A mídia de esquerda está sempre aberta a condenar aquilo que ela classifica como “extremismos”, “fanatismos”, “sectarismos”. Mas promove o extremismo, o fanatismo e o sectarismo ambientalista.

De passagem, lembro que extremismo é um erro oposto a outro erro; e fanatismo é adesão cega a valores falsos (*). Fanatismo e extremismo são, pois, o contrário do entusiasmo.

Em sentido contrário, orientar-se e ser fiel aos 10 Mandamentos, a fidelidade ao ensinamento imutável de Nosso Senhor Jesus Cristo, à Santa Igreja Católica (claro, não aos progressistas e modernistas)  provam um alto índice de lucidez, bom senso, coerência.

Alarmistas do aquecimento global: o novo extremismo

        Recente artigo do ACTON INSTITUTE POWERBLOB- UN climate chief: Stop worrying and have babies (tradução livre: Chefe do clima da ONU: pare de se preocupar e tenha bebês) comenta que “o clima não destruirá o mundo” e não deve impedir que os jovens tenham filhos”.

O artigo aponta: “A retórica alarmista de “condenadores do extremismo e extremistas” de que os bebês destruirão o planeta “se assemelha ao extremismo religioso” e “apenas aumentará o fardo [das mulheres jovens]” por “provocar ansiedade“, disse ele.

“A atmosfera criada pela mídia está provocando ansiedade. A última ideia é que as crianças são uma coisa negativa. Estou preocupado com jovens mães, que já estão sob muita pressão. Isso só aumentará seu fardo.”

Extremistas ambientalistas são pró aborto

       Continua a notícia: “A pessoa mais proeminente a fazer esta pergunta este ano foi a congressista Alexandria Ocasio-Cortez (estrela da midia de esquerda), que perguntou em um vídeo de mídia social: “É bom ainda ter filhos?” Os ambientalistas alertam que a maior pegada (marca indelével) de carbono que uma pessoa deixará está em ter crianças. A senadora Bernie Sanders sugeriu recentemente que os contribuintes dos EUA deveriam financiar o aborto em todo o mundo como forma de reduzir a superpopulação”.

Acrescento, os fanáticos ambientalistas também não querem o consumo de carne.

O categorizado alerta não vem de um fanático anti ambientalista

        “Petteri Taalas não nega as mudanças climáticas. Ele é secretário-geral da Organização Meteorológica Mundial (OMM), a agência especial da ONU sobre clima com 193 estados e territórios membros.

“A ameaça real hoje, diz ele, é do extremismo ambiental equivocado, que exige que o mundo faça mudanças radicais em suas vidas econômica e pessoal ou se torne cúmplice do genocídio”.

“Embora o ceticismo climático tenha se tornado menos problemático, agora estamos sendo desafiados pelo outro lado”, diz Taalas. “Eles são desonestos e extremistas; eles fazem ameaças.

“Como exemplo de propostas extremas, Taalas diz que “exigem zero emissões de carbono até 2025“”.

* * *

A notícia trata também das consequencias da politica de “não bebês”. Levados pela onda midiática o príncipe Harry e Meghan Markle anunciaram que planejariam ter um “máximo” de dois filhos.  Entretanto, o FMI constatou que, nos países mais desenvolvidos, incluindo o Reino Unido, apenas o aumento dos gastos em saúde pública “entre 2015 e 50 equivale a 57% do PIB” com a atual política anti natalista.

Mais uma consequencia desastrosa do fanatismo climático e da política anti natalista.

(*) vide www.pliniocorreadeoliveira.info

Fonte: https://blog.acton.org/archives/111653-un-climate-chief-stop-worrying-and-have-babies.html

Deixe uma resposta