Hospital-3

Quando os aviões não eram apenas máquinas de transportar passageiros, o gado humano que neles entrava recebia todas as atenções da equipe de bordo. A ponto de um incorrigível pessimista apontar tais gentilezas como recurso das companhias aéreas para os passageiros esquecerem os riscos de acidentes prováveis. Bastante curiosa, aliás, é a quase total ausência de conversa entre eles durante a viagem, mesmo sendo amigos e sentados um ao lado do outro. Estou à procura de quem me explique isso.

Tudo muda para pior, neste mundo doente de pessimofilia, e basta uma viagem aérea para perceber que o serviço de bordo vem piorando. Como os riscos diminuíram, as empresas aéreas reduzem as gentilezas e ganham um pouco mais.

Eu estava curioso em atualizar também minhas informações sobre as salas de espera de serviços médicos, mas minha boa saúde me tem mantido longe delas. Pude constatar recentemente que elas também mudaram.

(Lá vem ele lamentar que pioraram).

Pioraram sim, mas a piora que notei talvez não seja a mesma que você notou. Melhoraram o conforto, a limpeza, as instruções sucintas e maquinais das atendentes uniformizadas, a eficiência dos computadores do sistema, que agora pensam duas vezes antes de se declararem fora do ar. Nem vou lamentar que cada paciente seja apenas o segurado número tal, senha número tal, em lugar do Senhor ou Senhora Fulano de tal, pois o anonimato globalizado rebaixou todo mundo a isso.

Antes de contar o que apurei na minha incursão por salas de espera, lembro que elas funcionavam antigamente como pontos de encontro, onde pessoas conhecidas ou desconhecidas trocavam ideias, queixavam-se das mesmas dores ou problemas, ensinavam cataplasmas para alguma dor do filhinho, sugeriam remédios ótimos que tomaram, mesmo sendo outra a doença do outro. Pontos de expansão do calor humano, elaborados ao longo dos séculos, servindo também como correias de transmissão de informações. Em pontos desses, nas margens dos rios, lavadeiras trocavam informações sobre grandes bagatelas de interesse local, nas famosas conversas de lavadeira. Hoje elas são uma categoria extinta, cujo calor humano foi aniquilado pelo ruído monótono e impositivo da máquina de lavar.

O meu exame exigia que eu esperasse duas horas depois do preparo, e na sala de espera pude observar dezenas de pessoas que entraram, permaneceram, saíram.

Primeira mudança – O paciente chega com um papel na mão e entrega-o a uma recepcionista. Ela o lê e ordena: Entre neste corredor, vire no primeiro à direita, entre na sala tal e aguarde ser chamado. Ao seguinte, manda sentar ali mesmo e aguardar; e assim por diante. Surgindo alguma dúvida, outra informação se faz ouvir com o tom metálico de secretária eletrônica, e ambos se reduzem novamente ao silêncio.

Resultado: Mutismo empresarial, erigido em culto à eficiência. Substitui o calor humano por um sorriso gélido tipo Stop. No trespassing.

Segunda mudança – Claro está que as pessoas poderiam conversar, se lhes interessasse. Mas não se interessavam. Por quê? Porque o direito de falar qualquer tolice era exclusivo de uma televisão colocada bem alto num canto da parede; e com as cadeiras voltadas para lá, a fim de ninguém deixar de vê-la e ouvi-la.

Resultado: Mutismo loquaz de quem fala sem pensar, dirigido a quem não fala porque não o deixam livre para pensar.

• Terceira mudança – Meu absoluto e irredutível repúdio à televisão me levou a sentar-me ostensivamente de costas para o referido canto de parede. Fiquei assim de frente para todos, disponível para trocar ideias sobre bagatelas de interesse comum. Mas todos haviam inclinado a cabeça para trás, acintosamente indiferentes a este comunicativo escriba, e embevecidos com as tolices do energúmeno pendurado acima da minha cabeça. Não aprendi a conversar com pescoços, por isso limitei-me a observar as caras, tão vazias quanto aquele cofrinho esférico, cuja única utilidade é servir de tampa para o pescoço que o sustenta.

Resultado: Mutismo voluntário de quem não pensa e nada tem a dizer.

• Quarta mudança – Ninguém conversava, ninguém comentava o que via ou sabia, ninguém reclamava. E na falta de contato humano, a única menina ali presente também não conversava, mas divertia-se com outras imagens aliciantes num instrumento moderninho chamado tablete.

Resultado: Mutismo informático, de quem olha tudo e não sabe nada.

• Quinta mudança – Mutismo globalizado, imposto, modelando autômatos com déficit irremediável de massa cinzenta pensante.

Ôps! A senha 528 vai ser examinada. Com licença.

3 COMENTÁRIOS

  1. Há muito tempo observo que a liberdade de pensamento da humanidade está algemada e escrava do excesso de informações tolas, fúteis e levianas sem falar nas notícias decorrentes de ideologias criminosas e das fatalidades correntes. Ninguém tem mais tempo para pensar em si, no próximo ou nas coisas.
    A liberdade de pensamento é uma atividade tão pessoal que só o próprio indivíduo distraído pode destruí-la ou se deixar na vida se levar como um autômato.
    A liberdade de expressão seja por prosa, poesia, música, pintura, fotografia e ou outra como a charge fica totalmente prejudicada por ausências de ideias advindas do pensamento e ainda assim é sua criação é livre. Só depende de cada um se assim for do seu desejo.
    Já liberdade de divulgação do pensamento e da sua forma de expressão acrescida das emoções e sentimentos é cerceada e vítima de critérios de autocensura e posteriormente por contestações infundadas praticadas por terceiros.
    E esta liberdade de divulgação está a merecer um profundo estudo para que ela seja respeitada e nem restringida por ameaças fatais oriundas de posicionamento político, religioso ou financeiro.
    Um dos inúmeros motivos do silêncio entre as pessoas numa sala de espera pode ser atribuído a esta escravidão algemada pelo excesso de informações (olha a TV distraindo a todos na sala) sobre tolices, futilidades, leviandades e demais notícias catastróficas além das excessivas publicidades.

  2. Ah… essa é a “Nova Era”… a “Era de Aquário”… para que Deus?? Deus?? isso é pergunta que se faça?? A humanidade não perde por esperar. Mas, por fim, o Imaculado Coração triunfará.

  3. A ORDEM É EXTIRPAREM-SE OS SENTIMENTOS RECÍPROCOS!
    Isso é um sistema orquestrado pelo globalismo ateísta, a maçonaria, para o qual o homem, como nos regimes comunistas via imprescindível LUTAS DE CLASSES, indispõem uns contra os outros, o revolucionarismo total, sendo ele apenas um instrumento de trabalho do deus-Estado pois vela ardorosamente que os pais sejam apenas chocadeiras de filhos para o Estado, o qual é que deverá lhes ministrar a “educação”, alienante e desprovida de todo sentimento para com seu próximo.
    Compreende-se: é um regime satano-ateísta, de ódio a Deus, a si e ao próximo patrocinado por Satã, sendo o restante apenas os efeitos normais, sendo os pais como os animais, proverem-nos apenas de alimento material.
    Assim, igualam o ser humano a uma engrenagem dentro de uma imensa caixa de cambio automotiva em que todos funcionam ao comando do motorista e, se uma delas enguiçar, é substituída e lançada na reciclagem, sendo que nesse caso os poderes a serviço dos “donos” do mundo os fazem apenas como objetos de serventia, descartáveis, nada mais.
    Eis que a China é o exemplo desse comportamento mecanizado: lá, todos os cidadãos estão impiedosamente vigiados por câmeras para que tudo funcione a contento do Estado, e as pessoas envelhecidas sem direito pessoal algum, apenas de irem para o descarte, pois nada ou pouco rendem para que o sistema funcione para financiar as mordomias dos deuses dirigentes do Estado e o zé-povo capacho lançado dentro do IGUALITARISMO DA MISERIA!
    Esse é o ideal alienante do demente, lamentando-se que a CNBB colabore com a instalação desse sistema desagregante, relativista e caótico do PT aqui no Brasil, cujas mentes dos dirigentes apenas existe esterco da cartilha comunista, além de obsoleta na prática, fracassada totalmente sob todos os pontos de vista!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome