Forças infernais atiçam os crimes da Rússia?

0

O jornalista e cientista político Sergej Sumlenny que desempenhou importantes missões na mídia russa e alemã e escreve para a maior revista russa de economia sublinhou quanto o esoterismo é difundido na Rússia, especialmente entre as elites.

Para ele, o exemplo mais recente apareceu nas explicações da morte de Daria Dugin, filha do filósofo Alexandr Dugin – preferido de Vladimir Putin e intensamente relacionado com o ocultismo que subjaz em não poucos movimentos populistas e enganosamente “tradicionalistas” ocidentais.

Áugure de Putin reage ao assassinato da filha, quiçá pela polícia putinista

O site independente Atlantico, que foca com frequência a Eurásia putinista, e os novos movimentos populistas europeus afins, lhe perguntou sobre a hipótese de que a morte de Daria Dugin teve um motivo esotérico.

Sergej Sumlenny disse acreditar que a explicação mais realista do assassinato é que foi organizado pelo FSB – herdeiro reforçado da polícia política KGB de Stalin – “para estimular o belicismo na Rússia. Este é, para mim, o principal motivo”.

Daria Dugin foi selecionada,  opina Sergej, e as cerimônias, discursos, cobertura da mídia, carros alegóricos oficiais, etc. lhe fazem acreditar que foi orquestrado.

Seu nome apareceu nos tanques russos na Ucrânia escrito até incorretamente, provando que os soldados nem sabiam quem ela era, mas receberam ordens para pintar seu nome.

Para Sergej, Putin acredita em parte no complô ocidental contra a Rússia, após muita auto doutrinação.

Dugin lhe promete algum tipo de força sobrenatural da qual dependia o sucesso ou o fracasso das iniciativas do presidente.

Desde a década de 1990, Dugin acreditava no mago e alquimista inglês Aleister Crowley (1875 –1947), também apelidado “Frater Perdurabo” e “The Great Beast 666”.

Crowley foi precursor do movimento hippie, pondo as bases da mistura de liberdade sexual, experiência de todo tipo de drogas, meditação, mistura – nos diríamos ecumênica – de cultos orientais e ocidentais.

Nas elucubrações de Dugin, a morte tem um efeito positivo para a Rússia

Os Beatles incluiriam sua imagem na portada do álbum Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band e os brasileiros Paulo Coelho e Raul Seixas exploram suas estranhas doutrinas.

Dugin acredita conhecer as verdades ocultas que impulsionam a evolução universal, explica Sergej Sumlenny.

E apela a essas leis telúricas da matéria divinizada, aliás, que ele imagina, e postula movimentos fatídicos a quem as pessoas não podem se opor mas, no máximo boiar neles.

Extravagâncias análogas foram postuladas pelo historiador soviético Lev Gumilov (1912 –1992) quem excogitou que enquanto a nação tiver um poder apaixonado no governo, ela ficará no topo, e que se perde esse “entusiasmo”, as derrotas acontecem.

Desde estes pontos de vista, o que os indivíduos fazem não importa, são aglomerados de átomos que essas forças cegas impulsionam, transformam ou extinguem.

Escuros fulgores do gênero permeiam a literatura russa e estão profundamente enraizados na igreja cismática russa, hoje mais conhecida como Patriarcado de Moscou acentuados pelo recurso permanente ao sacrilégio.

Para Sergej, no pensamento de Dugin o assassinato da filha valeria como um movimento catalisador do espírito russo.

Daria e seu pai falavam muito sobre a morte como solução para canalizar o poder espiritual da alma da nação.

Dugin, explica o jornalista russo, usa o misticismo baseado no culto da morte porque libera energia.

Sergej explica que os tomadores de decisão russos são supersticiosos. Vivem acreditando em números, horóscopos, coincidências, inspiração divina, etc.

Simbolismos esotéricos presentes na despedida de Daria

Se vão à igreja não é porque são cristãos, mas porque supõem achar um portal para a bênção das profundidades. Obviamente acrescentamos nós, eles não vão às católicas, mas sim às cismáticas continuadoras das magias de Rasputin.

Muitas pessoas na Rússia de grande influência e conhecimento técnico acreditam fortemente em todas as teorias de conspiração possíveis por causa dessas superstições esotéricas, revela o redator da principal revista de economia russa.

O jornalista entrevistado acrescenta que o símbolo “Z” usado na invasão da Ucrânia segundo Kamil Galeev do Woodrow Wilson International Center for Scholars foi forjado à luz destas doutrinas ocultistas. Podendo ser até comparada com a interpretação iniciática da suástica nazista.

A tendência de acreditar em todas as coisas esotéricas possíveis não diminui nas elites em comparação com a “classe baixa” não iniciada nas doutrinas de Dugin. Por isso, muitos russos acreditam que Putin traz boa sorte.

O site Atlantico pediu ao jornalista aprofundar o que é a “unidade paranormal” do FSB.

Sergej responde acenando com o sigilo dessa “unidade”, mas lembra numa entrevista publicada no jornal oficial do governo em 2006 o general do FSB Boris Ratnikov menciona uma equipe de telepatas que invade a mente dos políticos ocidentais.

“Pessoalmente, acho que eles acreditam que há coisas que podem controlar além deste mundo, se tiverem a chance.

“Conheci FSBs na minha juventude, e eles acreditavam em forças paranormais. Não sei se é por falta de educação ou por ser membro do serviço secreto”.

Sergej acha que essa tendência infernal não pode ser atribuída aos sovietes pois já existia antes da Revolução, basta pensar em Rasputin e sua influência na corte do último czar Nicolau II.

A “Z” tem apelo esotérico como outrora a suástica nazista

Mas para ele é claro que esse amor pelo paranormal também é consequência da educação soviética.

E que na tomada de medidas táticas concretas essas crenças podem ter uma enorme influência. Eles prestam atenção à numerologia.

Por exemplo, as datas para as invasões em grande escala na Geórgia 8/8/08 e de Ucrânia, 22/02/2022, foram escolhidas pela repetição dos números.

Na invasão da Ucrânia, acrescentou o entrevistado, as iniciativas foram influenciadas por essas crenças.

Eles dizem: se essas forças ocultas existem, por que não tentar canalizá-las, conclui Sergej Sumlenny.

E o demônio existe.

Deixe uma resposta