Este santo medieval é muito pouco conhecido no Brasil. Era o segundo filho dos Visdonini, família distintíssima na famosa e bela cidade de Florença, e nela nasceu no ano de 995. Foi educado num dos castelos dos pais, Gualberto e Da.Villa, seguindo os passos de Nosso Senhor Jesus Cristo. O pai procurou fazê-lo um perfeito cavaleiro, hábil nas palavras e nas armas, para que depois pudesse administrar e defender o patrimônio e a honra da família.

Crescendo, como todo membro da nobreza, João cingira a espada com foro de cavaleiro, correspondendo aos anseios do pai.

Mas não a desembainhara ainda, pois queria que o primeiro uso dela fosse contra o assassino do seu irmão mais velho, a quem jurara vingar.

Numa de suas andanças pela região acompanhado de lacaios e servos, João encontrou numa das voltas do caminho, o homicida vagando sozinho. João Gualberto empunhou a espada e dirigiu-se a ele que, indefeso só pôde, de joelhos e braços em cruz, implorar clemência.

Ora, estava-se na Sexta-feira Santa. Aquela atitude suplicante do homicida com os braços em cruz fez o jovem cavaleiro lembrar-se de Cristo na Cruz. Comovido, com um gesto inesperado e generoso, ergueu da terra o assassino de seu irmão, e o abraçou em sinal de perdão, dizendo-lhe: “Perdoo-te pelo sangue que Jesus Cristo hoje derramou na Cruz”. Uma grande paz invadiu sua alma, e a partir desse momento sua vida mudou completamente. Decidiu abandonar o mundo, e foi bater na porta do mosteiro beneditino, vencendo as desculpáveis resistências do pai.

A capela do mosteiro era dedicada a São Miniato, do qual diz o Martirológio Romano no dia 25 de outubro: “Em Florença, a paixão do bem-aventurado Miniato, soldado que, sob o imperador Décio, lutou galhardamente pela fé de Cristo, e foi coroado de nobre martírio”. Nela o jovem ajoelhou-se diante de um  Santo Cristo, e rezou fervorosamente com a alegria de quem tinha cumprido um dificultoso dever. Ao levantar-se, olhou para o rosto de Cristo, e viu que por três vezes seguidas Ele se inclinava para si. Era a aprovação divina do perdão dado.

No mosteiro, João Gualberto tornou-se um humilde monge, exemplar na disciplina e na observância das Regras, no estudo, na oração, na penitência e na caridade. Só então aprendeu a ler e a escrever, pois para um nobre de sua época o mais importante era saber manusear bem a espada. Dotado do dom da profecia e dos milagres, João era muito considerado por todos.

Em 1035, com a morte do abade, ele foi eleito por unanimidade para sucedê-lo. Mas renunciou de imediato ao cargo quando soube que o monge tesoureiro havia subornado o bispo de Florença para escolhê-lo, pelo que decidiu sair do mosteiro..

João Gualberto tentou então a vida na camáldula fundada não havia muito por São Romualdo. Mas não encontrou nela o que almejava, e resolveu fundar o seu próprio mosteiro, seguindo as regras de São Bento.

O santo retirou-se então para as selvas dos Apeninos, no monte Vallumbrosa, perto de Florença, onde construiu seu mosteiro.

Seguia com rigor a disciplina e austeridade das regras da Ordem beneditina  mas, no lugar do trabalho manual, colocou muito estudo, leitura e meditação. João Gualberto implantou assim um centro tão avançado e respeitado de estudos, que a própria Igreja enviava para lá seus padres e bispos para aprofundarem seus conhecimentos.

De Vallumbrosa desciam os monges, temperados na Regra beneditina reformada, primeiro à vizinha Florença, depois a várias cidades da Itália procurando, seguindo o exemplo do santo abade, corrigir os costumes, e as próprias instituições civis que eram contrárias ao Evangelho.

Os florentinos chegaram até a confiar aos monges valombrosianos as chaves do tesouro e o sigilo da República. O Papa Leão XI realizou uma longa viagem para fazer-lhes uma visita.

São João Gualberto fundou outros mosteiros, inclusive o de Passignano, na Umbria, onde morreu no dia 12 de julho de 1073. Antes de sua morte, disse aos seus monges: “Quando quiserem eleger um abade, escolham entre os irmãos o mais humilde, o mais doce, o mais mortificado”.

Nos séculos seguintes, seus monges se especializaram em botânica, sendo por isso convidados a fundar essa cátedra na célebre Universidade de Pavia. Também as universidades de Pádua, Roma e de Londres buscavam naqueles mosteiros os seus mais capacitados mestres no assunto.

Canonizado em 1193, São João Gualberto foi declarado Padroeiro dos Florestais, pelo papa Pio XII, em 1951.

Gostaria de receber as atualizações em seu email?

Basta digitar o seu endereço de email abaixo e clicar em “Assinar”.

[egoi_form_sync_3]

Deixe uma resposta