Dom Pedro II e a unidade nacional

    Ceará sem índios

    Não existem índios no Ceará. Há certidão no Arquivo Público de Vitória, no Espírito Santo. O Imperador Pedro II mandou em 1860 que o presidente da província do Ceará incorporasse todas as terras que haviam sido doadas aos índios, uma vez que eles “não mais viviam aldeados e sim confundidos com a massa da civilização civilizada”.

    Coluna de Ari Cunha no Correio Braziliense, 6 de agosto de 2010.
    Já tentaram em 1999 tomar essas terras como sem-terra

    O advogado do grupo Nova Atlântida, Djaura Dutra, é incisivo: ‘Não existem índios no Ceará’.

    Segundo Dutra, o que estaria ocorrendo no Ceará seria uma ‘rememoração da cultura indígena. Mas a Constituição não protege nada disso para efeito de demarcar área indígena alguma’. O advogado sustenta que as comunidades de Buritis e de São José não são indígenas.

    A partir da decisão tomada pela Justiça na semana passada, ele afirma que a Nova Atlântida vai cuidar do novo licenciamento da obra, porque houve algumas mudanças na lei ambiental. ‘Acredito que não haja possibilidade de o quadro ser revertido no Tribunal da 5ª Região nem no Superior Tribunal de Justiça (STJ)’, comentou.

    O ex-secretário de Turismo de Itapipoca Paulo Maciel afirma que as comunidades Buritis e São José ‘já tentaram, em 1999, tomar essas terras dos espanhóis, mas como integrantes dos sem-terra’. ‘Não deu certo. Dois ou três anos depois, se identificaram como sendo da etnia tremembé. Dizem que o pessoal do Buritis está fazendo um intensivão para aprender a dança da chuva’, ironiza Maciel. (L.V.) – Diário de Pernambuco, 07/08/2010.

    Enquanto Dom Pedro II trabalhava pela integração e unidade do Brasil, os comuno-missionários do CIMI e a FUNAI pregam a segregação dos índios em “jardins zoológicos humanos”!