A Carta assinada por 152 bispos brasileiros (apenas 152 dos 479), divulgada na midia, pretende fazer uma análise da situação atual do Brasil, “um dos períodos mais difíceis de sua história”.

Uma Carta em gestação há 30 dias … nada espontânea

“A articulação começou há cerca de um mês, com 25 bispos da ala mais progressista do episcopado, ligados a Dom Claudio Hummes e à região pan-amazônica”. http://www.ihu.unisinos.br/601346-os-bastidores-do-manifesto-de-152-bispos-contra-o-governo-bolsonaro

***

Os Bispos signatários afirmam: “é a combinação de uma crise de saúde sem precedentes, com um avassalador colapso da economia e com a tensão que se abate sobre os fundamentos da República” …

Perguntamos: no que esses três fatores são específicos do Brasil? O vírus foi fabricado pelo Governo Federal? Esquecem-se os Srs Bispos que o Brasil arca com 16% das curas em todo o Orbe?

Colapso da economia? A produção de víveres decaiu? Ou foram os governadores de esquerda fecharam o comércio? Impedem a liberdade das pessoas até de frequentarem parques?

Estão eles seguros de que Venezuela, México, Cuba ou Argentina são nossos exemplos?

***

Cuja causa é “provocada em grande medida pelo Presidente da República e outros setores da sociedade, resultando numa profunda crise política e de governança.”

Dos três Poderes da República é citado apenas o Presidente do Executivo e “outros setores da sociedade” … que os Bispos não especificam.

***

Os Srs Bispos extrapolam depois para as “Mazelas que se abatem também sobre a Casa Comum, ameaçada constantemente pela ação inescrupulosa de madeireiros, garimpeiros, mineradores, latifundiários e outros defensores de um desenvolvimento que despreza os direitos humanos e os da mãe terra.”

A ser verdade a afirmação genérica dos Srs Bispos é o caso de lembrar que 18 meses do governo Bolsonaro não têm efeito retroativo. Quem responde por essas “mazelas que se abatem sobre a Casa Comum” nos anos petistas ou tucanos?

***

O sal que já não salga

Para nós, católicos, é confrangedor ver que mais de uma centena de bispos (de um total de 479) —  se aventurem em esfera que não lhes é própria e proponham “remédios” que nada têm a ver com o múnus pastoral dado por Nosso Senhor aos Apóstolos e aos sucessores dos Apóstolos.

Na contramão da História, tentando levantar bandeiras que já não empolgam — o público brasileiro desbancou o PT e o derrotou nas Urnas — não percebem os Srs Bispos, signatários desta Carta quão distantes estão do rebanho que Nosso Senhor lhes confiou?

Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus

Que tristeza ver que o “sal perdeu a sua força”. E uma ponta de satisfação porque a linguagem da Teologia da Libertação não empolga as multidões. Os 152 Bispos falam no vácuo e só os ouvem a mídia de esquerda e um punhado de progressistas, de petistas, de intelectuais de esquerda.

Com essa minoria não se faz uma revolução social.

2 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta