José Carlos Sepúlveda

Votaram em Dilma 47.651.434 eleitores, de um total de 135.804.433. Ou seja, apenas 35,08% do eleitorado. Onde estão, pois, os mais de 80% de popularidade de Lula?

As previsões, as profecias, as certezas dogmáticas enunciadas pelos “especialistas” das mais variadas áreas anunciavam um desfecho inequívoco para a eleição presidencial: a vitória arrasadora de Dilma Rousseff no primeiro turno e o desbaratamento de qualquer tipo de oposição.

Seria o triunfo, a consagração do lulo-petismo, a vitória de um projeto de poder popular contra “tudo o que aí está”, contra as “elites opressoras” que dominaram o Brasil durante 500 anos.

Popularidade fictícia

Lula e sua candidata eram – e continuam a ser – consagrados nas pesquisas. Mas, como já frisei diversas vezes no Radar da Mídia, trata-se de uma ficção, desmentida sempre que é confrontada com a realidade. Neste caso com a realidade das urnas.

Votaram em Dilma 47.651.434 eleitores, de um total de 135.804.433. Ou seja, apenas 35,08% do eleitorado.

Onde estão, pois, os mais de 80% de popularidade de Lula? Ele que de forma escandalosa – e ilegal – transformou a eleição de Dilma Rousseff em seu virtual terceiro mandato, chegando a subir em palanques, sem a presença de sua pupila, pedindo votos para si, ou que nas propagandas no rádio e na televisão afirmou sem pejo: “Quem vota em Dilma, vota em mim”.

“Lula abordou a sua sucessão como uma campanha de reeleição. A Presidência, os Ministérios, as empresas estatais e as centrais sindicais neopelegas foram mobilizadas para assegurar o triunfo da candidata oficial”, escreveu Demétrio Magnoli no jornal O Estado de S. Paulo (Um mito de papel, 28.out.2010).

Não se diga agora que Lula é popular mas não transfere votos, pois todos os “especialistas” afirmavam que Dilma estava sendo carregada nas asas da popularidade de Lula. O bem informado diário espanhol, El Pais, chegou a intitular sua reportagem, poucos dias antes do primeiro turno da eleição: “Rousseff voa para a presidência do Brasil graças ao carisma de Lula”.

Não nos esqueçamos também que boa parte dessa votação da candidata petista foi impulsionada pelos programas sociais como Bolsa Família, já qualificado como o maior programa de compra de votos da história nacional. Os estudos sobre a coincidência das áreas do País beneficiadas pelo programa social do governo Lula e as zonas com maiores índices de votação de Dilma Rousseff, são inequívocos.

Fracasso dos profetas

O malogro dos institutos de pesquisa foi bem analisado por Fernando Mello, em reportagem para a revista Veja (13.out.2010), intitulado O fracasso dos profetas:

“Nos últimos dois meses, todos os institutos que se dedicam a sondar a cabeça do eleitorado apontaram para a mesma direção: a petista Dilma Rousseff seria eleita presidente da República no primeiro turno — e com folga.

A certeza alardeada era tal que, até dois dias antes do pleito, a possibilidade de haver um segundo round era tratada como delírio da oposição. Estatísticos metidos a profetas vaticinaram que o tucano José Serra sairia das urnas humilhado com 20 pontos atrás da adversária. (…) Só que, anunciada a contagem final… Ops, que diferença!

Nenhum instituto detectou com precisão a vontade dos eleitores. Mesmo o que mais se aproximou do resultado das urnas, o Datafolha, escorregou para além dos limites da “margem de erro”, o campo do equívoco aceitável. O Ibope falhou até mesmo na pesquisa de boca de urna, coisa rara de ver. (…)

“O desempenho dos institutos de opinião neste primeiro turno deixa uma lição. Serve para lembrar que as pesquisas devem ser vistas em sua dimensão devida: são falíveis, quando não manipuláveis. E estão sempre sujeitas àquilo que, na falta de explicação melhor, os institutos agora chamam de imponderável. O imponderável, no caso, é que a cabeça dos brasileiros é melhor do que imaginam os pesquiseiros.”

Insurreição eleitoral

Sim, a cabeça dos brasileiros é bem diferente e melhor do que a imaginam o mundo político – sobretudo, certos setores da esquerda – o mundo publicitário e vastos setores do mundo midiático.

Foi por isso que ampla parcela da opinião pública, à margem do mundo político-partidário, impôs uma reviravolta inédita no quadro eleitoral.

Veja na integra o artigo de Dom Bertrand sobre as eleições

https://www.ipco.org.br/home/noticias/insurreicao-eleitoral

6 COMENTÁRIOS

  1. Estudei com o Sr. José Carlos Sepulveda e, como tive um tempinho comecei a pesquisar o nome na Internet, e encontrei estas reportagens, o mesmo estudou entre 1960 a 1968 no Colégio Pedro I, entre Ramos e Bonsucesso. Se for a mesma pessoa fica um grande abraço ao amigo.
    Ricardo M Garcia – ricmgarcia@gmail.com

  2. Considero Lula um grande presidente porque agiu como as sagradas escrituras dizem:”eu tive pena do sofrimento do meu povo” “Euvim para que todos tenham vida e a tenham em abundância Jo.10,10

  3. Em se tratando de política, claro que eles (os politicos) trabalharão pelo maior valor, é humano isto. esquecendo as ideologias e raciocinando sem tendencias, usando apenas a matematica que é um estudo de EXATAS, a materia está imparcial, e certíssima, mas para isso tem que se tirar ideologias, e pensamentos resultantes de pessoas envolvidadas diretamente no processo, matematicamente o resultado das eleiçoes é 35% como 35% é tambem a aceitação de Lula, o restante são valores relativos e portanto não fazem parte integrante da verdade, mas irá ser dito ate a proxima eleição milhares de vezes, por que isto é interessante a eles, e isto é oque quer ouvir os eleitores do PT, e para cada razão que aparecer contraria os eleitores do PT terão mil favoráveis, é assim a reação do povo desde os tempos dos gladiadores em Roma antiga. E se o Serra fosse eleito a coisa não seria diferente no tocante a seus eleitores, e com certeza eu estaria aqui agora, falando dele, pois me julgo moderado e de centro, evito falar quando estou emocionalmente envolvido, por isso procuro sempre não me envolver emocionalmente pois isto atrapalharia meu senso crítico.

  4. Outro dos comentários que se faz é que Lula transformou esta eleição em PLEBISCITO a seu governo, se assim for apenas 35,08% aprovaram seu governo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome