China (PCCh): a “Guerra dos Cem Anos” contra a Fé

0

Padres e freiras foram forçados a se ajoelhar em frente a uma grande fogueira, assistindo impotentes enquanto as chamas devoravam seus instrumentos sagrados e queimavam suas peles.

Veremos que a chamada “sinicização“, levada a cabo por Xi Jinping, é outra manobra para socializar a Fé e colocá-la a serviço do comunismo.

Perseguição à Fé Católica

Em outra cidade chinesa, estudantes usando braçadeiras vermelhas bateram em católicos com varas de madeira afiadas, jogando um padre em uma fogueira depois que ele desmaiou de dor. Eles espancaram uma freira até a morte depois que ela se recusou a pisar em uma estátua da Virgem Maria.

Um padre católico foi enterrado vivo em Pequim depois de se recusar a desistir de sua fé.

Por mais perturbadores que possam ser, esses atos de brutalidade documentados pelo missionário Sergio Ticozzi em Hong Kong dificilmente estavam fora do normal para os chineses fiéis durante o frenesi da Revolução Cultural de uma década de 1966, quando todas as formas de práticas religiosas foram declaradas “supersticiosas” e banidas.

Nem foi tal repressão exclusiva para aquele período específico durante os mais de 70 anos de governo do regime na China.

Comunismo: seita filosófica

A crença em um poder superior é um anátema para o ateísta Partido Comunista Chinês (PCC), que por 100 anos procurou comandar lealdade absoluta e controle sobre seus membros e o povo chinês.

Define o Prof. Plinio:

– uma seita filosófica ateia, materialista e hegeliana, a qual deduz dos seus
errôneos princípios toda uma concepção peculiar do homem, da economia, da
sociedade, da política, da cultura e da civilização.”

“Eles simplesmente não conseguem lidar com uma aliança que não seja o estado”, disse Sam Brownback, ex-embaixador-geral dos EUA para a liberdade religiosa internacional, ao Epoch Times.

Como resultado, sucessivos líderes do Partido lançaram campanha após campanha para esmagar e controlar as pessoas de fé na China.

Para Mao, Religião é “veneno”

Mao Zedong, o primeiro líder do PCCh, que supervisionou uma das campanhas mais completas para desmantelar a vida religiosa chinesa, comparou religião a “veneno”.

O ex-líder chinês Jiang Zemin em 1993 declarou a liberdade religiosa “inadequada para membros do Partido” e disse aos membros do Partido para “educar pacientemente” aqueles com fé para ajudá-los a “se livrar das algemas religiosas”.

Budismo, taoísmo, islamismo, catolicismo e cristianismo – as cinco religiões que o regime sancionou oficialmente – permanecem sob rígido controle do Estado, com oficiais do Partido definindo os termos de como operam.

Não se compreende o Acordo Vaticano-China

Nosso Site abordou, amplamente, a perseguição religiosa promovida pelo PCCh desde Chu En-Lai até Xi Jinping. Não se compreende, nesse contexto de décadas de crueldades anticatólicas, que o Vaticano firme um acordo secreto com Pequim do qual nem o Cardeal Zen (Hong Kong) pode conhecer as cláusulas.

Bispo católico torturado por Chu En-Lai

As autoridades chinesas para assuntos religiosos enfatizaram a necessidade de “guiar a religião com valores socialistas” e que os devotos tenham “gratidão para com o Partido”.

Segundo as regras do Partido, os membros também enfrentam possível expulsão por acreditar na religião ou se envolver em “atividades supersticiosas”.

Os “quinta-colunas”, nas religiões, são pró PCCh

“Quinta coluna” foi uma expressão muito usada durante a Segunda Grande Guerra. São aqueles que corroem por dentro as Instituições que deveriam fazer frente ao comunismo. Os “quinta coluna” dentro das religiões fazem acordos e elogiam o PCCh.

Marcando o centenário do Partido, os chefes de seis associações religiosas estaduais se reuniram em junho e exaltaram a liderança do PCCh. Expressando a determinação de “sempre seguir o Partido”, eles se comprometeram a iniciar uma campanha educacional para aprofundar o “amor pelo Partido” entre seus círculos religiosos.

Pelo contrário, o “pastor Bob Fu, fundador do grupo cristão de direitos humanos China Aid, descreveu o PCC como o “maior partido ateísta extremo do mundo”.”

“[O] PCCh cometeu a pior perseguição religiosa e crimes contra a humanidade”, disse Fu ao Epoch Times.

Nas palavras de Brownback, o PCCh está “em guerra com a fé” – sejam cristãos, budistas tibetanos, uigures e outras minorias muçulmanas em Xinjiang, ou a disciplina de meditação Falun Gong.

Guerra dos 100 anos contra a Fé

Continua a notícia: “A polícia monitora rotineiramente a correspondência privada, faz buscas em casas e examina registros telefônicos em busca de conteúdo proibido, como “música reacionária” da Índia, de acordo com o último relatório do Departamento de Estado dos EUA. As autoridades provinciais também proibiram os alunos de participarem de atividades religiosas durante as férias escolares. O relatório citou 273 tibetanos sendo “detidos em violação aos padrões internacionais de direitos humanos no final de 2019”.”

A repressão do PCCh às igrejas católicas e protestantes também se intensificou sob a supervisão do atual líder Xi Jinping.

As autoridades chinesas removeram milhares de cruzes de igrejas, prenderam pastores, ordenaram a remoção de imagens cristãs e perseguiram agressivamente uma política de “sinicização” ao estabelecer “igrejas patrióticas”, nas quais as imagens de Jesus Cristo e da Virgem Maria são substituídas por retratos de Xi ou Mao.

O regime chinês também está reinterpretando e retraduzindo a Bíblia para promover o “cristianismo ao estilo chinês”, com um livro de ética chinês distorcendo uma história da Bíblia para que Jesus apedrejasse uma mulher até a morte enquanto se dizia pecador.

Em 2017, pelo menos quatro cidades e uma província restringiram as celebrações de Natal, proibindo exibições de decorações de Natal, apresentações temáticas e atividades promocionais. Oficiais comunistas em uma universidade baniram atividades relacionadas aos feriados religiosos ocidentais em nome de ajudar a geração mais jovem a “construir confiança cultural”. Um cristão em janeiro recebeu uma multa pesada de 160.000 yuans (US $ 24.733) por comemorar o feriado.

As igrejas subterrâneas proliferaram como resultado da opressão do regime. Em resposta, as autoridades chinesas detiveram membros da igreja e entregaram longas sentenças de prisão aos pastores.

A Igreja Católica e o Acordo Vaticano-Pequim

Cardeal Zen, 2020, se levanta contra o Acordo Provisório Vaticano-Pequim

Igreja destruída sob ordens de Xi Jinping

“WASHINGTON D.C. 9 de janeiro de 2020 (LifeSiteNews) – A perseguição religiosa na China aumentou rapidamente no ano passado, de acordo com um novo relatório do governo dos EUA. A “intensidade” da perseguição, que, afirma o relatório, não foi visto “desde a Revolução Cultural,” estava ligada ao Vaticano que assinou um acordo secreto com o governo comunista chinês para dar ao governo o poder sobre a Igreja Católica do país.

“Os observadores descreveram a perseguição religiosa na China no último ano como de uma intensidade não vista desde a Revolução Cultural”, afirmou o relatório anual da Comissão Executiva do Congresso dos EUA sobre a China (CECC). https://ipco.org.br/perseguicao-religiosa-na-china-de-chu-en-lai-a-xi-jinping-cardeais-denunciam-o-acordo-vaticano-pequim/

* * *

Em livro elogiado pela Sagrada Congregação dos Seminários e Universidades, sustenta o Prof. Plinio, a tese de que a Igreja não pode aceitar um Acordo com o Regime Comunista que lhe negue o direito de criticar o regime, o direito de pregar sobre os Dez Mandamentos, o direito de propriedade, a família. Baixe o PDF gratuito aqui: https://www.pliniocorreadeoliveira.info/ALIEC_1974_bucko.htm

Onde estão a Comissão de Direitos Humanos da ONU (lembramos, a China está no Conselho de Segurança), a Liberdade Religiosa, O Vaticano que se levanta, com tanta frequência, infelizmente, na defesa de lgbt, recebe Lula e Morales e semelhantes … e se recusa a responder as Dubia dos 4 cardeais e as Dubia do Cardeal Zen especificamente sobre a liberdade da Igreja na China.

Nossa Senhora de Fátima, que prometeu a conversão da Rússia e o triunfo do Imaculado Coração de Maria, liberte os católicos opressos pelo regime comunista chinês e outros similares que perseguem a Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Fonte: Replacing God: The CCP’s Century-Long War Against Faith (theepochtimes.com)

Deixe uma resposta