Arquidiocese de Curitiba defende o PTista invasor da igreja do Rosário

1

Todos se lembram do ato revolucionário do vereador petista Renato Freitas na invasão da Igreja do Rosário, em Curitiba.

Nosso artigo no site IPCO https://ipco.org.br/vereador-do-pt-impede-missa-em-curitiba-e-intimida-fieis-pcb-participa/ punha a pergunta crucial: Vejamos a atitude da Arquidiocese de Curitiba, tão zelosa em restringir a Missa Tridentina, se exigirá retratação pública e acionará a Justiça contra o vereador petista.

Indulgentes para com o erro, severos para com a Santa Igreja

A Nota da Arquidiocese pede indulgência e não cassação de mandato. Ao contrário do que diz a Nota da Mitra não basta que o vereador petista tenha procurado a autoridade diocesana e pedido desculpas. Seu ato foi público, necessita de uma reparação pública de sua parte.

Arquidiocese é indulgente com o erro e severa com a missa tridentina

O sentimento católico extravasou da capital paranaense para todo o Brasil,– em atos de reparação e protestos contra essa invasão –, e em defesa da Santa Igreja.

Entretanto, não pensou assim a Arquidioces de Curitiba. Naquela época, uma tímida nota se esquivava de nomear o vereador petista e aproveitava para endossar a luta de raças no Brasil.

***

A NOTA DA MITRA ARQUIDIOCESANA DE CURITIBA CONTRA A CASSAÇÃO DE MANDATO

Indulgentes para com o erro … severos com a missa tridentina.

1 COMENTÁRIO

  1. Na minha opinião a Igreja Católica não deve ser conivente com atos hostis a nossa religião. O referido vereador deveria, antes de cometer o delito, ter pensado nas consequências que o ato poderia ocasionar. O que os integrantes do partido esquerdopata fizeram foi um ato desrespeitoso a nossa Igreja e merecem ser punidos por isso, pois o povo através do voto outorgou poderes a esse parlamentar para que ele trabalhe em beneficio da sociedade, e não foi isso que ele fez nessa ocasião. O que fizeram pode ter sido um teste para sentir a reação da Igreja e da sociedade, e se não cortarem o mal pela raiz coisas piores podem ocorrer, não devemos descartar essa possibilidade. Além do mais, existem leis para punir determinados atos criminosos e a Igreja pode até perdoar o criminoso perante DEUS, mas não emitir documento tentando isentar o criminoso perante as leis e a sociedade.
    Att Lineu

Deixe uma resposta