Trump comemora (oficialmente) o 850º aniversário do martírio de São Tomás Becket

0

LifeSiteNews: “AGORA, PORTANTO, eu, DONALD J. TRUMP, Presidente dos Estados Unidos da América, em virtude da autoridade que me foi conferida pela Constituição e pelas leis dos Estados Unidos, proclamo 29 de dezembro de 2020, como o 850º aniversário do martírio de São Tomás Becket. Convido o povo dos Estados Unidos a observar o dia em escolas, igrejas e locais de reunião habituais, com cerimônias apropriadas em comemoração à vida e ao legado de Thomas Becket.”

“EM TESTEMUNHO DO QUE, declaro de meu punho neste dia vinte e oito de dezembro, do ano de nosso Senhor dois mil e vinte, e da Independência dos Estados Unidos da América, duzentos e quarenta e cinco.”

Um fato inédito na república dos EUA

“(Nota do editor: o seguinte é o texto completo da Proclamação do 850º Aniversário do Martírio de São Tomás Becket, emitida em 28 de dezembro de 2020 pelo Presidente Donald Trump)

“Hoje é o 850º aniversário do martírio de São Tomás Becket em 29 de dezembro de 1170. Thomas Becket foi um estadista, um erudito, um chanceler, um padre, um arcebispo e um leão da liberdade religiosa. (Subtítulos nossos)

“Antes que a Carta Magna fosse redigida, antes que o direito ao livre exercício da religião fosse consagrado como a primeira liberdade da América em nossa gloriosa Constituição, Thomas deu sua vida para que, como ele disse, “a Igreja alcance a liberdade e a paz”.”

Breve biografia: “devemos obedecer a Deus antes que aos homens”

“Filho de um xerife de Londres e uma vez descrito como “um escrivão de origem humilde” pelo rei que o matou, Thomas Becket ascendeu para se tornar o líder da igreja na Inglaterra. Quando a coroa tentou invadir os assuntos da casa de Deus por meio das Constituições de Clarendon, Thomas recusou-se a assinar o documento ofensivo. Quando o furioso rei Henrique II ameaçou considerá-lo por desacato à autoridade real e questionou por que esse “pobre e humilde padre” ousaria desafiá-lo, o arcebispo Becket respondeu “Deus é o governante supremo, acima dos reis” e “devemos obedecer a Deus em vez de homens. “”

Um exemplo útil e atual nessa pandemia: a igreja não pode ser subserviente ao estado

“Porque Thomas não concordou em tornar a igreja subserviente ao estado, ele foi forçado a perder todas as suas propriedades e fugir de seu próprio país. Anos mais tarde, após a intervenção do Papa, Becket foi autorizado a retornar – e continuou a resistir às interferências opressivas do Rei na vida da igreja. Finalmente, o rei se cansou da defesa obstinada de Thomas Becket da fé religiosa e, segundo consta, exclamou consternado: “Ninguém me livrará deste padre intrometido?””

Os cavaleiros do rei responderam e cavalgaram até a Catedral de Canterbury para entregar um ultimato a Thomas Becket: ceda às exigências do rei ou morra. A resposta de Thomas ecoa em todo o mundo e através dos tempos. Suas últimas palavras nesta terra foram estas: “Pelo nome de Jesus e pela proteção da Igreja, estou pronto para abraçar a morte.” Vestido com mantos sagrados, Thomas foi morto onde ele estava dentro das paredes de sua própria igreja.”

Um exemplo para a História

“O martírio de Thomas Becket mudou o curso da história. Por fim, trouxe várias limitações constitucionais ao poder do Estado sobre a Igreja em todo o Ocidente. Na Inglaterra, o assassinato de Becket levou à declaração da Magna Carta 45 anos depois que: “[A] igreja inglesa será livre, e terá seus direitos inalterados e suas liberdades intactas.””

“Quando o arcebispo se recusou a permitir que o rei interferisse nos assuntos da Igreja, Thomas Becket ficou na interseção da Igreja e do Estado. Essa posição, após séculos de opressão religiosa patrocinada pelo Estado e guerras religiosas em toda a Europa, acabou levando ao estabelecimento da liberdade religiosa no Novo Mundo.”

[…]

“Neste dia, celebramos e reverenciamos a corajosa posição de Thomas Becket pela liberdade religiosa e reafirmamos nosso apelo para acabar com a perseguição religiosa em todo o mundo. Em meu discurso histórico às Nações Unidas no ano passado, deixei claro que a América está ao lado dos crentes em todos os países que pedem apenas a liberdade de viver de acordo com a fé que está em seus próprios corações.”

Defesa da Vida

“Também afirmei que os burocratas globais não têm absolutamente nenhum negócio de atacar a soberania das nações que desejam proteger a vida inocente, refletindo a crença dos Estados Unidos e de muitos outros países de que toda criança – nascida e não nascida – é um presente sagrado de Deus. No início deste ano, assinei uma Ordem Executiva para priorizar a liberdade religiosa como uma dimensão central da política externa dos Estados Unidos. Instruímos cada embaixador – e os mais de 13.000 oficiais e especialistas do Serviço de Relações Exteriores dos Estados Unidos – em mais de 195 países a promover, defender e apoiar a liberdade religiosa como um pilar central da diplomacia americana.”

Uma menção ao Cardeal Zen

“Oramos pelos crentes religiosos em todos os lugares que sofrem perseguição por sua fé. Oramos especialmente por seus pastores corajosos e inspiradores – como o Cardeal Joseph Zen de Hong Kong e o Pastor Wang Yi de Chengdu – que são testemunhas incansáveis ​​de esperança.” […]

DONALD J. TRUMP

***

Publicando trechos da declaração do presidente dos EUA, Donald Trump, não estamos endossando todas as suas posições. Queremos pôr em evidência, nesse artigo, o tônus do conservadorismo americano que vai aos poucos penetrando a esfera do Estado e desinfestando-o do espírito laicista.

Nos agrada sobremaneira, nesse tempo de intromissão do Estado na esfera da Igreja (pandemia) a reafirmação de que São “Thomas não concordou em tornar a igreja subserviente ao estado”. A Igreja não está submetida a nenhum poder temporal. À Ela foi dado o Mandato divino: “Ide, e evangelizai todos os povos”.

São Gregório VII forçou a curvar-se diante dele, (Hnrique IV) o imperador do Sacro Império Romano Alemão, pedindo perdão.

Sirva tudo isso de apoio aos conservadores brasileiros, sobretudo aos católicos, a fim de reafirmarmos os supremos direitos da Igreja face às intromissões de governadores petistas ou do falso Centrão.

Fonte: https://www.lifesitenews.com/news/full-text-president-trumps-new-religious-freedom-and-pro-life-proclamation-honours-st-thomas-becket?utm_source=top_news&utm_campaign=standard

Deixe uma resposta