Nossa midia não está em alta, em matéria de credibilidade. Há muito que o sensacionalismo e a infiltração de esquerda desmerecem tantos dos nossos órgãos de informação.

Qual a posição do jornalista católico, ontem e hoje?

Transcrevemos um trecho do Prof. Plinio sobre a franqueza, que caracteriza o jornalismo católico e anticomunista.

“Inteiramente alheio às questões políticas de caráter meramente temporal (portanto, meramente partidárias), jamais se viu que o “Legionário” empenhasse suas simpatias a favor desta ou daquela parte em conflitos ou dissídios em que nada tivessem que ver os interesses sagrados da Santa Igreja de Deus.

“Jornal católico, totalmente católico, e exclusivamente católico, o “Legionário” se diminuiria se se deixasse arrastar pelas paixões políticas a uma arena que, por ser meramente temporal, se situa muito abaixo dos campos onde esta Folha se sente chamada a lutar.

“E, com a preocupação infatigável de jamais se afastar desta linha de conduta, levamos tão longe nosso rigor que jamais se viu que o “Legionário”, mesmo na apreciação de questões de interesse misto, ao mesmo tempo espiritual e temporal, justificasse seu ponto de vista por razões outras que não as que inspira a exclusiva consideração dos problemas espirituais de nossa época.

“Seria, pois, uma incoerência flagrante se procurássemos transformar nosso jornal, de exclusivamente católico que é, em órgão dos interesses temporais (partidários) deste ou daquele povo, por mais legítimos que fossem.

 A franqueza é um direito e um dever

“Esta posição sobranceira nos permite ser francos. A franqueza é um direito e um dever dos que são imparciais. E ninguém pode ser mais imparcial do que a Igreja que, sem odiar a povo nenhum, a todos eles envolve em seu amor maternal. A franqueza é, pois, uma das notas características do jornalista católico.

                                                  * * *

Compreendam bem, nossos leitores, a posição corajosa, a franqueza com que nosso SITE aborda as questões temporais (concernentes à Civilização Cristã) e as questões espirituais enquanto concernentes e modeladoras da sociedade civil.

Por exemplo, informando, analisando, orientando nossos leitores sobre a posição de Resistência Católica face aos erros veiculados a propósito do Sínodo Pan Amazônico.

A franqueza é, pois, uma das notas características do jornalismo católico.

Nossa Senhora, cuja festa da Imaculada Conceição, ontem celebramos, nos ilumine, nos guie, nos fortaleça nessa nobre, atual e necessária obra de reconstrução do Brasil.

Fonte: https://pliniocorreadeoliveira.info/LEG_400623_Petain_entrega.htm

Deixe uma resposta