Após o chamado “Acordo Provisório” Vaticano-China (cujas cláusulas são secretas) recrudesceram as perseguições aos católicos. E demolição de igrejas também.

“Durante décadas, a Igreja na China foi dividida entre a Associação Católica Patriótica Chinesa, uma Igreja estatal sob o controle do Partido Comunista Chinês, e a Igreja subterrânea que estava em plena comunhão com a Santa Sé. O acordo de 2018, cujos detalhes não foram liberados, tinha a intenção de unificar as duas comunidades eclesiásticas, embora vários relatórios fora da China tenham indicado que sacerdotes e leigos que se recusam a frequentar igrejas administradas pelo governo estão enfrentando aumento da perseguição.

“Nas províncias de Jiangxi e Fujian, no leste da China, os sacerdotes que se recusaram a assinar acordos, ligando-os aos regulamentos do governo, foram forçados a sair de suas casas, e suas igrejas foram fechadas. O governo chinês proibiu padres não conformes de viajar, e muitos foram forçados a se esconder.

Igrejas fechadas à força pelo governo de Xi Jinping

“Em julho e agosto, pelo menos cinco igrejas católicas na diocese de Yujiang foram fechadas à força pelo governo, devido à sua recusa em aderir ao CPCA. Em meados de agosto, funcionários do governo ameaçaram prender um padre subterrâneo e revogar subsídios básicos do governo a todos os católicos da cidade de Yingtan depois que sua paróquia se recusou a se juntar à Igreja patrocinada pelo Estado”.

* * *

E o Vaticano parece não ver … o Cardeal Parolin recomenda paciência aos católicos fieis à Roma.

Bem caberia um “Sínodo sobre perseguições religiosas”.  Há notícias de que o recrudescimento da perseguição se deve ao aumento do número de católicos na China.

Fonte: https://catholicherald.co.uk/news/2019/11/05/chinese-authorities-offer-land-for-new-church-after-demolition-protest/

Deixe uma resposta