A infiltração marxista na grande mídia sonhada por Gramsci continua intocada, inclusive nas novas mídias
A infiltração marxista na grande mídia sonhada por Gramsci continua intocada, inclusive nas novas mídias.

De acordo com relatório do Banco Mundial, a população em estado de pobreza extrema caiu mais da metade nos últimos 30 anos. 

A percentagem mundial dessa faixa era de 34,6% em 1990. Ela foi diminuindo gradualmente até atingir 14,5% em 2011.

A propósito desses dados, o jornalista Piero Esterlino, do conhecido jornal Il Corriere della Sera, denunciou os exageros demagógicos de essência esquerdista segundo os quais a humanidade gemeria sob um “liberalismo selvagem” que “joga os povos na fome, destrói o planeta e aumenta as desigualdades”.

Precisamente sob esse regime é que se deu a maior redução da pobreza acontecida na história da humanidade, comentou ironicamente outro jornal italiano, “Il Foglio”.

Dirigido por Giuliano Ferrara, um ex-comunista realista, “Il Foglio” foi um dos poucos jornais a dar a notícia do relatório do Banco Mundial. E não é por acaso, observou Piero Ostellino.

Os jornais evitam solicitamente a publicar boas notícias. Eles andam à procura do escândalo, do crime, do episódio deprimente, da degradação sexual, do exagero assustador.

A grande mídia não gosta do noticiário veraz, que eleva, reanima, mostra um caminho, dá sentido às coisas e comunica vontade de viver.

Por isso, uma realidade positiva como esta, gerada pelo regime de propriedade privada e de livre iniciativa, é silenciada pela grande mídia.

Demagogos leigos ou eclesiásticos, não raramente ocupando altos cargos no governo e na Igreja, atribuem à propriedade privada e ao regime de capitalismo privado – que é uma de suas consequências naturais – as piores calamidades que afligem a humanidade, observou Ostellino.

Isso é um sinal de que a infiltração marxista na grande mídia não arrefeceu com a queda da União Soviética. Não houve nenhuma renovação benfazeja nessas altas esferas midiáticas, eclesiásticas e políticas, quer nos respectivos âmbitos nacionais, quer no internacional.

O pensador marxista Antonio Gramsci, que atualizou o “dessueto” (obsoleto) marxismo-leninismo, defendia como objetivo prioritário a ocupação das “casamatas” da sociedade não-comunista, entre elas a mídia.

Depois, segundo ele, seria fácil impor o comunismo na política.

Uma vez ocupadas a mídia e outras “casamatas” – como seminários, conventos, paróquias e sedes episcopais –, seria fácil distorcer as mentalidades. E o comunismo cairia de maduro.

A União Soviética sucumbiu, mas continua intenso, embora sorrateiro, o trabalho contra a propriedade privada, a livre iniciativa e a família em jornais, TVs, rádios, e até em sites da Internet.

Essa propaganda habilidosa da visão socialo-comunista do mundo explica em parte por que tantos jornais estão fechando suas portas por falta de leitores.

3 COMENTÁRIOS

  1. MEUS AMIGOS,
    CONHEÇO O TRABALHO QUE OS SENHORES REALIZAM EM FAVOR DA FAMÍLIA, DA IGREJA, DA PROPRIEDADE E DA TRADIÇÃO DESDE 1969, QUANDO TRAVEI CONTATO COM A ANTIGA TFP EM BELO HORIZONTE.
    FICO FELIZ AO VER QUE CONTINUAM NA LUTA.
    O ARTIGO ACIMA ESTÁ ÓTIMO. CLARO, OBJETIVO E ESCRITO EM UMA LINGUAGEM QUE PODE SER ENTENDIDA POR TODOS.
    PARABÉNS E FORTE ABRAÇO.
    MARIO HECKSHER.

  2. Pelo menos aquele surrado discurso: “Os pobres estão cada vez mais pobres e os ricos cada vez mais ricos” que tanto seduzia a plateia, e enchia de votos os candidatos da esquerda, agora não mais pode ser usados!

  3. A pergunta que fica é qual é o montante da dívida dos Estados, nestes
    últimos 30 anos. E qual é o montante dos juros pagos pelos devedores.
    Pois tem Países que mal podem se manter em pé, com os juros que têm de
    pagar anualmente.
    E paradoxalmente, nunca o mundo teve tanto dinheiro como agora.

Deixe uma resposta