27 DE DEZEMBRO

Acordo de Munique ou política do “ceder para não perder” . O princípio de sempre ceder diante do injusto é perder o valor maior que se quer preservar cedendo. Da esquerda para direita: Neville Chamberlain, Édouard Daladier, Adolf Hitler, Benito Mussolini e Galezzo Ciano, logo após a ssinatura do Pactod e Munique.

1788: O rei Luís XVI da França, aceita dobrar o número de representantes do Terceiro Estado (o primeiro era o clero; o segundo, a nobreza; e o terceiro, o povo) nos Estados Gerais, igualando-o em número aos deputados da nobreza e do clero somados. Nessa política de ceder para não perder, o infeliz rei perderá a cabeça.

1789: Numa outra prova de fraqueza diante dos revolucionários, o rei Luís XVI convoca os Estados Gerais, toque de Finados da realeza.

1831: Começa a viagem do naturalista britânico Charles Darwin pelo Pacífico, procurando bases para sua teoria sobre a origem das espécies. Como se sabe, ele é o pai do evolucionismo.

1984: Após visita do papa João Paulo II a um templo luterano de Roma, o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira publica na Folha de São Paulo o artigo “Lutero: não e não!”.

2002: A Coréia do Norte expulsa os inspetores da Agência Internacional da Energia Atômica.