Luiz Sérgio Solimeo

Em outubro, o Papa Francisco assistiu à adoração da deusa pagã “Pachamama” (1)  nos jardins do Vaticano, onde abençoou o ídolo.(2) . Dias depois, o ídolo foi introduzido na Basílica de São Pedro (3). Depois de cinco cópias da estatueta foram jogadas na Tibre,(4) ele pediu perdão pela suposta ofensa. Agora, na missa que ele celebrou em São Pedro para a festa de Nossa Senhora de Guadalupe, em 12 de dezembro, o Papa Francisco criticou a devoção tradicional a Maria.

Novos dogmas marianos são considerados tolos

Falando de Maria Santíssima, o Papa Francisco criticou os títulos que o Magistério da Igreja e a devoção dos fiéis concederam com amor à Mãe de Deus, dizendo que eles não refletem a essência do papel de Nossa Senhora, que ele minimizou para “mãe”  e “ discípula ”. Em resumo,“ Maria, mãe, sem nenhum outro título essencial ” (5).

O Papa Francisco foi tão longe em suas críticas à mariologia tradicional, que descreveu os pedidos dos cardeais, bispos, padres e fiéis para definir novos dogmas marianos como “tonteras” (tonteiras, tolices). A partir do contexto, percebe-se que o Papa Francisco teve a co-redenção de Maria na mira.

Ele está ofendendo 55 cardeais e 518 bispos que solicitaram à Santa Sé uma definição solene de Maria como co-redentora, entre eles membros da Cúria como os Cardeais Pedro Palazzini, Alphonse  Stickler e M. Luigi Ciappi (6).

Para o Papa Francisco, honrar Maria com esse título seria “roubar” algo que pertence ao seu Filho. Mas este é um mal-entendido protestante.

Abaixo, fornecemos nossa tradução em português das declarações chocantes do papa. Suas palavras em espanhol são dadas nas notas de rodapé. Em seguida, apresentamos textos pontifícios e de teólogos sobre Maria Santíssima – especialmente sobre sua co-redenção – que contradizem totalmente as afirmações do Papa.

Palavras inacreditáveis dos lábios papais

(a) Essência de Maria: mulher, mãe, discípula, sem outro título essencial

“Ao longo dos tempos, a piedade cristã sempre procurou louvar [Maria] com novos títulos: eram títulos filiais, títulos de amor do povo de Deus, mas não tocaram em nada o ela ser discípula” (7)

“Maria mulher, Maria mãe, sem outro título essencial. Os outros títulos – pensem na Ladainha de Loreto – são títulos de filhos amorosos que cantam para sua mãe, mas não tocam a essência do ser de Maria: mulher e mãe” (8).

(b) Ela nunca roubou nada do filho

“Fiel ao seu Mestre, que é seu Filho, o único Redentor, ela nunca quis tirar nada do seu Filho. Ela nunca se apresentou como Co-Redemptrix. Não, discípula (9).

“Ela nunca roubou nada de seu Filho, mas O serviu porque ela é mãe” (10)

O “pecado da elite” do Papa Francisco e a nova mariologia igualitária

(c) Maria fez de Deus “um mestiço”

“Ela se tornou uma ‘mestiça’ com a humanidade para ser a mãe de todos … Mãe Maria fez de Deus um ‘mestiço’, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, seu filho. [Ela] fez de Deus um mestiço ” (11).

(d) Pedir novos dogmas marianos é tolice

“Quando eles vêm com histórias de que devemos declará-la assim ou fazer outro dogma, não vamos mergulhar na loucura” (12).

O que a Igreja realmente ensina

Ao contrário do que o Papa Francisco afirma – que a essência de Maria consiste apenas em ser “mulher e mãe”, uma “mulher-discípula” – a Igreja a declarou Mãe de Deus, Theotokos, no Concílio de Éfeso em 431 dC; sua Virgindade Perpétua , no Concílio de Lateran, 649, sua Imaculada Conceição, pelo Papa Pio IX, em 1854, e sua Assunção no Céu, pelo Papa Pio XII, em 1950.
Ao proclamar esse último dogma, o Papa afirmou que “a Imaculada Mãe de Deus, a sempre Virgem Maria, tendo completado o curso de sua vida terrena, foi assumida de corpo e alma na glória celestial” (13).
De fato, se Maria Santíssima é apenas “mulher e mãe”, uma “discípula”, o que a distinguiria de qualquer outra boa mãe cristã? Mas se Ela é apenas uma mãe comum, uma mera discípula de Jesus, então seu Filho não seria também apenas um filho comum? O abandono do conceito de Maternidade Divina não insinua o abandono do conceito da Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, bem como, e consequentemente, do conceito da Encarnação Redentora?

Deus associou Maria à Redenção desde o começo

Na Constituição Apostólica Ineffabilis Deus (1854), na qual proclama o dogma da Imaculada Conceição, o Papa Pio IX afirma que, quando Deus decretou a Encarnação, Ele também escolheu a Mãe do Redentor.

“Deus inefável… tendo previsto desde toda a eternidade as lamentáveis misérias de toda a raça humana que resultariam do pecado de Adão, decretaram… a Encarnação do Verbo… [e] escolheram e prepararam para seu Filho unigênito, uma Mãe em quem o Filho de Deus se encarnaria e de quem, na bendita plenitude dos tempos, nasceria neste mundo ” (14).

Assim, foi Deus quem ligou a redenção da raça humana à maternidade divina. Eles não podem ser separados. Maria, a Mãe do Redentor, juntou-se à obra da Redenção. É por isso que o Papa Leão XIII ensina que Deus começou “através da redenção da raça humana … através dela” (15).

O momento sublime da Anunciação do Arcanjo a Nossa Senhora

Afirma Pio IX, a Santíssima Mãe estava cheia de tais graças que superou em santidade e perfeição todas as criaturas, estando sob Deus somente:

“Acima de todas as criaturas Deus a amou tanto que verdadeiramente nela estava o Pai, satisfeito com um deleite singular. Portanto, muito acima de todos os anjos e todos os santos, tão maravilhosamente Deus lhe concedeu a abundância de todos os dons celestiais derramados do tesouro de sua divindade que esta mãe, sempre absolutamente livre de toda mancha de pecado, justa e perfeita, possuía aquela plenitude de santa inocência e santidade do que, sob Deus, não se pode sequer imaginar algo maior, e que, fora de Deus, nenhuma mente consiga compreender plenamente” (16).

A co-redenção de Maria está subordinada à do redentor

O título Co-Redemptrix afirma uma igualdade entre a Mãe Santíssima e o papel de Jesus na Redenção? Não, afirma Mons. Arthur Burton Calkins: “Na língua latina da qual o termo Coredemptrix vem … o significado é sempre que a cooperação ou colaboração de Maria na redenção é secundária, subordinada e depende da de Cristo” (17).

A verdadeira doutrina católica sobre a co-redenção

Embora ainda não proclamada como dogma, a co-redenção de Maria é a doutrina católica (18), como o grande mariologista Pe. José A. de Aldama, S.J., declarou mais de meio século atrás em seu tratado Sobre a Mãe do Redentor:

Tese 9. A bem-aventurada Virgem Maria foi associada a Cristo Redentor na realização da obra da Redenção e, portanto, é corretamente chamada de Co-Redemptrix.…” (19)

Valor dogmático. A tese é verdadeira doutrina católica, tendo sido constantemente proposta por um século inteiro por todos os Sumos Pontífices de toda a Igreja (20).

O  Pe. Sisto Cartechini, S.J., explica o significado da Doutrina Católica como uma nota teológica:

“Uma proposição que é ensinada em toda a Igreja Católica pelo Magistério e em todas as escolas católicas, é chamada doutrina católica”.  (Sisto Cartechini, S.J., Dall’Opinione al Domma Valore Delle Note Teologiche (Roma: Edizioni La Civilità Cattolica, 1953), ( 39).

Embora apenas alguns papas tenham usado o termo Co-Redemptrix, essa idéia está claramente presente em seus ensinamentos, como mostra esse perspicaz teólogo mariano.

Co-Redemptrix, um termo usado por vários papas

Alguns papas, no entanto, não apenas expressaram a idéia, mas usaram a própria palavra Co-Redemptrix. Aqui estão alguns exemplos:

  • Bento XV (1914-1922):

“Ela também sofreu com o Filho sofredor e moribundo, e quase morreu; abdicou de seus direitos maternos sobre seu Filho para a salvação dos homens, e aplacou a justiça de Deus, na medida em que lhe convinha, sacrificou seu Filho, para que se possa dizer adequadamente que ela com Cristo redimiu a raça humana” (21).

  • Pio XI (1922-1939):

“Oh! Mãe de amor e misericórdia, que estáveis próxima do seu doce Filho ao consumar a redenção da humanidade no altar da cruz, sofrendo com Ele como Co-Redentora” (22).

“Pela natureza de Sua obra, o Redentor deveria ter associado Sua Mãe à Sua obra. Por esse motivo, nós a chamamos sob o título de Co-Redemptrix” (23).

3) João Paulo II (1978-2005):

“Maria, embora concebida e nascida sem a mancha do pecado, participou de maneira maravilhosa dos sofrimentos de seu divino Filho por ser co-redentora da humanidade” (24).

Rainha do céu

Em mensagem de rádio para os peregrinos de Fátima em 13 de maio de 1946, o Papa Pio XII resumiu com belas palavras o tributo devido à Rainha do Céu:

“Ao entrar triunfante na pátria celestial, a gloriosa Virgem foi elevada através das hierarquias abençoadas e coros angelicais ao trono da Santíssima Trindade, que, cingindo sua fronte com um diadema triplo de glória, apresentou-a à corte celestial sentada à direita da o rei imortal dos tempos e coroado como rainha do universo”.

“E a Corte Celeste viu que Ela realmente era digna de receber a honra e o império, porque era incomparavelmente mais cheia de graça, mais santa, mais bela, mais deificada que os maiores santos e os mais sublimes anjos, separados ou juntos; porque Ela está misteriosamente relacionada com toda a Santíssima Trindade, na ordem da união hipostática com Ele, que por si só é, por essência, a infinita Majestade, Rei dos reis e Senhor dos senhores, como Filha primogênita do Pai, Mãe amorosa do Verbo, e a amada esposa do Espírito Santo. Porque Ela é a mãe do rei divino a quem o Senhor Deus deu o trono de Davi e a realeza eterna na casa de Jacó, no seio de sua mãe (Lucas 1, 32-33) e que proclamou de si mesmo que isso lhe foi dado todo poder no céu e na terra. (Mat. 28, 18) Ele, Deus Filho, reflete sobre Sua Mãe celestial a glória, majestade e império de sua Realeza, porque Ela está para sempre associada ao rei dos mártires no trabalho inefável da redenção humana como mãe e ministra com um poder quase imenso de distribuir as graças derivadas da redenção (cf. Leão XIII, Enc. Adiutricem, 5 de setembro de 1895: Acta, vol. XV, pag. 303) 25
O Papa Pio XII fez referência a essas belas palavras em 1954, ao proclamar a Realeza de Maria Santíssima (26).

O Papa Francisco se desculpará?

O papa pediu desculpas aos idólatras de Pachamama quando réplicas do ídolo pagão foram jogadas no Tibre. Ele também vai pedir desculpas aos devotos de Maria e, especialmente, à Mãe de Deus por suas palavras sem sentido na festa de Nossa Senhora de Guadalupe?

Notas:

  1. “Algumas características da religião panteísta pré-colombiana sobreviveram nas comunidades indígenas do Altiplano, especialmente o culto a Pachamama, a deusa da Terra.” Peter J. McFarren e Charles W. Arnade, Encyclopædia Britannica, s.v. “Bolivia”, Encyclopædia Britannica, Inc., https://www.britannica.com/place/Bolivia, 14 de novembro de 2019, acessado em 19 de dezembro de 2019.
  2. “Vídeo mostra a estátua controversa de ‘Pachamama’ do Papa Francisco”, LifeSiteNews no YouTube, 24 de outubro de 2019, https://www.youtube.com/watch?v=2Wjdkrfj5OI, acessado em 13 de dezembro de 2019.
  3. Jeanne Smits, “Cardeal Burke: ‘forças diabólicas’ entraram na Basílica de São Pedro através da idolatria de Pachamama”, LifeSiteNews, 10 de dezembro de 2019, https://www.lifesitenews.com/news/cardinal-burke-diabolical-forces -entrada-são-pedro-basílica-através-pachamama-idolatria
  4. “Quero dizer uma palavra sobre as estátuas de pachamama que foram tiradas da igreja da Traspontina – que estavam lá sem intenções idólatras – e foram jogadas no Tibre. Antes de tudo, isso aconteceu em Roma e, como bispo da diocese, peço perdão às pessoas que foram ofendidas por esse ato”. (“O Papa Francisco anuncia a recuperação de estátuas indígenas ”, Vatican News, 25 de outubro de 2019, https://www.vaticannews.va/en/pope/news/2019-10/pope-francis-comments-on-statues-stolen-from-church.html).
  5. “La piedad cristiana a lo largo de los tiempos siempre buscó alabarla con nuevos títulos: eran títulos filiales, títulos del amor del pueblo de Dios, pero que no tocaban en nada ese ser mujer-discípula.”
  6. Ver “Ecce Mater Tua” A Journal of Mariology, Vol. 1, Jan. 1, 2018, 9–23.
  7. “La piedad cristiana a lo largo de los tiempos siempre buscó alabarla con nuevos títulos: eran títulos filiales, títulos del amor del pueblo de Dios, pero que no tocaban en nada ese ser mujer-discípula.”
  8. María mujer, María madre, sin otro título esencial. Los otros títulos—pensemos en las letanías lauretanas—son títulos de hijos enamorados que le cantan a la Madre, pero no tocan la esencialidad del ser de María: mujer y madre.”

9 . “Fiel a su Maestro, que es su Hijo, el único Redentor, jamás quiso para sí tomar algo de su Hijo. Jamás se presentó como co-redentora. No, discípula.” (Ênfase nossa).

  1. “Nunca robó para sí nada de su Hijo, lo sirvió porque es madre.”
  2. “Se mestizó para ser Madre de todos, se mestizó con la humanidad.… María Madre mestiza a Dios, verdadero Dios y verdadero hombre, en su Hijo. …[Ella] mestizó a Dios.”
  3. “Cuando nos vengan con historias de que había que declararla esto, o hacer este otro dogma o esto, no nos perdamos en tonteras.”
  4. Pio XII, Constituição Apóstolica Munificentissimus Deus,definindo o dogma da Assunção em 1º. de Novembro de 1950. ( http://www.vatican.va/content/pius-xii/en/apost_constitutions/documents/hf_p-xii_apc_19501101_munificentissimus-deus.html, accessado em 20 de dezembro de 2019).
  5. Pio IX, Constituição Apostólica Ineffabilis Deus(sobre a Imaculada Conceição, 8 de dezembro de 1854, (https://www.papalencyclicals.net/pius09/p9ineff.htm).
  6. Leão XIII, Encíclica Magnae Dei Matris(sobre o Rosário), no. 10 , 8 Set. 1892 ( http://w2.vatican.va/content/leo-xiii/en/encyclicals/documents/hf_l-xiii_enc_08091892_magnae-dei-matris.html).
  7. Pio IX, Ineffabilis Deus.
  8. Arthur Burton Calkins, “Mary as Coredemptrix, Mediatrix and Advocate in the Contemporary Roman Liturgy”, em Mark Miravalle, ed. Maria: Coredemptrix, Mediatrix, Advogada – Fundamentos Teológicos: Rumo a uma Definição Papal? (Santa Barbara, Califórnia: Queenship Publishing, 1995), 49; “O Mistério de Maria Coredemptrix no Magistério Papal”, https://www.piercedhearts.org/hearts_jesus_mary/heart_mary/mystery_coredemptrix_papal_magisterium.htm.
  9. O Pe. Sisto Cartechini explica: “Uma proposição que é ensinada em toda a Igreja Católica, pelo Magistério e em todas as escolas católicas, é chamada doutrina católica.” Sisto Cartechini, SJ, Dall’Opinione al Domma Valore Delle Note Teologiche (Roma: Edizioni La Civilità Cattolica, 1953), p. 39.
  10. José Antonio de Aldama, S.J., “Tratado de Mariología o de la Madre del Redentor,” in Suma de la Sagrada Teología Escolástica, Vol. III, Tr. II, no. 153, https://www.mercaba.org/TEOLOGIA/STE/Vol%20III/Tratado%202/cap_4.htm#Articulo%20%20III, accessed Dec. 5, 2019.
  11. Aldama, “Tratado de Mariología,” no. 158.
  12. Bento XV, Carta Apostólica Inter sodalicia, 22 Mar. 1918, Denzinger-Rhaner (English translation), no. 1978a, note 2. (Ênfase nossa).
  13. L’Osservatore Romano, Apr. 29-30, 1935, 1, in J. B. Carol, O.F.M et alii., Mariologia(Madrid: BAC, 1964), 766. (Our emphasis.)
  14. Pio XI, “Saudações aos peregrinos reunidos em Roma para o Jubileu da Redenção” 30 Nov.1933, in Domenico Bertetto, S.D.B., ed., Discorsi di Pio XI, 2:1013, in Calkins, “Mary as Coredemptrix.” (Ênfase nossa).
  15. João Paulo II, “Audiência Geral de Quarta Feira, 8 de Setembro de 1982,” vahttp://www.vatican.va/content/john-paul-ii/it/audiences/1982/documents/hf_jp-ii_aud_19820908.html. (Ênfase nossa).
  16. Pio XII, “Anúncio Radiofônico do Papa Pio XII aos Fiéis Portugueses Por Ocasião da Solene Celebração da Coroação de Nossa Senhora de Fatima,” 13 de maio de 1946, https://w2.vatican.va/content/pius-xii/pt/speeches/1946/documents/hf_p-xii_spe_19460513_fatima.html.
  17. Pio XII, Encíclica Ad Caeli Reginam(na Proclamação da Realeza de Maria), 11 Out 1954, http://w2.vatican.va/content/pius-xii/en/encyclicals/documents/hf_p-xii_enc_11101954_ad-caeli-reginam.html

Fonte: https://www.tfp.org/having-worshipped-pachamama-pope-francis-now-disparages-marys-co-redeeming-role/

2 COMENTÁRIOS

  1. […] “Em outubro, o Papa Francisco assistiu à adoração da deusa pagã “Pachamama” (1)  nos jardins do Vaticano, onde abençoou o ídolo.(2) . Dias depois, o ídolo foi introduzido na Basílica de São Pedro (3). Depois de cinco cópias da estatueta foram jogadas na Tibre,(4) ele pediu perdão pela suposta ofensa. Agora, na missa que ele celebrou em São Pedro para a festa de Nossa Senhora de Guadalupe, em 12 de dezembro, o Papa Francisco criticou a devoção tradicional a Maria”. https://ipco.org.br/depois-de-adorar-pachamama-o-papa-francisco-agora-desrespeita-o-papel-co-redento… […]

Deixe uma resposta