E a cruel perseguição aos católicos na Nigéria?

0

Dez anos de perseguição religiosa na Nigéria, país com 80 milhões de cristãos. Os católicos são a maioria da população cristã.

Escreve BitterWinter: “Após 100.000 assassinatos, um apelo urgente pela liberdade religiosa na Nigéria”.
“Não faltam declarações de que os direitos inalienáveis ​​e fundamentais à liberdade de consciência e religião, consagrados nas constituições, convênios, estatutos internacionais e na Carta das Nações Unidas de 1948, estão seriamente minados e ameaçados no país mais populoso da África, a Nigéria.”

A Nigéria não está em guerra; trata-se de perseguição religiosa

“Os casos crescentes de perseguição por motivos religiosos, especialmente de cristãos, aumentam diariamente. As estatísticas indicam revelações chocantes, mas sérias – com mais de 100.000 pessoas mortas em dez anos devido a assassinatos por motivos religiosos, os maiores em qualquer país do mundo neste momento.

“A Nigéria não está em guerra com outro país e nunca esteve. No entanto, as partes do norte do país, com a organização terrorista Boko Haram, os pastores Fulani, agora chamados de “bandidos” e alguns fanáticos religiosos muçulmanos, seguiram os caminhos dos políticos que no ano 2000 tentaram minar a democracia na Nigéria por força, e ao contrário da constituição federal, forçando a lei Sharia em 12 estados do país.

“O presidente, Mohammed Buhari, é um fundamentalista islâmico confesso, que usou sua presidência para institucionalizar a hegemonia política muçulmana e do Norte sobre o resto do país, por meio de nomeações políticas para todos os postos militares e unidades de segurança, o serviço civil, cargos políticos, a economia e até posições internacionais.”

Leitor, você viu a nossa midia, dar realce e levantar uma reação contra essa perseguição religiosa? E os direitos fundamentais dos católicos de conhecerem e praticarem a Verdadeira Religião?

Um rápido apanhado da Nigéria desde a colonização britânica

“A Nigéria é amplamente multicultural, multiétnica e multirreligiosa, com mais de 400 línguas que apresentam diversidade em um território de contradições e possibilidades. […]

Com o maior número de muçulmanos vivendo em qualquer país da África, e o maior número de cristãos vivendo no mesmo país, a era colonial sob os britânicos descentralizou a gestão do país, de modo que cada seção pudesse viver com suas próprias tradições e sistemas.

“Sob o regime militar desde 1966, e cada vez mais, uma forma centralizada de governo surgiu, e a elite muçulmana usa esse aparato como uma cobertura para governar o resto de toda a população, impondo o viés religioso e cultural de suas visões de mundo.

“O país sob administrações civis sofreu uma falta de boa liderança e uma guerra civil eclodiu em 1967 entre as partes do sudeste, predominantemente povoadas por cristãos (então conhecidas como Biafra) e o resto das partes predominantemente muçulmanas do norte da Nigéria. Mais de dois milhões de pessoas, principalmente crianças, morreram durante a guerra civil de Biafra, cujos efeitos ainda são evidentes. Existem enormes recursos minerais e pessoas vibrantes e trabalhadoras envolvidas em tornar o país e a África grandes, mas o fanatismo islâmico continua a levar o país à beira do desastre.”

Em 1985, um ditador militar, o Sr. Ibrahim Babangida, contrabandeou clandestinamente a Nigéria contra a vontade da maioria dos cidadãos para a adesão forçada à Organização dos Países Islâmicos (OIC), ação que aumentou as polarizações, conflitos em afiliações religiosas, suspeitas da islamização, e a atual tentativa total por parte da elite política muçulmana dominante de impor os sistemas islâmicos legais, religiosos, culturais e sociais à corrente principal da vida pública em todo o país.

Em 1999, 12 dos 36 estados que compõem a Federação da Nigéria, contrariando a letra e o espírito da Constituição Federal da República, legislaram simultaneamente para adotar a Sharia Islâmica contra a constituição secular na qual a Nigéria foi fundada em seu início começando.

***

Em verde, os estados nigerianos que adotaram a Sharia.

“Há uma ruptura da paz dentro do espaço social, e muitos cristãos fugiram de seus locais de residência, pois suas igrejas e casas foram destruídas. Esses atos de incêndio criminoso e estupro de mulheres são criminosos, mas as agências de aplicação da lei, além das condenações públicas, não conseguiram amenizar ou trazer a situação sob controle, alimentando a suspeita de que haja uma conspiração por parte do governo, amplamente controlada pelos muçulmanos elite política e as forças de segurança com sua inteligência para tolerar essa ilegalidade e afronta.”

***

ONU, Comissão de Direitos Humanos, liberdade religiosa. O maior direito da pessoa humana é conhecer e praticar a verdadeira Religião de Nosso Senhor. Os três primeiros séculos da Igreja nos fornecem a prova daqueles que deram a vida por amor a Nosso Senhor.

É hora de juntarmos nossas preces pela perseverança de nossos irmãos na Fé. E implorarmos a Deus que faça cessar esse estado de opressão aos seus fieis servos perseguidos por sua Fé.

Fonte: https://bitterwinter.org/urgent-call-for-religious-freedom-in-nigeria/

Deixe uma resposta