Cristão Iraque
Cristãos num abrigo em Erbil, Iraque. Foto: Ahmed Jalil/EPA
 

Das igrejas fizeram casa. Continuam a ir à missa – rezam pela paz. Mas onde havia milhares de cristãos, como em Mossul, não há agora nenhum. “A vida deles está completamente virada do avesso”, diz à Renascença, a partir do Iraque, um elemento da Fundação Ajuda à Igreja que Sofre.

De um dia para o outro, tudo mudou para os cristãos no Iraque. Entre conversão ao Islão ou o pagamento do imposto exigido pelo autoproclamado Estado Islâmico, não tiveram escolha. Deixaram tudo para trás. No meio do desespero não sobrou tempo para preparos. Muitos fugiram de mãos vazias e sem dinheiro nos bolsos.

“Os refugiados estão a abrigar-se em igrejas, alguns deles estão em parques a viver em tendas. Nesta altura do ano, as temperaturas atingem os 43, 45 graus. São condições muito difíceis”, conta à Renascença Regina Lynch, directora de projectos da Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), organização dependente do Vaticano.

“Conhecemos uma família que demorou cinco horas a fazer uma viagem que normalmente demoraria uma hora e meia. Eram 24 pessoas numa carrinha que transporta oito no máximo. Isto mostra a forma desesperada como as pessoas tiveram que abandonar a região”, conta, por telefone.

Com Regina Lynch, estão no Iraque o presidente internacional da AIS, Johannes von Heereman, e a directora de comunicação, Maria Lozano. Querem conhecer de perto os cristãos perseguidos e as suas necessidades. Querem lembrar-lhes que não estão sós e dar-lhes voz.

A vida “do avesso”

“Há pessoas a viver em abrigos e que estão a ser registadas neste momento. Há muitos a viver com familiares em casas sobrelotadas. É difícil ter um número exacto, mas sabemos que há cerca de 70 mil refugiados à volta de Ankawa e 60 mil nas áreas a norte de Mossul. Mas a todo o momento há pessoas a chegar, famílias a bater à porta à procura de lugar para ficar”, conta Lynch.

A AIS já recolheu e enviou mais de 230 mil euros para a Igreja do Iraque. O apoio vai permitir suportar necessidades básicas de milhares de cristãos iraquianos refugiados.

São urgentes “alimentos, colchões, ventiladores, frigoríficos”. E alguém que os escute. “Os refugiados viram-se para a Igreja e esperam que a Igreja os ajude. Que os ajude a resolver os problemas. Outras vezes só esperam que alguém possa ouvi-los”.

Têm muito para contar. Num abrir e fechar os olhos, a vida que conheciam deixou de existir. Em 2003, só em Mossul, viviam 35 mil cristãos. Pela primeira vez em dois mil anos, não sobra um único.

“As pessoas que conhecemos estão muito traumatizadas porque aconteceu tudo muito rápido. Os cristãos em Mossul, por exemplo, achavam que o exército do Governo ia protegê-los. Foi um choque para eles. A vida deles está completamente virada do avesso”.

“Esta é a nossa casa, esta é a nossa história”

A delegação da AIS chegou na quarta-feira ao Iraque para uma viagem de cinco dias. Visitaram Ankawa, um subúrbio cristão da cidade de Erbil que acolhe muitos dos que fugiram de Qaraqosh. Passaram por Dohuk, onde, vindos de Mossul, cristãos em fuga procuraram refúgio. Reúnem-se com bispos, visitam abrigos, ouvem esperanças e vontades.

“Alguns dizem que querem sair, que querem emigrar. Outros contam que querem voltar para as suas aldeias, para as suas casas porque estão lá há gerações e gerações. Dizem: ‘esta é a nossa casa, esta é a nossa história’. Mas só podem voltar se houver alguma espécie de protecção internacional, uma garantia de que isto não vai acontecer outra vez”.

O Patriarca Caldeu do Iraque, D. Louis Sako, tem-se desdobrado em apelos. A ele, já se juntaram os bispos da Europa numa carta enviada esta semana ao Conselho de Segurança das Nações Unidas. Pedem decisões urgentes para “para pôr fim às atrocidades cometidas contra os cristãos e outras minorias religiosas no Iraque”.

Uma cruz tatuada

Por enquanto, resta confiar na generosidade dos que no terreno fazem de tudo para ajudar.
“Soubemos de uma vila cristã que não teria mais de 60 famílias e que agora tem mais 250 famílias cristãs refugiadas. Dá para imaginar o impacto que isto tem na comunidade. As pessoas são muito generosas. Fazem tudo para ajudar os refugiados”.

Pouco sabem do que vem a seguir. “É difícil para eles perceber como é que a situação se vai desenvolver. Alguns expressaram-nos o desejo, a esperança, de que uma equipa internacional de manutenção de paz entre no país e garanta a sua protecção. Outros esperam que os peshmerga, as tropas curdas, ganhem força para lutar contra o Estado Islâmico.”

Regina Lynch ficou “muito comovida com a fé” dos cristãos iraquianos.

“Hoje falámos com uma senhora de idade que tem uma cruz tatuada na mão e contamos-lhe como hoje em dia na Europa são poucas as pessoas que usam cruzes. Ela respondeu: ‘nós preferimos morrer a esconder a nossa cruz'”.

Fonte: http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=29&did=159063

3 COMENTÁRIOS

  1. Esta chegando o tempo, em que a prova cairá sobre os cristãos. Quem se acha de pé, cuidado para que não caía. Cristãos de meia tigela,como dizia mina vó, vai negar a Cristo; diante das perseguições que se avizinham. A Igreja será purificada, os mercenários que ocupam cargos de autoridade, a deixaram abandonada com seus filhos a fugirem de um lado para outro. Como um ladrão, os inimigos cairão sobre o berço do cristianismo, que dorme no sono da indiferença, como se Deus não existisse. Não obstante, o prenúncio já anunciando esta realidade. Tudo se cumpre diante de nossos olhos. Mas infelizmente, o pior cego é aquele que não quer ver. E quando quiserem fazer alguma coisa, será tarde demais. Só nos resta preparar para este momento, e ser fieis, abraçando a cruz que nos espera; confiantes que depois da tormenta vem a ressurreição. Debaixo da proteção de Nossa Senhora de Fátima, nos coloquemos aos pés de Jesus Nosso Senhor, aguardando um novo mundo que brotará das cinzas, para a glória de Deus Pai.
    Salve Maria!

  2. Ely, discordo de sua afirmação de que não se tem culpa pelo ódio engendrado por aqueles que são contra Nosso Senhor Jesus Cristo. O ódio manifestado pelos islamitas do ISIS e outros grupos orientados pelo Corão são o ódio ao próprio Jesus Cristo. Ele mesmo o disse:
    “Mas qualquer que fizer tropeçar um destes pequeninos que crêem em mim, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma pedra de moinho, e se submergisse na profundeza do mar.”

    Mateus 18:6

  3. A única coisa que posso fazer é rezar para que as autoridades do mundo inteiro façam com que a PAZ seja edificada no Iraque, faixa de Gaza, Israel, Palestinos porque a humanidade que residem naquele local não são culpados pelo ódio, ressentimento, mágoas que estão nos corações que provocam a eliminação de seu próprio povo. Triste é que depois de mais de 2000 anos o ódio permanece nesses corações que na verdade precisam de muito amor e que não tiveram dos seus.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome