201412LogoVerdadesEsquecidas

São Francisco de Assis.São Francisco de Assis (1181-1226) distinguiu-se por um santo amor à pobreza. Porém, ele não praticou apenas essa virtude. Sua santidade manifestou-se também com seu zelo pela glória de Deus e pela salvação das almas.

Transcrevemos a seguir, na íntegra, sua Carta aos governantes dos povos, na qual podemos admirar outros aspectos da grande alma do Poverello [Pobrezinho] de Assis, Fundador dos Franciscanos:

A todos os podestades, cônsules, juízes e regentes no mundo inteiro, e a todos quantos receberem esta carta, Frei Francisco, mísero e pequenino servo no Senhor, deseja saúde e paz.

“Considerai e vede que ‘se aproxima o dia da morte` (Gn 47,29). Peço-vos, pois, com todo o respeito de que sou capaz que, em meio aos cuidados e solicitudes que tendes neste século, não esqueçais o Senhor nem vos afasteis dos seus mandamentos. Pois todos aqueles que O deixam cair no esquecimento e ‘se afastam dos seus mandamentos` são amaldiçoados (Sl 118,21) e serão por Ele‘entregues ao esquecimento` (Ez 33,13). E quando chegar o dia da morte, ‘tudo o que entendiam possuir ser-lhes-á tirado` (Lc 8,18). E quanto mais sábios e poderosos houverem sido neste mundo, tanto maiores ‘tormentos padecerão no inferno` (Sb 6,7).

Por isso aconselho-vos encarecidamente, meus senhores, que deixeis de lado todos os cuidados e solicitudes e recebais com amor o santíssimo corpo e o santíssimo sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo, por ocasião de sua santa memória.

“Diante do povo que vos foi confiado, prestai ao Senhor este testemunho público de veneração: todas as tardes mandai proclamar por um pregoeiro, ou anunciai por algum sinal, que todo o povo deverá render graças e louvores ao Senhor Deus todo-poderoso. E se não o fizerdes, sabei que haveis de dar conta perante vosso Senhor Jesus Cristo no dia do juízo.

“Os que levarem consigo este escrito e o observarem saibam que serão abençoados por Deus nosso Senhor” (Escritos e biografias de São Francisco de Assis, 7ª edição, Editora Vozes, Petrópolis, 1996, pp. 98-99).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome