Na Rússia da época de Stalin, centenas, senão milhares de crianças e adolescentes perambulavam pelas ruas das cidades cometendo pequenos delitos. Era um dos tristes resultados da repressão comunista feita em nome do povo: os pais desses jovens haviam sido executados ou mandados para campos de concentração por crimes – ou suspeita de crimes – contra o regime.

No Brasil não há, nem nunca houve comunismo estabelecido, mas crianças nas ruas brasileiras são tão reais quanto àquelas da época da chamada “ditadura do proletariado” na Rússia. Para onde foram os pais das crianças daqui? Eles desapareceram por causa de um sistema repressor mais potente do que a polícia comunista: a destruição da família.

Um pequeno artigo publicado sob o título: “Falhas e omissões mantêm ‘meninas do arrastão’ na ativa”, na Folha de S. Paulo, no último dia 10 de agosto, nos dá apenas anúncios dessa situação no Brasil, que tem suas semelhanças com aquela da Rússia comunista.

O artigo nos mostra como há um verdadeiro impasse para resolver o problema das meninas delinqüentes: “Elas vagam pelas ruas da Vila Mariana e cometem pequenos furtos. A polícia chega e as deixa na delegacia. Lá, o delegado aciona os conselheiros tutelares. Mas no final de tudo, geralmente elas voltam para as ruas”.

O problema é que não há qualquer sistema para impedir a reincidência das pequenas infratoras: “Nos abrigos, o entendimento geral é que essas crianças, que dizem não ter família nem documentos, não podem ser mantidas à força.”, continua o artigo. É preciso ressaltar o fato de que essas meninas dizem “não ter família”.

Na mesma notícia, o coordenador da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil, Martim Sampaio, afirma: “Um caso social como esse vira policial e não há estrutura de ressocialização”.

Tais afirmações parecem indicar que não há solução para o caso. De fato, com a decadência moral e religiosa atual, uma saída para essa situação é impossível. Os pais dessas crianças não foram executados ou levados para prisões. Eles simplesmente estão ausentes, porque a estrutura familiar está em frangalhos. Divórcio, amor livre, concubinato, libertinagem e imoralidade de toda ordem destruíram a noção de família conforme os ensinamentos católicos.

Quanto ao regime stalinista, este não poderia admitir uma volta para a moral religiosa e os bons costumes. Era um regime ateu. Então, naquela época, propuseram a seguinte saída tenebrosa: recompensa para quem “eliminasse” as crianças das ruas de Moscou. Rapidamente os jovens delinqüentes não foram mais vistos…

Será que no Brasil chegaremos a tal abismo? Ou voltaremos à instituição familiar baseada nos perenes princípios da moral católica?

2 COMENTÁRIOS

  1. A “autodemolição da Igreja” (palavras de Paulo VI) privou-A em grande medida dos elementos humanos que poderiam remediar, senão consertar, tal situação, pelas vias da educação e da caridade. Ao invés disso, vemos o contrário: os que deveriam dar bom exemplo, muitas vezes ou não o dão, ou são a causa mesmo de desvios morais. Prova disto é a apologia de uso de preservativos feita numa catedral de uma das cidades da Bahia. Se os Bispos e o Clero em geral tivessem lutado contra o divórcio e suas mazelas com a garra do Patrono deste sítio, Prof. Plínio Corrêa de Oliveira (que fez diversas campanhas contra o divórcio, e lutou contra a tal reforma agrária, fator certo de empobrecimento do povo), certamente as coisas hoje seriam muito diferentes.

  2. Uma saída com toda a certeza, é aposentar em definitivo, juízes e Deputados Federais que apoiam a UNIÃO GAY, ABORTO e outras aberrações que vão contra os princípios Cristãos estabelecidos nas Sagradas Escrituras. APOSENTADORIA, JÁ para esta Promiscua Senadora MARTA SUPLICY, aRainha Satanizada neste Congresso DEMONÍACO.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário!
Por favor insira seu nome