Dissidentes cubanos denunciam colaboração da Hierarquia católica do país e de líderes populistas latino-americanos com a ditadura e pedem ao Ocidente mais rigor contra o regime marxista

Raúl Castro cumprimentando o cardeal Jaime Ortega, arcebispo de Havana, e D. Dionísio García, arcebispo de Santiago de Cuba

“Ratos e baratas, água a cada três dias, comida podre, autoflagelação e excrementos pelo chão” – esse foi o ambiente que os ex-presos políticos de Cuba, agora exilados na Espanha, enfrentaram durante sete anos nos presídios da ilha. “Éramos totalmente saudáveis, mas saímos de lá cheios de problemas”, declarou Júlio César Rodríguez.(1)

O estado das prisões é um indicador da miséria que o socialismo impôs.

A economia “solidária” e “participativa” já nem sustenta o sistema de racionamento de alimentos e produtos de higiene. Os comedores (restaurantes) públicos deixaram de fornecer 3,5 milhões de parcos almoços por dia para funcionários do Partido Comunista.

A Reforma Agrária há muito privou a ilha de alimentos suficientes.As colheitas de açúcar e tabaco — outrora grandes matérias-primas de exportação — caíram a níveis inferiores aos de várias décadas atrás.

Cuba sobrevivia com a receita do turismo europeu e americano, porém a crise econômica afastou os turistas. HugoChávez completava o raquítico orçamento com petróleo, mas a socializada Venezuela também não consegue alimentar seus cidadãos, e depende dos envios que o presidente Lula prometeu para que o ditador venezuelano consiga manter-se no poder.

O Brasil fornecia milhões de dólares em investimentos de infra-estrutura, mas os especialistas brasileiros em Reforma Agrária não ensinaram nada que os cubanos não conhecessem à perfeição: não trabalhar, não colher, não produzir e não comer…

Fidel Castro saiu de sua reclusão hospitalar para dizer a “The Atlantic”, revista da esquerda americana: “O modelo cubano já não funciona nem para nós”.(2) A surpresa foi grande, e o “líder máximo” esboçou um desmentido nada convincente.

Pouco depois Raul Castro anunciou a demissão de 500.000 funcionários públicos no decurso de seis meses, mas não esclareceu como poderão manter-se depois disso os ex-funcionários públicos, quando se sabe que é praticamente inexistente a iniciativa privada que poderia admiti-los.

A ajuda dos EUA e da União Européia é questão de vida ou morte para o regime. Mas este não quer renunciar à utopia comunista. Como fazer então?

Denúncia dos exilados

Uma velha fórmula foi tentada: Havana exilou presos políticos em troca do fim de embargos econômicos, além do envio de produtos de sobrevivência — coisa absolutamente decisiva.

Quem seria o avalista da permuta de presos por alimentos? O cardeal Jaime Ortega Alamino, arcebispo de Havana e presidente da Conferência Episcopal Cubana, preenchia as condições indispensáveis para isso: o regime confia nele, e sua figura de alto representante da Igreja Católica tornava a operação deglutível pela opinião pública ocidental. Foi assim que o cardeal Ortega esteve no centro das combinações.

Chegada dos exilados cubanos à Espanha

Porém, aconteceu algo inesperado: os exilados denunciaram o comércio humano de que se sentiam objeto; declararam publicamente que o fim do bloqueio só serviria para perpetuar a ditadura comunista; imploraram aos EUA e à UE para não levantá-lo e, pelo contrário, serem bem mais exigentes com a ditadura castrista.(3) “Peço à União Européia que não abandone a posição comum. […] Não pode ser abandonada, porque Cuba não deu sinais de mudança”, afirmou o dissidente Normando Hernández ante o Parlamento Europeu.(4)

As corajosas vítimas do comunismo denunciaram também a cumplicidade de líderes populistas latino-americanos com o esquema de repressão e morte que impera na ilha. Em particular, o dissidente Omar Rodríguez verberou a conduta do presidente Lula: “Quando ocorreu a tragédia com Orlando Zapata [dissidente morto em greve de fome pouco antes de Lula chegar a Cuba], o presidente brasileiro apertava as mãos de Fidel e Raul Castro. Ele não intercedeu, não fez nada para salvar a vida de Orlando Zapata. Isso significa que ele se aliou ao crime, e não à justiça”.(5)

________

Notas:

1. “Folha de S. Paulo”, 16-7-10.

2. http://www.theatlantic.com/ international/archive/2010/09/fidel-cuban-model-doesnt-even-work-for-us-anymore/62602/

3. “El Mundo”, Madri, 13-9-10.

4. Id., ibid.

5. Veja, “Em Coletiva, dissidentes dizem que havia ratos em suas celas e voltam a criticar Lula”.