O Padre Hugo Valdemar, penitenciário canônico da Arquidiocese do México, queimou réplicas de papel da imagem da “Pachamama” em reparação ao culto idolátrico em várias atividades do Sínodo da Amazônia em outubro deste ano.

“Em conversa com a ACI Prensa, P. Valdemar, que foi Diretor de Comunicação da Arquidiocese do México por 15 anos, durante o governo pastoral do cardeal Norberto Rivera, observou que a cerimônia de reparação presidiu-a “na Reitoria de Nossa Senhora de Guadalupe de Guadalupe Reina de la Paz, uma pequena igreja no centro histórico da Cidade do México, onde, a propósito, o abençoado e mártir mexicano Miguel Agustín Pro viveu.””

A razão para esta cerimônia, explicou, foi que “durante as semanas anteriores em que o Sínodo da Amazônia ocorreu, muitas pessoas ficaram chocadas, irritadas e feridas pelos sacrilegians cometidos em Roma”.

“Eles me pediram para fazer algo, que não poderíamos ser indiferentes, que a ofensa a Deus e sua Santa Mãe eram intoleráveis”, disse ele”.

O sacerdote propôs também “acrescentar 10 deprecações para pedir perdão a Deus por ofensas iguais feitas à santidade divina com a adoração blasfema de Pachamamas”.
* * *

Nossa Senhora recebe, assim, o desagravo de membros do Clero, do Episcopado e fieis católicos justamente chocados e indignados com o culto idolátrico à Pachamama por ocasião do Sínodo da Amazônia.

Lançamos ao fogo que é símbolo do Inferno

E acrescenta o sacerdote, “Una vez fuera de la iglesia, dijo, “hicimos diez peticiones de perdón, una por cada ofensa hecha a la santidad de Dios, al principio, en medio y al final de la oración se hizo la quema del anticristo que es la Pachamama, la arrojamos al fuego que es signo del infierno que es el lugar a donde pertenece””.

Nosso site já reproduziu importantes pronunciamentos de cardeais e bispos contrários ao culto de Pachamama nas cerimônias, em Roma. https://ipco.org.br/106991-2/

Fonte: https://www.aciprensa.com/noticias/sacerdote-quema-replicas-de-polemica-imagen-de-la-pachamama-en-mexico-video-31999

Deixe uma resposta