O recente Estudo publicado por The Lancet, desaconselhando o uso da HCQ,(hidroxicloroquina) vai caindo no descaso.

Recentemente 120 autoridades do mundo médico contestaram o estudo apontando 10 pontos falhos. https://ipco.org.br/120-medicos-e-bioestatisticos-contestam-estudo-anti-hidroxicloroquina/

OMS se retrata

“A Organização Mundial de Saúde (OMS) pediu desculpas nesta sexta-feira (5) pela controvérsia gerada com o posicionamento da entidade em relação a pesquisas sobre a eficácia da hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19.”

“A agência, no entanto, retomou as atividades depois que três dos quatro autores do texto se retificaram e pediram a retirada do material do ar.”

Fonte: https://jovempan.com.br/noticias/mundo/oms-se-desculpa-hidroxicloroquina.html

Ponto final!

Um artigo de 2003, The Lancet mostrou que o HCQ é útil contra os coronavírus

“Outro fator interessante é um artigo publicado em novembro de 2003 pelo  The Lancet   sobre a cloroquina e seu derivado, hidroxicloroquina, mostrando que ambas as moléculas são úteis no combate a infecções virais, incluindo coronavírus. O estudo declarou:

“A cloroquina / hidroxicloroquina tem um perfil de toxicidade bem estudado. O uso deste medicamento por meio século na terapia da malária demonstra a segurança da administração aguda de cloroquina em seres humanos. O uso de cloroquina / hidroxicloroquina em doenças reumáticas e na profilaxia antimalárica mostrou baixa incidência de eventos adversos durante a administração crônica deste medicamento por períodos de até alguns anos. Nesses casos, o efeito tóxico mais sério é uma retinopatia macular, que depende da dose cumulativa e não da dose diária, e danos permanentes podem ser evitados com monitoramento visual regular durante o tratamento. Um estudo recente forneceu resultados encorajadores sobre a segurança de uma alta dosagem do medicamento (até 500 mg de base de cloroquina por dia), mesmo durante a gravidez.

“Concluímos que a administração de cloroquina / hidroxicloroquina apresenta toxicidade limitada e bem evitável e, portanto, pode resultar em um baixo risco / benefício, pelo menos quando usado em condições de risco de vida”.

Fica clara a contradição gritante de The Lancet. Em favor de quem se está fazendo essa campanha mundial contra a hidroxicloroquina?

HCQ: Seis décadas de uso clínico

Continua Lifesitenews: “Um estudo publicado em novembro de 2019 por  Ashutosh Shuklan na  Drugs in context  concluiu que a cloroquina e o HCQ estavam “prontos para um novo capítulo em sua vida” porque “nas últimas seis décadas de uso clínico, os compostos CHQ e HCQ mostraram excelente perfil de segurança com boa tolerância a longo prazo não apenas na população em geral, mas também em determinadas populações especiais, inclusive entre as grávidas e as com insuficiência renal.

” Aplicações em reumatologia, mas também doenças infecciosas, doenças renais e oncologia mostraram-se prováveis ​​ou possíveis. Os efeitos indesejáveis, observou o estudo, agora são bem conhecidos e fáceis de manusear.

A hidroxicloroquina só se tornou “perigosa” quando usada no tratamento do COVID-19

“Então, o que aconteceu que de repente transformou o HCQ em uma droga perigosa no discurso público? Foi somente quando começou a ser usado contra o COVID-19 que essa narrativa se estabeleceu na mídia.

Prof. Raoult de Marselha, ardoroso defensor da nidroxicloroquina

“Em Marselha, Raoult se recusou a seguir o exemplo. Em suas frequentes entrevistas em vídeo nos últimos meses, ele repetiu que milhões de pessoas “comem” hidroxicloroquina todos os anos, como uma das drogas mais amplamente prescritas em todo o mundo. 36 milhões de doses de HCQ foram engolidas no ano passado na França, ele lembrava com frequência.

“Raoult também observou que muitos medicamentos são “venenosos” quando tomam uma overdose. Sobredosagens pelo uso doméstico do analgésico comum paracetamol (também conhecido como acetaminofeno), um medicamento de venda livre, causa um grande número de intoxicações, danos ao fígado e é responsável por várias mortes (por exemplo: mais de 95.000 internações hospitalares) e  mais de 200 mortes na Austrália entre 2007 e 2017 ). É até, atualmente,  uma das causas mais comuns  de envenenamentos intencionais e não intencionais em todo o mundo.

Aqui está uma pequena entrevista em vídeo do Prof. Raoult em inglês por um membro da IHU-Méditerranée, na qual ele descreveu sua experiência com hidroxicloroquina e azitromicina em 17 de março e sua explicação sobre a eficiência do medicamento:

A batalha do coronavírus tornou-se político ideológica e a esquerda mundial tenta frear ou condenar o uso da hidroxicloroquina.
Por quê?
Fonte: https://www.lifesitenews.com/news/the-strange-astounding-fight-by-world-leading-infectious-disease-doctor-and-others-to-continue-spectacular-results-saving-covid-infected-lives-using-common-cheap-safe-medication

 

Deixe uma resposta