Cardeal Burke exorta a defender a família e a vida inocente

Cardeal Burke
Cardeal Burke, prefeito do Tribunal supremo da Signatura Apostólica.

A conhecida revista francesa “Famille Chrétienne”, em sua edição de 20 de junho último, publica importante entrevista do Cardeal Burke, prefeito do Tribunal supremo da Signatura Apostólica, o mais elevado e decisivo Tribunal da Santa Sé.

Nessa entrevista, feita pelo jornalista Pierre de Calbiac, o Cardeal Burke, de origem norte-americana, expõe a doutrina católica e a lei natural a propósito de temas da maior atualidade, como a família, o aborto, o homossexualismo, a proibição da comunhão a políticos abortistas e a preservação moral das crianças.

Reproduzimos aqui a íntegra dessa entrevista com tradução de Helio Dias Viana. Abaixo, o título, a pequena introdução e as perguntas são da própria revista.

*                      *                      *

Cardeal Burke: “A Igreja Católica jamais aprovará as uniões homossexuais”

Pierre de Calbiac
(Tradução Helio Viana)

 

O cardeal Raymond Leo Burke, prefeito do Tribunal supremo da Signatura Apostólica, esteve presente nas jornadas Evangelium vitae, concluídas pelo Papa Francisco I no dia 16 de junho em Roma. Ele exorta os católicos a se mobilizarem – inclusive na rua se necessário – para defender a família e a vida.

A defesa da vida é um combate incessante para a Igreja, como o atesta, entre outros, a continuação das jornadas Evangelium vitae lançadas por João Paulo II. Onde se radica essa prioridade?

A lei que a Revelação nos deu nos ensina que o primeiro direito de um ser humano é de viver. Esta verdade, que é a inviolabilidade de vida inocente, é tão mais evidente quando se lembra que Cristo morreu por todos os seres humanos sem exceção. Lembremos igualmente a parábola do juízo final: “O que fazeis ao menor dos meus é a mim que o fazeis” (Mateus 25,40). Ora, aqueles que são vivos, mas ainda não nasceram, são os menores. É por isso que a Igreja conclamará sempre a proteger a vida inocente. Mais ainda, o primeiro preceito da lei natural é o de promover e proteger a vida humana. Inscrito no coração de cada um, este preceito é participado por todo mundo, seja qual for a sua orientação espiritual.

Uma nota da Congregação para a Doutrina da Fé, assinada pelo cardeal Ratzinger em 2004, indicava que não se devia dar a comunhão a políticos católicos, homens e mulheres, que defendessem publicamente o aborto. Ela está ainda vigente?

Inteiramente! Os homens políticos que se dizem católicos, mas que defendem o aborto pretendendo não querer impor suas convicções religiosas, estão no erro, pois, como eu já o disse, a revelação divina não vem senão confirmar aquilo que a lei natural acessível a todos já estabeleceu. E aqueles que fazem abertamente a promoção do aborto não devem, portanto, ter acesso à sagrada comunhão. Esta regra de disciplina canônica está prevista no artigo 915 do Código de Direito Canônico. Os católicos devem saber manifestar sua oposição, inclusive na rua, quando necessário.

 

Qual é o papel da família no respeito pela vida?

A família tem o primeiro papel, pois são os pais que devem ensinar os filhos a respeitarem a vida humana e a si próprios. Em uma segunda etapa, a educação religiosa deve preparar os filhos nesse sentido. Nesta ótica, a catequese é muito importante. Durante os anos, a maneira de ensinar o catecismo às crianças foi de tal maneira pobre que há uma necessidade de realizar um verdadeiro trabalho nesse ponto. Espero que esse tempo em que a catequese foi empobrecida acabou. Lembro-me de que quando eu era bispo de uma diocese, tentei tanto que pude remediar esses problemas.

Vossa Eminência é o prefeito do Tribunal supremo da Signatura Apostólica, que vela pela boa administração da justiça eclesiástica. O que diz o ensinamento da Igreja sobre as uniões homossexuais?

 

O ensinamento da Igreja é muito claro. A união sexual é moral no âmbito do casamento, sendo ela a expressão de um amor fiel, permanente e fecundo, isto é, procriador, entre um homem e uma mulher. Uma nota da Congregação para a Doutrina da Fé, aparecida em 2003 e assinada pelo Cardeal Ratzinger, então prefeito dessa mesma congregação, condenava assim toda forma de legalização das uniões homossexuais. A natureza nos ensina que o homem e a mulher são feitos um para o outro. A alteridade é uma condição necessária ao casamento. Cumpre, pois, compreender que a Igreja Católica jamais aprovará as uniões homossexuais, que não podem ser naturalmente procriadoras.

Na França, a lei que legaliza o casamento homossexual foi votada. O que os católicos devem fazer doravante?

Acompanhei o combate dos franceses contra essa lei. Eu posso lhes dizer aqui: continuem a manifestar, continuem a mostrar que essa lei é injusta e imoral. A Igreja os apoiará nesse combate pela justiça. Eu incito assim os padres e os bispos a continuar nessa via e a manifestar sua oposição na rua se necessário. É importante que eles dêem o exemplo. Eu mesmo cheguei a manifestar, notadamente na Marcha pela Vida. Na Evangelium vitae, João Paulo II faz referência à desobediência civil, é nesse gênero de caso que devemos praticá-la. Os pais têm igualmente um trabalho a fazer contra essas leis insidiosas. Eles devem observar o que fazem seus filhos. O pior hoje é sem dúvida a pornografia. Os pais devem prestar atenção principalmente quando os filhos utilizam o computador e olham coisas cujos efeitos eles não medem e que fazem muito mal.

Como preservar as crianças desses desvios de conduta quando exibidos na rua?

É preciso que os pais procurem manter seus filhos longe de tudo isso e explicar-lhes o que é bem e o que é mal. A escola é também um lugar no qual importa investir. É necessário principalmente que o ensino católico seja ainda mais católico do que o é atualmente.

(Fonte: Famille Chrétienne)

Não corrompam nossas crianças através da “Ideologia de Gênero”

A Ação Jovem do IPCO está promovendo uma campanha nacional de abaixo-assinados que serão enviados para o Presidente Michel Temer pedindo a exclusão da satânica "Ideologia de Gênero" da Base Nacional Comum Curricular - BNCC.

Clique aqui e assine já!

 

15 COMENTÁRIOS

  1. O cardeal Burke foi brilhante assim como o José Plínio. Graças a Deus temos pessoas lúcidas que defendem com clareza a verdade e não caem nas armadilhas das acusações raivosas, como a feita por esse Sr. Júlio César. Pena dele…não entwendeu nada…medíocre demais.

     
  2. HIPOCRISIA POUCA É BOBAGEM, QUANDO O PAPA RENUNCIOU NOTICIOU-SE EM VÁRIOS ARTIGOS NA INTERNET QUE A ‘força gay’ ESTARIA POR TRÁS DA RENÚNCIA DE BENTO XVI, ENTÃO Ñ ME VENHA COM XURUMELAS PQ O QUE MAIS TEM NO VATICANO SÃO HOMOSSEXUAIS DECLARADOS. ACHO QUE SE APROVASSE OS HOMOSSEXUAIS DO VATICANO TERIAM TBM QUE SE CASAR. CAÔ DOTÔ!!! DESCULPA AE VLW!

     
  3. Carmem, faço um apelo a você e aos demais irmãos seguidores deste site para darmos apoio a Caravana Cruzada Pela Família, orientada pelo IPCO que neste mês de julho percorrerá as cidades do Brasil numa grande campanha pela valorização da Família. São jovens que neste período de férias se deslocam de suas cidades em busca de melhores dias para nossos filhos no futuro. Abraços!

    @carmen Lucia Xavier

     
  4. Carmem, faço um apelo a você e aos demais irmãos seguidores deste site para darmos apoio a Caravana Cruzada Pela Família, orientada pelo IPCO que neste mês de julho percorrerá as cidades do Brasil numa grande campanha pela valorização da Família. São jovens que neste período de férias se deslocam de suas cidades em busca de melhores dias para nossos filhos no futuro. Abraços!

     
  5. Sabem o que me deixa intranquila quanto ao posicinamento da Igreja???/ É o silêncio da CNBB, dos Bispos e dos párocos nas paróquias. Por que não fazem uma convocação aos católicos??? por que essa massa de católicos que fazem procissões por todos os cantos desse País, não sai pra rua pra defender os valores cristãos??? Por que precisa uma reprsentante Evangélico no Congresso dar a “cara pra bater “sem que nenhum católico se coloque a seu lado, apoiando a luta que ele está empreendendo no Congresso.

     
  6. Toda aprovação de lei no Congresso que fere as leis da Bíblia ( Mandamentos e os Profetas) é uma lei imunda e imoral. Políticos sem moral, corruptos que já se consideram derrotados pelos Cristãos, estão se pegando aos diferentes para ver se garantem a sua reeleição. Façamos campanha contra aqueles que defendem o aborto e o casamento (ajuntamento) entre pessoas do mesmo sexo.

     
  7. Gostei do depoimento do Cardeal Burke, e quanto o possível casamento dos padres, acho viável ser aprovado o casamento dos mesmos, consertaria muitos comentários das outras crenças sobre a Igreja Católica Apostólica Romana. Obrigado.

     
  8. Sou Católico Apostólico Romano de orientação Occidental e Cristã,portanto desde pequeno aprendí os ensinamentos da Igreja Católica,desde o maternal até finalizar meus estudos no segundo grau e continué aprendendo também no terceiro grau,formei familia,sou pai de quatro filhos,dois homens e duas mulheres.Graças ao Bom Deus !!. Esse tipo de deturpação já tenho visto em outros países (Europa),onde estudei e trabalhé;moro no Brasil desde 1987,sempre gostei do Brasil; porém não estou gostando do que alguns fazem para destruir o Brasil e a base da Humanidade que justamente é a Familia,como home peço a DEUS para que mantenha claras as ideias católicas e firmes as conciencias, para impedir que isso nocivo avance.Obrigado!!

     
  9. …. façam e digam o que quiserem …. o tempo está se encarregando de empoeirar todas essas abominações …. a FAMÍLIA, na verdadeira acepção da palavra, JAMAIS será EXTINTA ….

     
  10. A Moral é fonte da Lei; ela está acima da lei. Não há “casal homossexual”. Há pares de seres humanos que praticam o homossexualismo. É uma prática contra a Natureza e as leis biológicas que regem a vida. Nós, católicos, temos obrigação moral de reagir contra essas aberrações que se praticam no mundo: legalização, pelos poderes constituídos, de desvios de conduta como se fossem normas saudáveis, ensináveis e louváveis; ensino às crianças de que sexo desvirtuado é normal e aceitável. Não é. É no máximo tolerável. Tolerância é uma coisa. Aceitação e concordância são bem diferentes. Nós, católicos, temos de deixar de ser católicos-zumbis e reagir. Temos a obrigação de ser REACIONÁRIOS.

     
  11. Bem a propósito dessa questão, quando os debates sobre o homossexualismo iam se intensificando no Rio de Janeiro onde vivi por muitos anos, lembro-me de que representando a Igreja em desses debates, Dom Estevão Tavares Bittencourt OSB; de saudosa memória; pronunciou para interlocutores que “se o homossexualismo não é contra a religião, é contra a natureza”. Esse pronunciamento silenciou o debate promovido por “defensores”, i.e., exploradores do homossexualismo. De fato, o pior para o homossexual contemporâneo é a FALSA TOLERÂNCIA, muito mais nociva que a dita HOMOFOBIA. Nesta, o pederasta pode vislumbrar a iminência do “perigo” e proteger-se. Já com a FALSA TOLERÂNCIA, por ser oportunista, dissimulada e leviana o homossexual não consegue perceber os perigos a que está sujeito. Há um modismo leviano jogando sujo com o homossexual sem que ele perceba. É por isso que a orientação da Igreja Católica é claríssima e transparente para os seus fiéis: Amar o pecador sim, mas repudiar o pecado, para garantir o respeito devido à pessoa humana, visando à Restauração da Sua Dignidade em Toda a Sua Plenitude. Portanto, mesmo que a pessoa humana do homossexual se encontre no último estágio da degradação e do flagelo, a Igreja recomenda Amor e compaixão da parte dos seus fiéis. Isto nos faz lembrar a profecia de Isaías que – referindo-se ao Servo de Javé – afirma que ele: “Não quebrará a cana que já está rachada, nem apagará o pavio que está para se apagar”(Is 42, 3). A Igreja Católica defende a vida humana até a extremidade em que ela aparenta não ter mais nenhuma esperança. Somente assim é que vim a compreender por que a Igreja retirava das sarjetas abjetas do Rio de Janeiro, o homossexual agonizante, para manter viva a CHAMA DA ESPERANÇA. Por isso, a Igreja não pode ludibriar a pessoa do homossexual com a leviandade do casamento entre pessoas do mesmo sexo. Até porque a raiz etimológica do termo casamento implica aproximar entes de sexo diferente entre si.

    JOSÉ PLÍNIO DE OLIVEIRA
    (Serrinha-Bahia)

     
  12. Não Aprova, Mas Também Não Luta Contra ! É Preciso Levar Paras Ruas Multidões e Protestar e Exigir e Anular Estas Leis… A Igreja Perdeu A Fé ! Não Podemos Ficar Quietos Dentro Das Igrejas Vendo Tudo Acontecer Com Os Braços Cruzados.. Falar Até Papagaio Fala……

     
  13. Aguardemos os acontecimentos para ver na prática os resultados. Não obedecem ao magistério perene da Igreja as conferencias episcopais, a pesar de saberem da verdade. Acabam cada um fazendo o que quer. No nosso caso, “Aqui mandamos nós” é a resposta que escutamos. Que Deus purifique a Igreja e o mundo.
    Paz e bem. Salve Maria!

     
  14. São palavras alentadoras pois contêm a reafirmação da doutrina perene da Igreja Católica que nunca mudará dado que foram recebidas do próprio Mestre.

     

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome