Outro dia, como fazia muito frio, fui a uma lanchonete perto de casa para tomar um chocolate quente com conhaque – uma coisa, aliás, muito saborosa.

Passados alguns minutos, achegou-se à minha mesa um velho conhecido que há muito eu não via. Era o Asdrúbal, ex-ministro da Eucaristia.

– Olá! Como vai?

-Muito bem, obrigado. E você, Asdrúbal? Ele puxou a cadeira à minha frente e sentou-se.

– Também vou muito bem, sobretudo com a derrota do PT nas eleições. A melhor coisa que eu fiz foi deixar, depois de anos seguindo o meu bispo e o meu pároco, esse partido radicalmente anticatólico.

– Fico contente que você tenha chegado a essa conclusão. Há décadas, na TFP, com Dr. Plinio Corrêa de Oliveira, e agora no IPCO seguindo os mesmos métodos, eu participo do combate legal e pacífico contra o comunismo petista tão apregoado pelo clero de esquerda.

– Agora vejo que o Dr. Plinio e vocês sempre tiveram razão. Aliás, até gente da esquerda está alardeando isso. Há gente dizendo que quem venceu as eleições foi a TFP, ou seja, os princípios da tradição, família e propriedade. É verdade!

O Asdrúbal estava tão eufórico que eu quase não consegui falar.

– Explique-me aqui uma coisa, o que aconteceu para o eleitorado antipetista ter aumentado tanto?

– Há vários fatores, Asdrúbal. Vou começar pela periferia do tema até chegar ao núcleo.

Uma coisa que deixou o público decepcionado foi o gigantesco vulto da corrupção, combatida pela lava-jato etc. Mas isso não foi o mais importante.

Depois houve toda uma pressão tendenciosa da grande mídia a favor da vitória da esquerda petista, procurando causar a impressão de que a mesma era certa. Mas como isso era muito artificial, o público logo começou a perceber e não estava gostando.

Outro fator de indignação foram as mentiras deslavadas dos institutos de pesquisa para favorecer o PT. Isso ficou claro no jogo das intenções de voto às vésperas das eleições. Sem explicação, a diferença entre os candidatos foi diminuindo numa cadência que dava a impressão de que se continuasse por mais poucos dias o candidato petista passaria na frente. Mentira! O brasileiro cheirou e se encolheu.

Você ainda pode computar como pressão sobre o público a opinião de gente da moda, como artistas, apresentadoras et caterva.

Mas o fator mais profundo foi o ideológico. O brasileiro despertou para o risco iminente de cairmos no comunismo e virarmos uma nova Venezuela. Quem deveria evitar esse despertar reativo? Quem deveria preparar o público para aceitar o comunismo?

Asdrúbal me olhou interrogativo:

– Quem?

– Exatamente o clero de esquerda – respondi-lhe –, para o qual era preciso que os católicos brasileiros aceitassem o comunismo. Para isso, ele devia usar de sua autoridade espiritual e moral, e também do seu carisma sacerdotal, para virar as cabeças “das ovelhas” a favor do “comunismo católico”, do “lobo vermelho”.

É o que explica por que muitos altares se transformaram em palanques petistas já há muito tempo. Chavões da teologia da libertação incutindo problemas de consciência foram lançados em homilias e até em orações feitas pela CNBB… Uma verdadeira lavagem cerebral a favor do comunismo.

Doutor Plinio alertou durante décadas a opinião católica sobre a comunistização de membros da Igreja, apontando essa verdadeira conjuração deles a favor do PT. Cristalizados com os bispos e padres, parte dos católicos bandeou para os evangélicos. No fundo, foram atrás daquilo que o clero católico lhes negava. E ficaram menos distantes da verdadeira doutrina da Igreja Católica do que o clero progressista de esquerda.

Os católicos que continuaram frequentando as igrejas foram enxergando a situação e perdendo a confiança em seus “pastores”. Vão às igrejas cada vez mais “por conta própria” e não por causa do clero.

Resultado: quando o clero de esquerda se lançou nessas eleições para garantir a vitória do candidato petista ameaçada – em larga medida pela longa atuação da TFP –, não obteve o apoio de muitos católicos. E o PT perdeu. Perdeu vergonhosamente. O intenso choro deles mostra que o prejuízo foi imenso; desconfio que muito maior do que os meros 45% dos votos divulgados.

– Mas então você considera mesmo uma imensa vitória da TFP e do Dr. Plinio?

– Sim, com certeza, embora outros também tenham colaborado para a vitória, quem atuou quase exclusivamente durante décadas para neutralizar a influência da esquerda católica sobre os fiéis foi Dr. Plinio. Os próprios esquerdistas estão reconhecendo isso e se lamentando profundamente. É um fato.

– Mas, então, por que o Lula e a Dilma foram eleitos anos atrás?

– Nunca o PT ganhou uma eleição para presidente no primeiro turno. E há pessoas sérias que não acreditam nos resultados das urnas eletrônicas. Além disso, os católicos tinham ainda alguma ingenuidade em relação aos seus pastores. Mas hoje a ingenuidade diminuiu muitíssimo e os resultados estão aí. Evidentemente, Nossa Senhora Aparecida dispôs as coisas para essa vitória – completei.

– Agora vejo bem as coisas!

Parou um pouco e, com um sorriso luminoso, completou:

– Gostei tanto dessa conversa que precisamos comemorar: – Garçom, duas canecas de chope!

E olhando-me, completou:

– Por minha conta! Faço questão!

2 COMENTÁRIOS

  1. Por que “Haddad-Lula” obteve tantos votos no Norte e Nordeste? Note-se que muita gente depende do funcionalismo para sobreviver… Por outro lado, as pessoas vão à igreja porque têm fé e creem nos sacramentos. Porém, não se deixam manipular por falácias de determinados “pastores”.

Deixe uma resposta