O pesadelo dos “médicos cubanos” faz parte do nosso passado ou melhor dos governos tiranos do PT. Dilma e Lula deveriam ser incriminados por pactuarem com uma escravidão perpetrada por Cuba na exploração de seres humanos.

Sobre a higiene em Cuba comenta o Panampost, com muito acerto: “Como Cuba pode ter um poder médico quando seu povo não tem água e sabão?” A lavagem frequente das mãos é uma proteção crucial contra o coronavírus.

Mas 513.000 cubanos não têm acesso à água, segundo o presidente do Instituto Nacional de Recursos Hidráulicos. A lavagem frequente das mãos com água e sabão é o primeiro conselho que recebemos para uma proteção crucial contra o coronavírus. No entanto, os cubanos não têm o básico para sua sobrevivência.

Falta água em Havana

“Cerca de 21,3% de Havana não tem acesso contínuo à água, 468.721 pessoas em um total de 2,2 milhões de habitantes. 469.000 em todo o oeste de Cuba estão sem água. Dados do Instituto Nacional de Recursos Hidráulicos (INRH) afirmam que outras 23.000 pessoas na zona central do país não possuem esse líquido vital, nem 21.000 no leste, perfazendo um total de 513.000 no país.”

Dados oficiais do presidente do INRH

“Antonio Rodríguez, presidente do INRH, reconheceu a escassez de suprimentos na ilha na televisão cubana. No programa Mesa Redonda, ele explicou que 111 fontes de abastecimento de água são afetadas, 89 parcialmente e outras 22 totalmente. Ele também explicou que apenas uma das cinco bacias hidrográficas que fornecem água a Havana está funcionando.”

Na contramão governador do Maranhão (PCdoB) quer médicos cubanos

“Sou a favor do imediato retorno de todos os médicos, brasileiros ou não, que possam ajudar a população. Inclusive dos médicos cubanos, que nem deveriam ter sido excluídos. A preferência deve ser dos brasileiros, mas não podemos recusar ajuda de ninguém”, escreveu. (https://pcdob.org.br/noticias/flavio-dino-anuncia-medidas-do-governo-do-maranhao-contra-coronavirus/)

Acreditar que Cuba tem boa medicina … sem condições mínimas de higiene …

Continua Panampost: “Em outras palavras, apesar da propaganda do Partido Comunista que vendeu ao mundo que Cuba é uma potência médica, a ilha nem oferece condições sanitárias para seus habitantes, começando com o primeiro procedimento para evitar a disseminação do coronavírus: lavar as mãos . Não apenas falta água, mas o sabão (o segundo elemento mais importante para se proteger do COVID-19) é considerado um item de luxo e, portanto, escasso.

Isso foi revelado quando um grupo de chilenos não conseguiu deixar o país porque o regime fechou os aeroportos da ilha devido à pandemia. A atriz e ativista chilena Carolina Cox causou alvoroço internacional depois de se manifestar por meses contra o governo de Sebastián Piñera, que mais tarde pediu ajuda para deixar Cuba, onde foi impedida de usar cartões de crédito e não havia sabão nem remédio.


Em boa hora o governo Bolsonaro cancelou os contratos com os profissionais cubanos que eram sugados pelo regime castrista. Trabalho análogo ao escravo; não podiam trazer para o Brasil suas famílias; eram continuamente vigiados por fiscais cubanos.

E agora vem a confirmação: nem água, nem sabão, nem higiene.

Fonte: https://panampost.com/mamela-fiallo/2020/04/30/cuba-medical-power-soap-water/

 

Deixe uma resposta