Como a China (PCCh) introduz a TL na Bíblia

Sinicização é colocar a TL na Religião, adulterar a Bíblia em versão marxista

0

O que a Teologia da Libertação fez nas Américas, — tentativa de colocar o marxismo na Religião, ou reinterpretar a Biblia segundo os dogmas marxistas — é a meta do PCCh com relação ao cristianismo na China: sinicizar o Cristianismo segundo os princípios marxistas.

Sinicização, palavra talismã

A palavra-talismã já é conhecida de nosso público: “Cada palavra constituía um como que talismã a exercer sobre as pessoas um efeito psicológico próprio. E o conjunto dos efeitos dessa constelação de talismãs nos parecia de molde a operar nas almas uma transformação paulatina mas profunda”, explica o Prof. Plinio.

E qual o efeito nas pessoas do público? Debilitar nelas a resistência ao comunismo “inspirando-lhes um ânimo propenso à condescendência, à simpatia, à não-resistência e até ao entreguismo.”

Continua BitterWinter: “O 100º aniversário do Partido Comunista Chinês (PCC) deve ser a oportunidade de acelerar a “sinicização do cristianismo“, disseram os cristãos em uma conferência do Grupo Líder para a Promoção da Sinicização do Cristianismo, realizada em 13 de julho em Xangai e organizada pelo Movimento Patriótico das Três Autônomas, isto é, a Igreja Protestante controlada pelo governo, e o Conselho Cristão da China, que supervisiona a educação nas Igrejas das Três Autônomas.”

Recordamos que a primeira e maior adversária do comunismo é a Santa Igreja. Infelizmente, em decorrência da Ostpolitik Vaticana a Igreja, na prática, deixou de ser a vanguarda anticomunista. O Acordo Vaticano-Pequim se infere dentro da Ostpolitik de Paulo VI.

A sinicização quer a Bíblia marxista

O pastor Wu Wei explicou que a “sinicização” está avançando, mas ainda não foi concluída, e que o PCCh espera que os cristãos acelerem o processo e “se livrem completamente da religião estrangeira”.

O que isto significa? O cristianismo é frequentemente chamado de “religião estrangeira” pela propaganda pró-ateísmo do PCCh, e pode parecer que os cristãos são solicitados a se livrar do cristianismo.

O pastor Wu e os outros oradores não foram tão longe, mas notaram que a Bíblia e os hinários não foram “sinicizados” o suficiente.

É importante notar que “sinicização” no jargão do PCC não significa apresentar o Evangelho em um estilo adaptado ao chinês. Isso tem sido feito por missionários há séculos, embora não por todos eles e nem sempre com sucesso. Significa apresentar o cristianismo em termos comunistas, persuadir os cristãos de que a Bíblia confirma as teorias do PCCh.

Algo que também foi continuamente mencionado na conferência de Xangai são os “Valores Socialistas Fundamentais”. “Sinicizar” a Bíblia, disseram aos pastores, significa que nem todas as partes da Bíblia devem ser apresentadas aos devotos chineses, apenas aquelas em harmonia com os “Valores Socialistas Fundamentais”.

Modificar ou reinterpretar a Bíblia nos dogmas marxistas

As histórias bíblicas, disse o pastor Wu, deveriam “promover a identificação consciente dos cristãos com a liderança do PCCh e com o caminho socialista”. É claro que é difícil encontrar referências bíblicas sobre a liderança do PCCh, mas a interpretação sempre pode ajudar. Lembrando que um livro do PCCh “interpretou” a história da mulher apanhada em adultério em João 8: 3-11 alegando que Jesus realmente matou a mulher para mostrar que as leis sempre deveriam ser respeitadas, podemos esperar mais “interpretações” que falsificariam e inverter o significado da Bíblia e criar um “Evangelho de acordo com Xi Jinping”.

Os hinos também devem ser “sinicizados”, eliminando todos aqueles cujas palavras ou música têm origem não chinesa – o que significa que todos os hinos tradicionais vão desaparecer – e substituindo-os por canções “promovendo a cultura socialista“.

***

Esse é o plano marxista. O que deveriam fazer a Igreja e os católicos? O Acordo Vaticano-Pequim foi tantas vezes objeto de censuras e críticas por parte do Cardeal Zen que nem sequer sabe as cláusulas estabelecidas. Até lá chegou o espírito de ceder do Vaticano, com prejuízo, é claro, dos católicos chineses perplexos diante de tanta acomodação.

Fonte: “Sinicization of Christianity” After the 100th Anniversary (bitterwinter.org)

Deixe uma resposta