Matreirice eleitoral salva Chávez da catástrofe

    Luis Dufaur

    Matreirice eleitoreira: Chávez perde em votos mas leva mais deputados

    51% dos eleitores venezuelanos (5.779.129 ao total) votaram pela oposição (Mesa de la Unidad Democrática e Patria Para Todos) contra o partido do proto-ditador Hugo Chávez nas eleições parlamentares neste domingo 26 de setembro.

    Os candidatos chavistas somaram 5.259.998 votos, ou seja 46,4%. 3% dos sufrágios. 339.952) optaram por partidos minoritários. Os números quase definitivos são do “El Universal”, maior quotidiano de Caracas.

    Porém, a oposição tirou só 67 deputados (40% da Assembléia Nacional) e os amigos do proto-ditador 98.

    Uma reforma do mapa eleitoral calculada a dedo para favorecer a facção socialista criou um jogo de distorções astuciosas.

    Os Estados da federação venezuelana que reúnem a maioria dos eleitores ‒ Zulia, Miranda, Carabobo, Lara, Aragua e o Distrito Capital (Caracas), isto é, 9.319.360 eleitores, ou 52% do eleitorado ‒ e onde oposição é habitualmente majoritária, só escolhem 64 deputados, ou seja 39% da Assembléia Nacional.

    Os Estados com maior influência chavista escolhem 101 deputados (61% do Legislativo), embora só contem com 8.400.505 eleitores (48% do eleitorado).

    Os exemplos fornecidos pela imprensa caraquenha são numerosos. Este foi um dos elementos decisivos do resultado “democrático e popular” do domingo no qual o perdedor saiu ‘vencedor’.

    Porém, a confusão não acaba aí.

    O mistério das urnas eletrônicas

    O sistema de urnas eletrônicas venezuelano gaba-se de ser o mais moderno do mundo. Diversas vozes falam que seria

    Os resultados demoraram demais

    brasileiro.

    Ele devia fornecer os resultados finais (ou quase finais) duas horas após o encerramento do pleito eleitoral.

    Porém, os resultados só vieram aparecer às 6:00 da madrugada do dia seguinte.

    Só os mistérios do software poderiam explicar o que se passou nesse meio tempo, cfr “El Nacional”.

    Melancólica comemoração do espalhafatoso líder

    Por sua vez, parece que o presidente Chávez não acha positivo o momento atual, malgrado o malabarismo dos números.

    Ele cancelou seu costumeiro comparecimento na sacada do Palácio Miraflores para saudar seus apoiadores, aliás desanimados e em esquálido número.

    Chavistas desanimados na praça

    Chávez contentou-se com twittear à distância os seus seguidores com uma mensagem resignada que não dispensa as habituais bravatas: “Bem meus queridos compatriotas, foi uma grande jornada e obtivemos uma sólida vitória. Suficiente para continuar aprofundando o Socialismo Bolivariano e Democrático. Devemos continuar fortalecendo a Revolução!!”, noticiou “El Nacional”.

    O governo parecia prever a vitória da matreiricee, também, a derrota do ponto de vista da opinião pública.

    Para María Corina Machado, deputada oposicionista do Estado de Miranda os “eleitores venezuelanos recusaram o comunismo à cubana”, disse “El Nacional”.

    Na segunda-feira, Chávez passou da depressão à crise de insegurança fustigando a “mentira e manipulação” dos que acham que o resultado foi um triunfo opositor.

    Esquema paralelo para se perpetuar no poder

    Nesta perspectiva cinzenta para a “revolução bolivariana” reforçada por más notícias para a revolução socialista que

    Chavez prepara “poder comunal” paralelo

    chegavam de outros países latino-americanos, Chávez montou um esquema de poder que foge de toda e qualquer lei ou da Constituição que ele próprio criou e reformou.

    Enquanto instalava um grupo de mulheres bem no gosto de Muhanmad Kaddafi, chamado “Guardiãs de Chávez” para velarem pelo avanço da “revolução” socialista (OESP, 17/09/2010) e pregava desinibidamente pela vitória da candidata do PT, Dilma Rousseff, no primeiro turno (FSP, 17/09/2010), instituiu uma rede de “comunas”, estruturas paralelas que dependerão exclusivamente dele para se perpetuar no poder (FSP, 18/09/2010).

    As comunas serão unidades político-territoriais que poderão abarcar áreas de mais de um Estado ou município. Terão porta-vozes, corpo legislativo, legislação própria e até moeda. Isto é, constituirão um Estado paralelo.

    A oposição vê na manobra o projeto de “selar o caminho ao comunismo”. A “lei das comunas” vem junto com uma lei de “economia comunal” socialista que inclui a meta marxista de extinguir “a divisão do trabalho”. As empresas de “propriedade comunal” não pagarão impostos e terão preferência em licitações. “Será a morte lenta das empresas de mercado”, diz a oposição.

    Este engendro jurídico, se não naufragar entre os oceanos de papel e de burocracia ditatorial gerados pelo coronel golpista, ameaça extinguir os espaços de legalidade que ainda restam na Venezuela.

    Amorim e Kirchner vêem democracia beneficiada

    Kirchner intimida jornais (foto: fiscais no ‘Clarín’) e elogia “democracia chavista”

    Durante a campanha eleitoral, Chávez muito “democraticamente” insultou aos “burgueses de pacotilha” e mostrou-se obsedado pelo fantasma de um “golpe de Estado tipo Honduras”.

    Segundo “La Voz del Sandinismo” Chávez prometeu que esta eleição seria a primeira fase da “Campanha Admirável” iniciada com o slogan “Oligarcas Tremei”.

    Porém, para o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, o resultado da Venezuela é “bom para a democracia na nossa região”.

    Também Cristina Kirchner, engajada em silenciar a imprensa oposicionista argentina, apressou-se a comemorar a vitória trapaceira de seu colega venezuelano.

    Amorim falou à imprensa em Nova York, onde participa da 65ª Assembléia Geral da ONU, após ter acorrido a Cuba para prometer investimentos brasileiros além do U$ 1 bilhão já engajado em obras de infraestrutura.

    Para a economia cubana reduzida a cinzas cadavéricas, e para a venezuelana que regride espantosamente, a possibilidade de ditadores se sustentarem no poder depende cada vez mais do apoio generoso do petismo.