Bispo nega comunhão a senador pró aborto

1

“Joe Cervantes, senador estadual pelo Partido Democrata no Novo México, afirmou que o bispo Peter Baldacchino se recusou a dar-lhe a comunhão e que seu novo pastor anunciou que aderirá à medida.”


Fidelidade à Igreja: negar comunhão aos pró aborto

Embora haja uma minoria de padres “progressistas” dispostos a dar a comunhão aos políticos pró-aborto, a Conferência Episcopal americana votou por maioria contra: Os políticos que promovem o aborto não poderão comungar, esta foi a decisão da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos que já foi aplicada contra um deputado. O presidente Biden pode ser o próximo, com base nos alertas que surgiram.

“O bispo católico negou-me a comunhão ontem à noite aqui em Las Cruces devido à minha posição política”, escreveu Cervantes no Twitter. “Meu novo padre indicou que fará o mesmo.”

Não se trata de posição “política”, o Senador é ativista pró aborto.

Grave pecado mortal

“A comentarista católica Kathleen McKinley respondeu a Cervantes sugerindo que ele “olhasse para dentro” para descobrir por que seu bispo e pastor estão negando-lhe a comunhão. “Se você defende o aborto, então é responsabilidade do padre fazer você entender que você não está em um estado de graça, mas sob um grave pecado mortal, que ficaria pior se você o recebesse de forma indigna”, escreveu McKinley . “É a sua alma. É importante “, acrescentou.”

Senador afirma que Papa Francisco faz a transição

“Vale lembrar que o senador garantiu que a Igreja Católica está em transição com Francisco. Ele disse isso poucas horas depois que o papa distanciou os fiéis da tradição da missa em latim, a língua litúrgica. No intuito de construir pontes, como Sumo Pontífice, ele se compromete a deixar o velho para trás e abraçar o novo. Isso significaria cancelar o Summorum Pontificum de seu antecessor Bento XVI, que ainda vive”, acrescenta a notícia.

Na reunião anual da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos, 168 votaram para negar a comunhão aos políticos pró-aborto e apenas 55 votaram contra.

Arcebispos: Biden deve parar de dizer que é católico

A decisão veio em um momento importante, já que o presidente dos EUA, Joe Biden, afirma ser católico, mas seu partido apóia abertamente o aborto. O mesmo faz Nancy Pelosi, responsável pela Câmara dos Representantes do Congresso.

E Kamala Haris é ativista radical pró aborto.

Vários padres e até bispos e arcebispos pediram abertamente a Biden para parar de dizer que ele é católico, se ele não seguir os ensinamentos da Igreja.

O bispo J. Strickland pediu-lhe publicamente que parasse de financiar abortos com o dinheiro dos contribuintes ou parasse de dizer que é católico.

Apenas neste ano, o senador Joe Cervantes co-patrocinou e votou “Sim” a um projeto que “Revoga as leis estaduais que criminalizam o aborto” e, de acordo com o comentarista conservador local John Block, “legalizou o aborto de nascimento e infanticídio em todo o estado e retirou todas as proteções para mulheres e crianças no útero.

60 Democratas se insurgem contra a Igreja

Ao todo, 60 congressistas democratas, todos alegando ser católicos, escreveram uma “declaração de princípios” pública confrontando os bispos. Até um legislador democrata ameaçou os bispos, desafiando-os a ousar negar-lhe a comunhão.

Os congressistas demonstraram não saber o que todo católico deve saber: apoiar o aborto é motivo de excomunhão na Igreja Católica. Para começar, o Catecismo da Igreja Católica observa em 2272 o seguinte:

“A cooperação formal com o aborto constitui uma ofensa grave. A Igreja sanciona este crime contra a vida humana com pena canônica de excomunhão. “Quem procede ao aborto, se este ocorrer, incorre na excomunhão latae sententiae” (CIC can. 1398), ou seja, “para que quem comete o crime incorra ipso facto” (CIC can. 1314), nas condições previstas na Lei (cf CIC can. 1323-1324).”

Com isso, a Igreja não pretende restringir o alcance da misericórdia; O que faz é mostrar a gravidade do crime cometido, os danos irreparáveis ​​causados ​​ao inocente a quem é morto, aos seus pais e a toda a sociedade.
Na fé católica, o aborto é o pior dos crimes, já que acontece na família e tira a vida do menor deste, a base da sociedade.

Diante de um presidente que afirma ser católico e um papa que os políticos “progressistas” veem como um meio de transição, a maioria dos bispos diz não: a vida é defendida desde a concepção e para aqueles que se opõem haverá excomunhão.

***

Também no Brasil a esquerda petista e outros do falso Centrão se mostram favoráveis ao aborto. Uma posição mais enérgica de nossos Bispos, mais do que necessária, poria os pingos nos is.

Fonte: Primer político excomulgado en Estados Unidos por apoyar el aborto (panampost.com)

1 COMENTÁRIO

  1. COMUNISTA SE DIZER CATÓLICO, SÓ SE FOR PARA GANHAR VOTOS DE CATÓLICOS INCAUTOS!
    Não tem nem a menor lógica pertencer a um partido comunista e se declarar publicamente como católico; no entanto, como para os endiabrados comunistas “todos os meios justificam os fins”, então essa uma maneira de ter a chance de enganar os desinformados, mais simples e humildes!
    OS COMUNISTAS SÃO SUMAMENTE OPORTUNISTAS E VIVEM DOS ARDIS, DOS ENGANOS E DA SUBVERSÃO AOS QUE CAIREM NA LÁBIA DELES – SÃO UNS PATIFES, MAFIOSOS E CHANTAGISTAS!

Deixe uma resposta