Suprema Corte (EUA): autoridades não podem impedir o culto

0

A Suprema Corte decidiu na sexta-feira que as autoridades da Califórnia não podem impedir as igrejas de realizar cultos fechados em meio à pandemia do vírus CCP.

Ganho de causa contra o governo da Califórnia

“A mais alta corte do país emitiu ordens em dois casos, apoiando as igrejas que protestaram contra a proibição estadual de cerimônias internas.”

Permanecem as proibições de cantar durante os cultos fechados e não impedirá a Califórnia de impor restrições de capacidade de 25% em áreas consideradas Tier 1 em uma escala de transmissão de vírus do PCC (Partido Comunista Chinês).

Juiz Clarence Thomas, nomeado por Bush e o juiz Neil Gorsuch, nomeado por Trump, também teriam derrubado as restrições de capacidade e as proibições. O juiz Samuel Alito, nomeado por George W. Bush, teria concordado com esses pontos, mas teria mantido por 30 dias uma liminar contra os limites e proibição para deixar o Estado demonstrar “que nada menos que essas medidas reduzirá a disseminação da COVID pela comunidade -19 em reuniões religiosas internas. “

Gorsuch, com quem Thomas e Alito se juntaram, disse que a Califórnia “impôs abertamente regulamentos mais rígidos às instituições religiosas do que a muitas empresas” desde a chegada da COVID-19, a doença causada pelo vírus CCP.

Embora a Califórnia proibisse qualquer tipo de culto em ambientes fechados na maior parte do estado, permitia que a maioria das operações de varejo tivessem 25% de ocupação dentro de casa e outras empresas com 50% ou mais de ocupação, acrescentou ele, escrevendo: “Quando um estado tão obviamente visa a religião para um tratamento diferenciado , nosso trabalho se torna muito mais claro. “

O caso atraiu quatro opiniões diferentes do tribunal de nove pessoas.

O presidente do tribunal John Roberts, ao nomeado por George W. Bush, escreveu que “os tribunais federais devem deferência significativa a funcionários politicamente responsáveis ​​com o‘ histórico, competência e experiência para avaliar a saúde pública ’”.

“O estado concluiu, por exemplo, que cantar em ambientes fechados apresenta um risco elevado de transmissão de COVID-19. Não vejo base neste registro para anular esse aspecto da estrutura de saúde pública do estado ”, acrescentou. “Ao mesmo tempo, a determinação atual do estado – que o número máximo de adeptos que podem adorar com segurança na catedral mais cavernosa é zero – parece refletir não perícia ou discrição, mas sim apreciação ou consideração insuficiente dos interesses em jogo.”

A juíza Amy Barrett, acompanhada pelo colega nomeado por Trump, o juiz Brett Kavanaugh, escreveu em uma opinião concordante que concordava amplamente com Gorsuch, mas não acreditava que o tribunal deveria bloquear a proibição de cantar e cantar.

Juízes nomeados por Democratas contrariam decisão do STF

Os três juízes indicados pelos democratas se uniram em uma opinião divergente liderada pela juíza Elena Kagan, indicada por Obama, que disse que os juízes no tribunal “não são cientistas” e não “sabem muito sobre políticas de saúde pública”.

Bem exatamente o contrário do que faz o STF nas decisões sobre a pandemia no Brasil. Segundo os juízes nomeados por Democratas os juízes no tribunal “não são cientistas” e não “sabem muito sobre políticas de saúde pública”.

Infelizmente não estamos mais nos tempos de São Gregório VII que fez prevalecer os direitos da Igreja face às intromissões abusivas do imperador Henrique IV.

A Santa Igreja criou hospitais e tem lastro bi milenar em matéria de saúde. Estranha que o poder civil laico, lá e cá, tenha ignorado esse histórico da Igreja Católica e retirado do combate a força de maior experiência, dedicação e amor ao próximo em matéria de pandemia. A política dessa pandemia tem razões … que a razão ainda não conhece.

Fonte: https://www.theepochtimes.com/supreme-court-ruling-clears-way-for-indoor-worship-services-in-california_3687447.html?utm_source=CCPVirusNewsletter&utm_medium=email&utm_campaign=2021-02-08

Deixe uma resposta