Banana
Não se importa de entregar a preço de banana patrimônio público para estatais comunistas

Vez por outra sucede eu ter a sensação de clamar no deserto. Verifico, entre surpreso e desolado, ninguém está dando bola para aquilo por mim tido por importante. Normal, em ocasiões, errado; em outras, certo. Isso deve acontecer com muita gente em assuntos pessoais, profissionais, familiares, até temas de interesse nacional.

Esse de que vou falar envolve o Brasil, mais diretamente os brasileiros que, parece, infelizmente o observam silenciosos, confusos, ou pior, desinteressados. Vejo com horror o avanço do capital estatal chinês sobre ativos brasileiros. De fato, são gigantescas propriedades no Brasil passando celeremente para o governo do PC, que vai utilizá-la, mais dias, menos dias, para seus objetivos de dominação interna e hegemonia mundial.

Sábado, 13 de fevereiro, li no “Estado de S. Paulo”, que Nelson Barbosa vai à China para reuniões em 26 e 27 de fevereiro com os ministros de Finanças dos países do G-20. Chegará alguns dias antes, porque tem encontros já agendados com investidores chineses. Faço uma aposta sem conhecer nem um dos tais investidores interessados em aplicar no Brasil: a grossa maioria, se não a totalidade das reuniões de nosso ministro da Fazenda será com representantes de empresas estatais chinesas do setor produtivo ou do setor financeiro. Sabem por que aposto no escuro? Porque vejo claro o que é a direção petista, de doutrina revolucionária e internacionalista. Não se importa de entregar a preço de banana patrimônio público para estatais comunistas. A recomposição, cada vez mais difícil, do caixa das empresas pilhadas pela cumpanherada ou do Tesouro, exaurido pelas mágicas da nova matriz econômica, nos manietará ainda mais à China. A imprensa noticia, que o déficit somado dos quatro fundos de pensão Previ (BB), Petros (Petrobrás), Funcef (Caixa) e Postalis (Correios) é de 46 bilhões de reais. A cumpanherada na direção deles apanhou dinheiro dos segurados e comprou até títulos da Venezuela e da Argentina! Viraram pó, é lógico. Quem vai tapar o rombo? Servidores ativos, aposentados e o Tesouro (você, contribuinte). O que torna, cada vez mais urgente a privatização selvagem, com especial presença do capital estatal chinês.

Agravando as cores do quadro, ponho aqui o testemunho de Delfim Netto (Valor, 17/2), no caso insuspeito, pois vem dos mais valiosos apoios que os governos petistas receberam nos últimos 13 anos:

“O governo finge esquecer que nos últimos 20 anos estimulou a importação da China para controlar a inflação. Roubou-lhe [à indústria siderúrgica], lentamente, as condições isonômicas de competição […] Existem, ainda, “idiots savants” que creem que a China é uma economia de mercado que exporta ao custo marginal? Ou que seus preços de exportação vão continuar os mesmos quando destruir seus competidores? […] Sua mão de obra barata e sem assistência social, permitiu a todos os governos mitigarem a sua inflação importando da China e jogando no lixo as regras do comércio razoavelmente moralizado que se propunha na OMC. […] Não há como competir com a China, uma economia basicamente estatizada, num setor com incontáveis distorções de preços que nada têm a ver com os de mercado. Em 2003, ela produzia 220 milhões de toneladas de aço bruto (23% da produção mundial) e em 2014 produziu 823 milhões de toneladas (49% da produção mundial). No mesmo período, suas exportações de aço passaram de 7,4 milhões de toneladas para 93 milhões (três vezes a nossa produção), graças a artifícios que todos fingem não ver. Certamente, não por conta da mítica eficiência dos seus burocratas, mas pelo efeito do subsídio adicional visível que só em 2015 foi da ordem de US$ 10 bilhões!”

Em outras palavras, com a conivência do governo, a indústria siderúrgica brasileira vem sendo destruída. No final, é lógico, mandaremos minério de ferro para a China e importaremos manufaturados, como qualquer país colonial (ou colonizado). O que padece o setor da siderurgia, sofrem outros setores. Delfim Nettto observa ainda:

“Nos últimos anos perdemos a produção de alumínio (onde nossas vantagens relativas eram imensas) e a do níquel (onde a tecnologia era a do estado da arte). Estamos agora a assistir, perplexos, a mesma paralisia governamental levar à destruição o setor siderúrgico nacional”

Em 1984, a participação da indústria manufatureira no PIB nacional estava em torno de 25%. Em 2005, 19%. Em 2015,12%, nível do pós-guerra. É sintoma da regressão para o status de país colônia, sujeito a regras que protegem a manufatura na metrópole. Em nosso caso, a metrópole escondida nas brumas do futuro, mas facilmente, discernível, é Pequim. E não será a autocracia das potências coloniais do século 19. Teremos, o caminho não interrompido, como futuro senhor potência mundial imperialista, então talvez a primeira do mundo, dirigida por partido totalitário, ateu, coletivista.

A marcha para a servidão tem a colaboração das legiões de inocentes úteis e companheiros de viagem que, por vantagens momentâneas (aqui conta bastante o governismo quase compulsório dos que têm fome das verbas federais para gerir Estados e prefeituras), somam-se aos que empurram o Brasil para o abismo por razões doutrinárias.

Está em jogo imediatamente a soberania nacional. Ainda mais, nosso futuro de nação independente, cristã e de raízes ocidentais. O que São João pedia, dois milênios atrás, ao clamar no deserto, era que endireitassem os caminhos. Atualíssimo para nós, ir no rumo certo; para isso, de começo, recusar com coragem lúcida a submissão.

1 COMENTÁRIO

  1. As propriedade agrícolas compradas pelos chineses, estão livres de invasões do MST!
    Não figuram na lista dos “latifúndios improdutivos”! Nem são são partes integrantes de um “capitalismo selvagem”!
    Quanto a destruição do nosso parque industrial pela concorrência chinesa, nosso governo está mais preocupado com sua sobrevivência, com desenrolar da operação Lava-jato”! Isto não
    leva as ruas, nossos bem informados e irados estudantes com cartazes dizendo “ABAIXO O IMPERIALISMO CHINÊS”!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome