A cartada politicamente mal jogada da China (PCCh), com a Lei de Segurança Nacional de Hong Kong, continua provocando reações na Europa.

“Não haverá negócios como sempre” entre a União Europeia e a China, após os assertivos movimentos políticos em Hong Kong, alertou o ministro (Michael Roth) da Alemanha, pedindo aos países da UE que não “tenham medo de chocar” com Pequim.

Lei de Segurança Nacional de Hong Kong aumenta rejeição à China

“Em uma avaliação crítica das recentes manobras da China, Michael Roth também sinalizou que Berlim priorizaria este ano aumentar a capacidade das 27 nações de resistir às táticas de dividir e governar de Pequim dentro do bloco.”

“Roth, o segundo funcionário mais graduado do Ministério das Relações Exteriores, questionou a dependência dos países da UE da Huawei Technologies da China, dizendo que eles deveriam “em primeiro lugar” considerar fornecedores europeus de equipamentos móveis 5G.”

“Em uma linguagem que provavelmente enfurecerá a China, o ministro alemão se referiu à China por sua estrutura política autocrática, colocando-a como uma rival sistêmica que “infelizmente” desafiou a “base de valores” da Europa.”

Alemanha suspende acordo de extradição com Hong Kong

“Em Hong Kong, a China atualmente mostra como está disposta a reivindicar seu poder”, afirmou Roth. “Após uma estreita consulta com os estados membros da UE, a Alemanha decidiu suspender seu acordo de extradição com Hong Kong.”
Essa decisão, disse ele, transmitiu uma mensagem “clara” a Pequim: “Não haverá ‘negócios como sempre’ no que diz respeito à UE. Hong Kong também será o teste de acidez da credibilidade da China como um parceiro internacional confiável. ”

Também o Ministro da Relações Exteriores da Suíça

Na Suíça, que não faz parte da UE, o ministro das Relações Exteriores Ignazio Cassis também enviou um aviso: “Estamos vendo a China se desviar do caminho da abertura”, disse ele ao semanário SonntagsBlick. “Se a China seguir seu novo rumo, o mundo ocidental reagirá de forma mais decisiva.”

***

A China está entre dois fogos adversos: ou reprime a liberdade em Hong Kong ou perde apoio no Ocidente.

As reações dos Ministros da Alemanha e Suíssa são um bom começo de pressão sobre o PCCh.

Esperar transparência por parte de Pequim é muita ingenuidade. Auguramos que outras Nações livres “acordem” do sono otimista que percorre o Ocidente desde o Acordo de Xangai, (1972) fruto da política entreguista e suicida de Nixon.

Fonte: https://www.scmp.com/news/world/europe/article/3095724/german-minister-michael-roth-urges-eu-resist-chinas-divide-and

Deixe uma resposta