Uma das glórias da Companhia de Jesus, Santo Estanislau Kostka, é um dos santos não-mártires mais jovens da Igreja, pois faleceu aos 18 anos incompletos, tendo entretanto vivido para a virtude como um ancião.

Estanislau nasceu em 1550 no castelo de Rostkow, em uma família das mais nobres da Polônia, que se distinguia pela invariável fidelidade à antiga fé católica, diante das tempestades luteranas e renascentistas. Seus pais foram João Kostka, Senador do Reino, e Margarida Kriska, de estirpe não menos ilustre que o marido.

O santo foi dessas almas que parecem ter, desde o berço, correspondido a todas as graças especialíssimas com que Deus as cumula, percorrendo em pouco tempo, na santidade, uma carreira que muitos levam a vida inteira para atingir.

Foi-lhe dado como preceptor um jovem cavaleiro, João Bilinski, para ensinar-lhe as primeiras letras. Aos 14 anos seu pai enviou-o com este e com o irmão mais velho, Paulo, para Viena, onde o Imperador Fernando tinha fundado um colégio jesuíta. Foram recebidos na qualidade de internos. Quando Maximiliano I fechou o internato, foram viver, o que parece incrível, e não sabemos a razão,  na casa de um aristocrata luterano, o Senador Kimberker. Para a consciência reta de Estanislau, o viver sob o mesmo teto que um herege era um contínuo tormento.

Certo dia Estanislau adoeceu tão gravemente, que os médicos declararam  nada mais ser possível fazer, e que a medicina já não podia salvá-lo. O doente suplicou então ao irmão e ao preceptor que chamassem um sacerdote para ministrar-lhe os Sacramentos, ao menos a Sagrada Comunhão. No entanto os dois, temendo desgostar o luterano que jamais permitira a entrada de um sacerdote católico em sua casa, optaram por fazer ouvidos moucos. Estanislau lembrou-se então de ter lido certa vez que os que se recomendavam a Santa Bárbara, não morriam sem receber os Sacramentos. Com fervor, pediu então a intercessão dessa Santa em seu favor. E ela apareceu trazendo-lhe a Sagrada Comunhão…

Pouco depois ele recebia também a visita de Nossa Senhora com o Menino Jesus nos braços, que colocou nos de Estanislau. A Mãe de Deus recomendou-lhe então que entrasse para a Companhia de Jesus.

Foi então uma peregrinação sem fim a de Estanislau, até encontrar, em Dilingen, o grande São Pedro Canísio, que reconquistaria para a verdadeira fé quase metade da Alemanha, pervertida pelo ímpio Lutero. Como os Santos se entendem, foi sem dificuldade que ele o enviou, com outros dois pretendentes, à casa mãe, em Roma, onde o santo foi bem recebido por São Francisco de Borja.

Em pouco tempo o jovem polonês mereceu de seus condiscípulos o cognome de o Anjo do Noviciado.

Estanislau tinha a mais profunda devoção a Maria Santíssima. Estudava e compilava os textos mais belos em seu louvor, e as passagens mais próprias a demonstrar sua grandeza. Em sua honra rezava, desde pequeno, o Rosário. A quem lhe perguntava por que amava tanto a Maria, respondia: “Como não A hei de amar, se é minha Mãe?”

Adoecendo gravemente, na vigília da gloriosa festa da Assunção, pediu para lhe serem administrados  os Últimos Sacramentos, que recebeu angelicamente. E às três horas da manhã do dia 15, Nossa Senhora, acompanhada por uma multidão de Anjos, veio receber a virginal alma de Estanislau Kostka.

Ele morria aos 18 anos incompletos, tendo passado apenas 10 meses no noviciado jesuíta.

Acorreu tanta gente a seu enterro,  que levou seu médico, Dr. Francisco Tolet, depois nomeado Cardeal, a exclamar: “Eis uma coisa verdadeiramente maravilhosa: um pequeno noviço polonês que morre;  faz-se honrar pela cidade de Roma como um Santo!”

Gostaria de receber as atualizações em seu email?

Basta digitar o seu endereço de email abaixo e clicar em “Assinar”.

[egoi_form_sync_3]

Deixe uma resposta