostov master)

_________________________________

 
Artigo anteriorEfemérides – 05/01
Próximo artigoEfemérides – 06/01
Plinio Corrêa de Oliveira
Homem de fé, de pensamento, de luta e de ação, Plinio Corrêa de Oliveira (1908-1995) foi o fundador da TFP brasileira. Nele se inspiraram diversas organizações em dezenas de países, nos cinco continentes, principalmente as Associações em Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP), que formam hoje a mais vasta rede de associações de inspiração católica dedicadas a combater o processo revolucionário que investe contra a Civilização Cristã. Ao longo de quase todo o século XX, Plinio Corrêa de Oliveira defendeu o Papado, a Igreja e o Ocidente Cristão contra os totalitarismos nazista e comunista, contra a influência deletéria do "american way of life", contra o processo de "autodemolição" da Igreja e tantas outras tentativas de destruição da Civilização Cristã. Considerado um dos maiores pensadores católicos da atualidade, foi descrito pelo renomado professor italiano Roberto de Mattei como o "Cruzado do Século XX".

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome