Reclinado no presépio, contemplemos o Menino Jesus.  Diante d’Ele – em atitude de adoração – está sua Mãe, cujos olhos doces e maternais cintilam, tributando ao Homem-Deus a mais alta homenagem possível a uma criatura. Ao seu lado, encontra-se maravilhado e vigilante São José, prestando seu preito varonil ao recém-nascido. No mais alto do Céu brilha a estrela, anunciando a grande Novidade: o Verbo encarnado nasceu e está no meio de nós.

Em torno da manjedoura, os anjos cantam as mais belas harmonias celestiais para aquele Santo Nascimento. Afanosos, chegam os reis magos, simbolizando a vassalagem de todos os reis da terra ao Divino Infante, verdadeiro Deus, Rei dos reis e Senhor dos senhores. E como demonstração da fé que enchia seus corações, ofereceram-Lhe ouro, incenso e mirra, para salientar as virtudes daquele Sacerdote, Rei e Vítima que vinha ao mundo.

Os pastores não permaneceram insensíveis e acorreram à sagrada gruta. Até os animais reconheceram o seu Senhor, aproximando-se submissos da manjedoura, enquanto o anúncio da boa nova de que Cristo havia nascido em Belém de Judá ecoava pelos campos. Estava inaugurado o marco histórico da Civilização Cristã, que proporcionou tantos frutos aos homens e que artifício humano algum conseguirá apagar.

Ao se aproximar mais um Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, olhemos para o mundo contemporâneo. Ergue-se ele borrascoso e caótico a expelir ameaças, incertezas, incredulidades, blasfêmias e vícios de toda espécie. Mundo vacilante e incrédulo por negar a sua origem e o seu fim, e por isso mesmo tirânico em relação aos valores cristãos, empenhando-se em destruir a família e implantar a nefasta ideologia de gênero, além de todas as dissoluções morais que visam macular e destruir o que resta de cristão na face da terra.

Aquele que nasceu em Belém foi o mesmo que fundou a Santa Igreja Católica Apostólica Romana e a Ela prometeu a indestrutibilidade. É por esta razão que, remando contra a maré, surgem verdadeiros católicos dispostos a lutar pela pureza da fé, pela integridade da lei divina, pela prática do amor de Deus, pela perfeição da vida espiritual, pela fidelidade aos ensinamentos perenes da Santa Igreja.

Como é bom recordar tudo isso ao rezar diante do presépio do Divino Infante na igreja ou em casa, a fim de implorarmos misericórdia e perseverança para aqueles que lutam contra a impiedade insolente e orgulhosa, contra o vício que estadeia com ufania e escarnece da virtude.

Pela vastidão imensa da terra rezemos pelos que se encontram oprimidos, abandonados, escarnecidos, pelo fato de permanecerem fiéis à Lei de Deus, para que perseverem cada vez mais. A mesma oração deve-se dirigir a Deus feito homem para apressar a vinda do Reino de Maria, conforme pede São Luís Maria G. de Montfort.

Pedir empenhadamente pela Igreja Santa e Imaculada. Para isso o leitor poderá utilizar-se das palavras do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira:

Estes são, Senhor, os que no momento presente, dispersos, isolados, ignorando-se uns aos outros, entretanto, agora, se acercam de Vós para oferecer o seu dom, e apresentar a sua prece. Dom tão esplêndido na verdade, que se eles vos pudessem dar o sol e todas as estrelas, o mar e todas as suas riquezas, a terra e todo o seu esplendor, não Vos dariam dom igual.

É o dom de si, íntegro e feito com fidelidade. Quando eles preferem a ortodoxia completa às palmas dos fariseus; quando preferem a pureza à popularidade entre os ímpios; quando escolhem a honestidade de preferência ao ouro; quando permanecem na vossa Lei ainda que por isto percam cargos e glória, praticam o amor de Deus sobre todas as coisas, e atingem a perfeição da vida espiritual, rija e verdadeira dileção. Não, por certo, do amor como o entende o século, amor todo feito de sensibilidade esparramada e ilógica, de afetos nebulosos e sem base na razão, de obscuras condescendências consigo mesmo, e escusas acomodações de consciência. Mas o amor verdadeiro, iluminado pela Fé, justificado na razão, sério, casto, reto, perseverante, em uma palavra o amor de Deus.

“E eles vos formulam uma prece. Prece, antes de tudo, por aquilo que mais amam no mundo, que é vossa Igreja santa e imaculada. Que vossa Igreja, que geme e cativa nas masmorras da civilização anticristã, triunfe por fim desse século de pecado, e plasme para vossa maior glória uma nova civilização. Pelos Santos, para que sejam mais santos. Pelos bons, para que se santifiquem. Pelos pecadores para que se tornem bons, pelos ímpios para que se convertam. Que os impenitentes, refratários à graça e nocivos às almas sejam dispersos, humilhados e aniquilados por vossa punição. Que as almas do Purgatório o quanto antes subam ao Céu.

“Prece, depois, por si mesmos. Que os façais mais exigentes na ortodoxia, mais severos na pureza, mais fiéis na adversidade, mais altivos nas humilhações, mais enérgicos no combate, mais terríveis para com os ímpios, mais compassivos para com os que, envergonhando de seus pecados, louvem de público a virtude e se esforcem sinceramente por conquista-la”.

A todos, um Santo e Feliz Natal, e um Ano Novo repleto de conquistas para a causa Católica, sob a bênção maternal de Maria Santíssima.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here