Bispo alerta: Venezuela virou comunista imitando Cuba. Que prelado alerta o Brasil?

    Mons.Roberto Luckert, arcebispo de Coro Venezuela é um país comunista
    Mons. Roberto Luckert, arcebispo de Coro: Venezuela é um país comunista.

    O arcebispo de Coro, Venezuela, Mons. Roberto Lückert, denunciou que sua nação foi convertida “num país comunista” porque seus governantes, primeiro Hugo Chávez e depois Nicolás Maduro, copiaram o modelo cubano, precipitando-a numa profunda crise econômica.

    “Este é um país comunista, disse o prelado. O presidente Chávez disse que ia nos ancorar no mar da felicidade cubana. Agora estamos ancorados, e com âncoras de grande profundidade. Eles querem copiar ‘a beleza socialista comunista’ do regime cubano”, alertou o arcebispo, citado pela agência ACI Prensa.

    A Venezuela possui as maiores reservas de petróleo do mundo, calculadas em 300 bilhões de barris. Porém, seguindo as pegadas de Fidel Castro, o socialismo destruiu a ordem econômica do país. A inflação atinge patamares que ninguém consegue calcular com certeza.

    A nota de maior valor em circulação – de 100 bolívares – equivale a 0, 42 reais. O governo prometeu imprimir uma de 1.000 bolívares ou 4,2 reais, que provavelmente logo será engolida pela inflação.

    Segundo o “The New York Times” nem os ladrões querem as notas de bolívares, a moeda nacional.

    Famílias de classe média têm que fazer heroísmo para subsistir
    Famílias de classe média têm que fazer heroísmos para subsistir.

    Dom Lückert lembrou que desde o tempo de Chávez a Venezuela esteve enviando a Cuba “150.000 barris de petróleo por dia”, além de “muito dinheiro, muitos dólares”. Porém, na Venezuela faltam os alimentos, remédios e produtos mais básicos, dos quais a maioria da população necessita.

    O arcebispo acrescentou que a Venezuela já não tem nem como enviar dinheiro a Cuba, “porque estamos quebrados economicamente”.

    A miséria venezuelana é patética, mas o fanatismo socialista não se incomoda com a desgraça do país inteiro. E o regime de Caracas precede no precipício os governos bolivarianos admiradores do inferno cubano.