Juíza, escolhida por Biden, se recusa a definir o que é uma mulher

0

Ketanji Brown Jackson se recusa a definir a palavra “mulher”. Mais uma manifestação da decadência do Ocidente e da penetração da Revolução Cultural a serviço da esquerda.

“Não, não posso” definir o que é uma mulher

Está em curso a sabatina, pelo Senado americano, da indicada pelo presidente Joe Biden, para a Suprema Corte em 22 de março; ela se recusou a definir o que é uma mulher ou dizer se ela concordava que as punições por posse ou distribuição de pornografia infantil deveriam ser reforçadas.

“Não, não posso” definir o que é uma mulher

A juíza Ketanji Brown Jackson foi questionada durante o segundo dia de suas audiências de confirmação se ela poderia fornecer uma definição da palavra “mulher”.

“Não, não posso”, disse Jackson.

“Não sou bióloga”, acrescentou.

Jackson faz parte do conselho da Georgetown Day School, onde alunos de até 5 anos aprendem que podem escolher um gênero diferente, disse a senadora Marsha Blackburn (R-Tenn.).

Ela então perguntou a Jackson se ela concordava com a falecida juíza Ruth Bader Ginsburg, que disse em uma decisão que “as diferenças físicas entre homens e mulheres são duradouras”. Jackson disse que não podia, porque não estava familiarizada com o caso.

Depois que Jackson se recusou a fornecer uma definição do que é uma mulher, Blackburn disse: “O significado da palavra mulher é tão obscuro e controverso que você não pode me dar uma definição?”

“No meu trabalho como juiz, o que faço é resolver disputas. Se houver uma disputa sobre uma definição, as pessoas argumentam, e eu olho a lei e decido”, disse a candidata à Suprema Corte.

Perigos da educação evolucionista e progressista

“O fato de você não poder me dar uma resposta direta sobre algo tão fundamental quanto o que é uma mulher ressalta os perigos do tipo de educação progressista de que estamos ouvindo”, disse Blackburn, apontando que Lia Thomas, um homem biológico, foi permitido competir contra mulheres nos campeonatos universitários nacionais no início deste mês, atraindo críticas generalizadas.

Durante a audiência de terça-feira, Jackson também se recusou a se opor à expansão do tamanho da Suprema Corte. Tanto Ginsburg quanto o juiz Stephen Breyer, que Jackson substituirá se for confirmada pelo Senado, se manifestaram contra a proposta, que é favorecida principalmente pelos democratas.

Conivente com a pornografia infantil

“Tenho opiniões sobre muitas coisas. Não tenho uma opinião que acho apropriada para compartilhar”, disse Jackson ao senador John Kennedy (R-La.). “Trabalhei muito para deixar de lado minhas opiniões quando estou pensando em casos, que é o trabalho de um juiz. Portanto, essa questão em particular é muito controversa, como você diz, que está na província do Congresso e acho que não é apropriado comentar.”

Jackson usou um raciocínio semelhante para se recusar a dizer se ela apóia a imposição de punições mais severas para crimes relacionados à pornografia infantil. Enquanto juiz, Jackson deu aos réus em tais casos uma sentença em média 47% menor do que os promotores recomendaram, de acordo com uma análise do senador Ted Cruz (R-Texas).

***

É a Revolução Cultural que faz suas devastações no Ocidente. O Prof. Plinio define a IVa. Revolução como sendo uma etapa posterior ao comunismo e fruto desse.

Vejamos o que diz o livro Revolução e Contrarrevolução:

“E ao mesmo passo que o dirigismo (estatal) igualitário vai assim transformando a economia, a imoralidade e o liberalismo vão
dissolvendo a família e preparando o chamado amor livre.

“Sem um combate específico a esta mentalidade, ainda que um cataclismo tragasse a Rússia e a China, o Ocidente dentro de cinqüenta ou cem anos seria comunista.”

***

Aí está o exemplo da candidata à Suprema Corte americana: suas respostas indicam bem a “evolução” da mentalidade ocidental para a IVa. Revolução, a dissolução da família, a perda do senso moral. Essa juíza não consegue definir o que é uma mulher e se posiciona de modo conivente — em suas decisões — com a pornografia infantil, conforme mostrou o Sen. Ted Cruz.

Fonte: https://www.theepochtimes.com/ketanji-jackson-refuses-to-define-word-woman-say-child-pornography-punishment-should-be-strengthened_4356353.html?utm_source=morningbriefnoe&utm_campaign=mb-2022-03-24&utm_medium=email&est=ehC%2BRkrXJTkzwiEWl0B5da0mYRNT8RPZdF4iR56iruoRbD%2BiK%2FuLs%2BPnJ%2FPnVs4%3D

Deixe uma resposta