Direitos Humanos e SOS cubano

    Foto: Ricardo Stuckert/PR/Divulgação
    Lula e Fidel: que sorrisos são esses? Foto: Ricardo Stuckert/PR/Divulgação

    Cuba é desditada para os que nela vivem em condições subumanas, bem como para os que com eles solidários choram. E festejada pelos admiradores de seus verdugos mundo afora.

    Um destes é o presidente Lula. Ele recentemente lá esteve, para prestigiar os sanguinários ditadores cubanos e prometer-lhes vultosas obras para o soerguimento de uma estrutura arrasada pelo bloqueio que a ideologia socialista produziu nas mentes e na vontade de seus súditos, tolhendo-lhes a iniciativa e habituando-os a sobreviver na indigência.

    Embora presidente do “País de todos”, Lula evitou cuidadosamente o contato com os perseguidos políticos, apesar dos reiterados pedidos destes de um encontro. Encontro que concorreria para disfarçar um pouco a indelével nódoa causada pela expulsão sumária dos dois atletas cubanos por ocasião dos Jogos Pan-americanos no Rio.

    Mas como a mensagem que deveria desprender-se da viagem de Lula era de alinhamento ao regime comunista de Cuba, ele não hesitou: sorridente foi apertar as mãos de Fidel e Raúl Castro, no mesmo dia em que as sombras da morte envolviam o torturado e famélico dissidente Orlando Zapata Tamayo.

    Agora outra mensagem dirigida a Lula circula o mundo, embora ainda não tenha chegado aos ouvidos seletivos do Presidente, que nada sabe sobre o que não lhe convém e tudo julga saber sobre o que lhe interessa. Trata-se de um apelo da jornalista e blogueira cubana Yoani Sánchez.

    Não se pense que ela esteja exigindo de Lula, com a veemência requerida pelas circunstâncias, uma atitude contra a ausência de liberdade na Ilha semelhante à que ele fez injustamente em relação a Honduras e, também injustamente, deixou de fazer no tocante ao Irã, que só no ano passado mandou enforcar 388 pessoas!

    Não. Ela lhe pede tão-só utilizar-se de seu prestígio junto aos carcereiros-mores de Cuba (carcereiros, sim, já que Lula comparou os opositores cubanos a bandidos comuns!), para que estes lhe permitam ausentar-se da “Penitenciária”. Isso porque ela é convidada especial na estréia de um documentário brasileiro sobre a liberdade de expressão em Cuba, a realizar-se no dia 1° de junho em Jequié, no interior da Bahia.

    Agirá Lula para que a Yoani Sánchez seja concedida pelo menos uma ínfima parcela dos privilégios largamente outorgados pelo seu governo a dois evidentes transgressores dos Direitos Humanos – ao embaixador das FARCs no Brasil, ex-padre Oliverio Medina, e ao anarquista e assassino italiano Cesare Battisti?