Notícia de (LifeSiteNews) informa que “três cardeais e três bispos expressaram, separadamente, a oposição ao paganismo nas cerimônias da Igreja no Vaticano”, incluindo a cerimônia pagã de 4 de outubro nos Jardins do Vaticano, onde as pessoas se curvaram e adoraram o ídolo de Pachamama enquanto o Papa Francisco e outros prelados de alto escalão observavam”.

Católicos de todo o mundo ficaram consternados, perplexos (e alguns justamente indignados) não apenas por ver as estátuas pagãs presentes em várias cerimônias, mas também por ver o Papa Francisco realmente abençoar uma delas durante a cerimônia dos Jardins do Vaticano. Ele também estava presente quando a estátua de Pachamama foi transportada para o Sínodo, seguida novamente por rituais pagãos.

Paulo Suess, um dos principais autores do documento de trabalho do Sínodo Amazônico, comentou essa cerimônia, dizendo “Mesmo que tivesse sido um ritual pagão, é, no entanto, um culto pagão a Deus”. (sic)

Cardeal Müller: “idolatria é pecado grave”

O cardeal Gerhard Müller, em uma entrevista em 24 de outubro com Raymond Arroyo do EWTN, disse que “o grande erro foi trazer os ídolos para a Igreja, não para expulsá-los, porque de acordo com a própria lei de Deus – o Primeiro Mandamento – o idolismo [idolatria] é um pecado grave e não deve ser misturado à liturgia cristã. (…) trazer os ídolos para a Igreja foi um pecado grave. , um crime contra a lei divina. ”

O cardeal Walter Brandmüller – um dos dois restantes cardeais de dubia – elogiou a remoção das estátuas de Pachamama de uma igreja católica em Roma: “Esses dois jovens que jogaram esses ídolos de mau gosto no Tibre não cometeram roubo, mas fizeram uma ação, um ato simbólico como o conhecemos dos Profetas da Antiga Aliança, de Jesus – veja a purificação (contra os vendilhões) do Templo – e de São Bonifácio, que derrubou o Thor perto de Geismar ”

O cardeal Jorge Urosa Savino, um terceiro cardeal que se opõe aos rituais pagãos no Vaticano, declarou: “O sincretismo evidente no ritual celebrado em torno de um imenso revestimento de piso, dirigido por uma mulher amazônica e diante de várias imagens ambíguas e não identificadas nos jardins do Vaticano este último dia 4 de outubro deve ser evitado”.

Acrescentou que “a razão das críticas é justamente por causa da natureza primitiva e aparência pagã da cerimônia e pela ausência de símbolos, gestos e orações abertamente católicos durante os vários gestos, danças e prostrações desse ritual surpreendente”.

“Não terás outros deuses diante de mim”. Uma atitutde semelhante aos Macabeus

O bispo Athanasius Schneider publicou uma carta aberta de 27 de outubro, na qual “afirmou que os católicos não podem aceitar nenhum culto pagão, nem qualquer sincretismo entre as crenças e práticas pagãs e as da Igreja Católica”.

“Os atos de adoração de acender uma luz, de curvar-se, de prostrar-se ou debruçar-se profundamente no chão e dançar diante de uma estátua feminina sem roupa, que não representa Nossa Senhora nem um santo canonizado da Igreja, violam o primeiro mandamento de Deus: “Não terás outros deuses diante de Mim” “(Ex 20,3).

Assim como o cardeal Brandmüller, o bispo Schneider comparou os homens que jogaram as estátuas de Pachamama no rio Tibre com os Macabeus e os elogiou.

Ele chamou a ação deles de “um ato altamente meritório, corajoso e louvável de alguns bravos senhores cristãos” e acrescenta que “como um novo Macabeu eles agiram no espírito da santa ira de Nosso Senhor, que expulsou os mercadores do templo de Jerusalém com um chicote. Os gestos desses homens cristãos serão registrados nos anais da história da Igreja como um ato heróico que trouxe glória ao nome cristão, enquanto os atos de clérigos de alto escalão, pelo contrário, que contaminaram o nome cristão em Roma, continuarão. na história como atos covardes e traiçoeiros de ambiguidade e sincretismo”.

Sacrilégios demoníacos, diz o bispo José Luis Azcona Hermoso

        Continuia (LifeSiteNews): “Outro bispo – José Luis Azcona Hermoso, bispo emérito da cidade brasileira de Marajó – condenou os rituais pagãos com as estátuas de Pachamama como “sacrilégio demoníaco”;. até a terra está sob o domínio de Jesus Cristo. Não é possível que haja espíritos com poder igual ou superior ao Nosso Senhor ou à Virgem Maria. ” “A invocação das estátuas diante das quais até alguns religiosos se curvaram no Vaticano (e não mencionarei a qual congregação eles pertencem)”, continuou o prelado, “é uma invocação de um poder mítico, da Mãe Terra, do qual eles pedem bênçãos ou fazer gestos de gratidão. Estes são sacrilégios demoníacos escandalosos, especialmente para os pequenos que não conseguem discernir. ”

Rejeitando fortemente a presença de Pachamama no Vaticano, o bispo continua: “Pachamama não é e nunca será a Virgem Maria. Dizer que esta estátua representa a Virgem é uma mentira. Ela não é Nossa Senhora da Amazônia, porque a única Senhora da Amazônia é Maria de Nazaré. Não vamos criar misturas sincretísticas. Tudo isso é impossível: a Mãe de Deus é a rainha do céu e da terra”.

Também, o bispo Marian Eleganti, de Chur, na Suíça, fez sua forte crítica aos rituais pagãos do Vaticano, chamando-o de “escândalo”.

“D. Eleganti disse que, mesmo que se aceite as recentes palavras do papa de que as estátuas não têm um significado idolátrico, ainda resta o escândalo de que, pelo menos, parece com essa [idolatria] e que a rocha de Pedro [o papa] não está nem um pouco preocupado com isso”.

”Pelo contrário, disse D. Eleganti, o papa “até defende os rituais realizados nos jardins do Vaticano” que são “estranhos ao cristianismo”; Não é compreensível para um observador que a veneração publicamente exibida de Pachamama no Sínodo da Amazônia não seja idolatria”, acrescentou.

Fonte:  https://www.lifesitenews.com/blogs/six-cardinals-and-bishops-who-condemned-pagan-pachamama-rituals-at-vatican

 

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta