À Margem da Intervenção no Rio: Valores Morais (V)

Recente pesquisa Datafolha assinala que 76% dos cariocas aprovam a Intervenção Federal. Não é nosso objetivo comentar o mérito da Intervenção, entretanto, a adesão dos cariocas reforça a atualidade dos temas aqui tratados: Valores Morais.

As declarações do min. Jungman (El Pais, 27/2/2018) – focalizando a perda dos valores e a contradição de parte da juventude que, ao mesmo tempo, clama contra a violência, mas consome drogas – põem em foco um dos problemas mais graves da nossa sociedade.

Os Valores Morais são os fios com que se fabrica o Tecido Social de uma Nação. Mostramos, no último artigo, a família como umas das pilastras-mestras do tecido social.  Tradição e propriedade completam essa trilogia sobre a qual se edificaram as nações cristãs.

Tradição, família e propriedade são, pois, os pilares da nova ordem que (conscientemente ou não) as gigantescas manifestações de 2016, nas principais cidades do País, cobravam de nossos homens públicos: “devolvam o nosso Brasil”.

Os progressistas e a esquerda reconhecem a importância dessa trilogia

Como bem observou Max Delespesse, um conhecido progressista belga, em livro com significativo título: “Tradition, Famille, Propriété. Jésus et la triple contestation”: observadores superficiais poderiam surpreender-se diante da trilogia ´tradição-família-propriedade´ como se se tratasse de um amálgama artificial. Na realidade, a junção destes três termos não se deveu ao acaso. (…) `Tradição-família-propriedade’ é um bloco coerente que se aceita ou se rejeita, mas cujos elementos não podem ser separados.” (Max Delespasse, “Tradition, Famille, Propriété. Jésus et la triple contestation”, Fleurus, Paris, 1972, pp. 7, 8).

No mesmo sentido, é muito freqüente a mídia de esquerda referir-se à trilogia tradição, família e propriedade como sendo a ponta de lança da reação conservadora em nosso Brasil.

O ensinamento dos Papas: Valores Morais são o alicerce

São Pio X, na Encíclica Il Fermo Proposito, de 11 de Junho de 1905, insistiu em que “a civilização do mundo é a Civilização Cristã, tanto mais verdadeira, mais duradoura, mais fecunda em frutos preciosos, quanto é mais autenticamente cristã” (1);

E na Carta Notre Charge Apostolique de 25 de Agosto de 1910 recordava:

“Não se deve inventar a Civilização, nem se deve construir nas nuvens a nova sociedade. Ela existiu e existe: é a Civilização Cristã, é a sociedade católica. Não se trata senão de a instaurar e restaurar incessantemente nas suas bases naturais e divinas, contra os ataques sempre renascentes da utopia malsã, da revolta e da impiedade: ‘Omnia instaurare in Christo’ (Ef. I, 10)” (2).

E Leão XIII ressalta o valor da propriedade privada:

[ … ] a teoria socialista da propriedade coletiva deve absolutamente repudiar-se como prejudicial àqueles mesmos a que se quer socorrer, contrária aos direitos naturais dos indivíduos, como desnaturando as funções do Estado e perturbando a tranqüilidade pública. Fique, pois, bem assente que o primeiro fundamento a estabelecer para todos aqueles que querem sinceramente o bem do povo é a inviolabilidade da propriedade particular  (grifos nossos).(3)

* * *

Não pretendemos, no âmbito de um artigo, esgotar a fundamentação doutrinária da trilogia: Tradição, Família e Propriedade. Vamos apenas dar uns traços essenciais que ajudem o brasileiro médio (aquele que saiu às ruas em 2016, em gigantescas manifestações) na busca da verdadeira solução de nossos problemas.

Saber ver as raízes de uma crise como a nossa já representa 80% da solução e exclui as utopias da esquerda ou da pseudo-direita.

Resta-nos uma pincelada sobre a importância da Tradição.

Face às contradições atuais: Tradição, por quê não?

A Tradição não é só um passado. Pelo contrário, ela cabe no presente.

De um artigo do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira, para a Folha de São Paulo:

A verdadeira tradição não é – em princípio – só pelo passado enquanto passado, nem só pelo presente enquanto presente. Ela pressupõe dois princípios:

         a – que toda ordem de coisas autêntica e viva tem em si um impulso contínuo rumo ao aprimoramento e à perfeição;

         b – que, por isto, o verdadeiro progresso não é destruir, mas somar; não é romper, mas continuar para o alto.

         Em suma, a tradição é a soma do passado com um presente que lhe seja afim. O dia de hoje não deve ser a negação do de ontem, mas a harmônica continuação dele.

         Em termos mais concretos, nossa tradição cristã é um valor incomparável que deve regular o que é hodierno. Ela atua, por exemplo, para que a igualdade não seja entendida como o arrasamento das elites e a apoteose da vulgaridade. Para que a liberdade não sirva de pretexto ao caos e à depravação. Para que o dinamismo não se transforme em delírio. Para que a técnica não escravize o homem. Numa palavra, ela visa impedir que o progresso se torne desumano, insuportável, odioso. (5)

Vejamos a sábia advertência de Nosso Senhor, no Evangelho

E ninguém deita remendo de pano cru em vestido velho, porque (este remendo) levaria consigo uma parte do vestido, e ficava pior o rasgão. Nem se deita vinho novo em odres velhos; doutro modo rebentam os odres, e derrama-se o vinho, e perdem-se os odres. Mas, deita-se vinho novo em odres novos; e assim ambas as coisas se conservam. (São Mateus, IX-16-17).

Em outras palavras, o tecido velho representa aqui os erros liberais e petistas que nos têm governado. Saibamos, pois, edificar o novo Brasil, reconstruir o Tecido social com os valores perenes da tradição, família e propriedade.

O alicerce de toda civilização é a moralidade: edificando o novo Brasil

O alicerce de toda civilização é a moralidade. E quando uma civilização se edifica sobre os alicerces de uma moralidade frágil, quanto mais ela cresce, tanto mais se aproxima da ruína. É como uma torre que, assentando-se sobre alicerces insuficientes, ruirá desde que chegue a certa altura. Quanto mais se sobrepõem uns andares a outros, tanto mais está próxima sua ruína. (…) O trabalho que a Humanidade tem efetuado desde o século XIV consistiu em enfraquecer os alicerces e aumentar o número de andares. (6)

Encerrando essas considerações: o desafio à geração atual

Manifestação popular contra a esquerdização do Brasil

Reconstruir o Brasil com base nos Valores Morais, esses são os fundamentos do tecido social. Os pilares são: tradição, família, propriedade.

Não à ideologia de gênero, que desonra a Família.

Não às invasões de Propriedade pelo MST e assemelhados guiados pela CPT (ramo da CNBB).

Não aos inimigos da Tradição cristã brasileira, os quais, seguindo socialismos, bolivarianismos ou petismos, quiseram implantar aqui a ideologia igualitária da foice e do martelo.

Não ao esfarelamento da Unidade Nacional com a criação de “países” indígenas e quilombolas como se estes não fossem partes integrantes de nosso Brasil.

Não àqueles que querem colocar um “remendo” nesse tecido social apodrecido pela revolução libertária, igualitária e sensual de nossos dias.

Confiantes em Nossa Senhora Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil, lutemos, rezemos e trabalhemos pelo nosso porvir.


Notas:

(1) São Pio X, Encíclica Il fermo proposito, in ASS, vol 37 (1905) p. 745
(2) S. Pio X, Carta Notre Charge Apostolique, de 25 de Agosto de 1910, cit., p. 612.
(3) Leão XIII, Encíclica “Rerum Novarum”, de 15 de maio de 1891 — Editora Vozes Ltda., Petrópolis, pág.12
(4) http://www.pliniocorreadeoliveira.info/LEG310927_Catolicismoecivilizacao.htm
(5) Tradição
(6) Catolicismo e Civilização